Alemanha: 240 mil em manifestação contra a extrema-direita
Reprodução Twitter

Alemanha: 240 mil em manifestação contra a extrema-direita

Dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se neste sábado em Berlim.

Esquerda.net 18 out 2018, 13:49

Segundo os organizadores, na manifestação participaram cerca de 240 mil pessoas, noticia a “Deutsche Welle”.

A ação foi convocada pela aliança #Unteilbar (que em alemão significa indivisível ou todos juntos) e foi apoiada por numerosas organizações, associações, partidos e personalidades alemãs.

Entre os objetivos da iniciativa estava o alerta para o ascenso da extrema-direita, o combate à discriminação racial e a xenofobia, o protesto contra a morte de imigrantes no Mediterrâneo e os cortes nas políticas sociais. Na página oficial da organização que convocou a manifestação sublinha-se que a ação é contra “todas as formas de ódio e discriminação, confrontando o racismo para com os muçulmanos, os ciganos, o antissemitismo, o antifeminismo, e a fobia LGBTQ”.

A ação teve início na praça Alexanderplatz, prosseguiu pelas ruas e praças do centro de Berlim e encerrou com intervenções políticas e um espetáculo musical na Coluna da Vitória.

A manifestação foi apoiada pela Amnistia Internacional, pelo Conselho Central dos Muçulmanos, pelos partidos Die Linke, Partido Social-Democrata e Verdes. O grupo de rock Die Ärzte e o cantor pop Herbert Grönemeyer atuaram no encerramento.

Em declarações à Lusa antes da ação, Anna Spangenberg, porta-voz da organização, afirmou esperar que esta manifestação “contra a extrema-direita e a favor de uma sociedade solidária e aberta, seja a maior do ano em Berlim”.

Artigo originalmente publicado no Esquerda.net.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.