Deputada curda Leyla Güven entrou em coma
Reprodução

Deputada curda Leyla Güven entrou em coma

Deputada do HDP da Turquia está há mais de 70 dias em greve de fome.

Esquerda.net 21 jan 2019, 14:07

A curda Leyla Güven é deputada do partido de esquerda pró-curdo Partido Democrático do Povo (HDP) e iniciou a greve de fome a 7 de novembro, na prisão de Diyarbakir, como forma de protesto contra o isolamento do líder curdo Abdullah Öcalan.

A deputada curda entrou em coma no 73º dia de greve de fome.

O Parti de Gauche da França divulgou um comunicado, onde denuncia que “Erdogan iniciou uma deriva repressiva sem fim, entende deixá-la morrer”. O Parti de Gauche manifestou o seu apoio à deputada e a milhares de prisioneiros políticos, enviou uma delegação à prisão de Diyarbakir e pediu ao Ministro dos Negócios Estrangeiros que a França que interpele a Turquia, “para que Leyla Güven tenha possibilidade de sobreviver”.

ambém o PCF denunciou o risco de vida em que está Leyla Güven e manifestou a sua solidariedade com ela. Deputadas e deputados de outros países também apelaram à solidariedade.

Neste domingo realizaram-se manifestações e concentrações de solidariedade com Leyla Guven e pelo fim do isolamento Abdullah Öcalan, em diversos países da Europa.

Uma Petição por Leyla Guven recolhe assinaturas na internet, clique aqui para subscrever.

Artigo originalmente publicado pelo Esquerda.net.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.