Deputada curda Leyla Güven entrou em coma
Reprodução

Deputada curda Leyla Güven entrou em coma

Deputada do HDP da Turquia está há mais de 70 dias em greve de fome.

Esquerda.net 21 jan 2019, 14:07

A curda Leyla Güven é deputada do partido de esquerda pró-curdo Partido Democrático do Povo (HDP) e iniciou a greve de fome a 7 de novembro, na prisão de Diyarbakir, como forma de protesto contra o isolamento do líder curdo Abdullah Öcalan.

A deputada curda entrou em coma no 73º dia de greve de fome.

O Parti de Gauche da França divulgou um comunicado, onde denuncia que “Erdogan iniciou uma deriva repressiva sem fim, entende deixá-la morrer”. O Parti de Gauche manifestou o seu apoio à deputada e a milhares de prisioneiros políticos, enviou uma delegação à prisão de Diyarbakir e pediu ao Ministro dos Negócios Estrangeiros que a França que interpele a Turquia, “para que Leyla Güven tenha possibilidade de sobreviver”.

ambém o PCF denunciou o risco de vida em que está Leyla Güven e manifestou a sua solidariedade com ela. Deputadas e deputados de outros países também apelaram à solidariedade.

Neste domingo realizaram-se manifestações e concentrações de solidariedade com Leyla Guven e pelo fim do isolamento Abdullah Öcalan, em diversos países da Europa.

Uma Petição por Leyla Guven recolhe assinaturas na internet, clique aqui para subscrever.

Artigo originalmente publicado pelo Esquerda.net.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.