Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Alemanha: 240 mil em manifestação contra a extrema-direita

Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se neste sábado em Berlim.

Reprodução Twitter
Reprodução Twitter

Segundo os organizadores, na manifestação participaram cerca de 240 mil pessoas, noticia a “Deutsche Welle”.

A ação foi convocada pela aliança #Unteilbar (que em alemão significa indivisível ou todos juntos) e foi apoiada por numerosas organizações, associações, partidos e personalidades alemãs.

Entre os objetivos da iniciativa estava o alerta para o ascenso da extrema-direita, o combate à discriminação racial e a xenofobia, o protesto contra a morte de imigrantes no Mediterrâneo e os cortes nas políticas sociais. Na página oficial da organização que convocou a manifestação sublinha-se que a ação é contra “todas as formas de ódio e discriminação, confrontando o racismo para com os muçulmanos, os ciganos, o antissemitismo, o antifeminismo, e a fobia LGBTQ”.

A ação teve início na praça Alexanderplatz, prosseguiu pelas ruas e praças do centro de Berlim e encerrou com intervenções políticas e um espetáculo musical na Coluna da Vitória.

A manifestação foi apoiada pela Amnistia Internacional, pelo Conselho Central dos Muçulmanos, pelos partidos Die Linke, Partido Social-Democrata e Verdes. O grupo de rock Die Ärzte e o cantor pop Herbert Grönemeyer atuaram no encerramento.

Em declarações à Lusa antes da ação, Anna Spangenberg, porta-voz da organização, afirmou esperar que esta manifestação “contra a extrema-direita e a favor de uma sociedade solidária e aberta, seja a maior do ano em Berlim”.

Artigo originalmente publicado no Esquerda.net.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista