Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

Nota do PSOL sobre a situação política na Venezuela

O Partido Socialismo e Liberdade tem, como princípios, a soberania dos povos e a não-intervenção.

O Partido Socialismo e Liberdade tem, como princípios, a soberania dos povos e a não-intervenção. Por isso, repudiamos o reconhecimento, por parte do governo Bolsonaro, de um autoproclamado “presidente encarregado” na República Bolivariana da Venezuela.

O deputado Juan Guaidó é parte de uma inaceitável intervenção externa urdida pelo Departamento de Estado dos EUA, com apoio dos governos de direita e extrema-direita da América do Sul, entre eles, o Brasil. A diplomacia brasileira é reconhecida pelos constantes esforços em assegurar a paz através de saídas negociadas para conflitos e crises de natureza política.

Alinhar-se aos interesses dos EUA e à oposição de direita representa, portanto, um grave ataque à soberania do povo venezuelano, que só se justifica pela necessidade de encobrir os graves escândalos envolvendo a família Bolsonaro.

O PSOL defende uma saída pacífica e constitucional para a crise da Venezuela, respeitando a soberania de seu povo e rechaça qualquer interferência estrangeira neste país irmão.

23 de janeiro de 2019

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Neste mês de março, preparamos uma nova edição da Revista Movimento, dedicada especialmente para a reflexão e elaboração política sobre a luta das mulheres. Selecionamos um conjunto de materiais - artigos teóricos, textos políticos, documentos e uma especial entrevista - com o intuito de aprofundar o esforço consciente demonstrado por nossa organização nos últimos anos em avançar na compreensão sobre o tipo de feminismo que defendemos, bem como sobre o papel essencial e a importância estratégica que a luta feminista tem para a construção de um projeto anticapitalista. Um desafio exigido pela atual conjuntura, marcada pela ascensão de governos de extrema-direita no mundo, na qual o movimento feminista tem se apresentado como contraponto e trincheira de resistência fundamental. Por isso, esta edição pretende, antes de mais nada, auxiliar e fortalecer nossas intervenções feministas nesse momento, a começar por duas datas muito significativas que inauguram este mês: o 8 e o 14 de março, dia em que se completará um ano do brutal assassinato de nossa companheira Marielle Franco. Esperamos que seja proveitoso e sirva como instrumento para as nossas batalhas. Boa leitura!

Solzinho

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista