A fiscalização ambiental corre grave perigo
Parque Nacional da Serra da Canastra, área preservada pelo ICMBio do MMA - Divulgação

A fiscalização ambiental corre grave perigo

Bolsonaro pretende destruir a riqueza e a diversidade natural brasileira.

Marcela Durante 2 abr 2019, 15:05

Foi nesta última quarta-feira, dia 27 de março, que o Observatório do Clima divulgou dois documentos relativos ao projeto de reestruturação do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e do Sistema Nacional do Meio Ambiente (Sisnama).

Órgão criado em 1982 pela Lei n º 6.938/81 que estabelece a Política Nacional do Meio Ambiente -, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) é o órgão consultivo e deliberativo do SISNAMA. O SISNAMA é a estrutura adotada para a gestão ambiental no Brasil, sendo formado pelos órgãos e entidades da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios responsáveis pela proteção, melhoria e recuperação da qualidade ambiental no Brasil, e tem a seguinte estrutura: (1) Órgão Superior, o Conselho de Governo; (2) Órgão Consultivo e Deliberativo: o CONAMA; (3) Órgão Central: MMA; (4) Órgão Executor: O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA; (5) Órgãos Seccionais: os órgãos ou entidades estaduais responsáveis pela execução de programas, projetos e pelo controle e fiscalização de atividades capazes de provocar a degradação ambiental; (6) Órgãos Locais: os órgãos ou entidades municipais, responsáveis pelo controle e fiscalização dessas atividades, nas suas respectivas jurisdições. A atuação do SISNAMA se dá mediante articulação coordenada dos Órgãos e entidades que o constituem, observando o acesso da opinião pública às informações relativas as agressões ao meio ambiente e às ações de proteção ambiental, na forma estabelecida pelo CONAMA.

Com relação ao primeiro documento divulgado nessa semana “Notas sobre o Sisnama e sobre a Estrutura do Ibama”, foi produzido pelo advogado Antonio Fernando Pinheiro Pedro e entregue a Evaristo Miranda, chefe da Embrapa Territorial que chegou a ser cotado para assumir o MMA. O segundo documento, “Proposta Equipe de Transição SISNAMA-MMA”, foi publicado como nome de Miranda e de dez pessoas pertencentes à sua equipe, dentre eles Ricardo Salles – que viria ser nomeado ministro do Meio Ambiente – o Pinheiro Pedro, o atual presidente do Ibama, Eduardo Bim, o procurador do Estado de Goiás Ronald Bicca, denunciado por envolvimento com Carlinhos Cachoeira, Rose Hofmann, atual secretária de Apoio ao Licenciamento Ambiental e Desapropriação do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e José Truda Palazzo Jr, indicado para assumir a Secretaria de Biodiversidade do MMA. Vale lembrar que ambos os documentos já foram produzidos no final do ano passado, durante a transição para o governo Bolsonaro, por um grupo criado pelo próprio Evaristo de Miranda, apontando para problemas na atual estrutura do Sisnama e sugerem possíveis soluções. Pedro Pinheiro, por exemplo, afirma que o Conama é “inchado” e tem uma “composição de natureza política”, atuando “emocionalmente, sem a devida técnica”. Ele afirma também que o caminho é alterar o conselho por decreto, reduzindo o Plenário a um pequeno número de conselheiros nomeados pelo Executivo.

Referente à estrutura da governança ambiental, os documentos traziam taambém sugestões que foram implementadas logo após a posse de Jair Bolsonaro, demonstrando afinidade entre as ideias de Miranda e a atual gestão. Dentre as sugestões acatadas estão a extinção da Secretaria de Mudanças do Clima e Florestas e do Comitê Gestor do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, assim como a absorção do Serviço Florestal Brasileiro pelo Ministério da Agricultura.

Apesar de serem datados do ano passado, os documentos também trazem algumas novidades, como as propostas de fusão do Ibama – responsável pela fiscalização e proteção do meio ambiente – e do ICMBio – responsável por gerir e proteger as unidades de conservação – através de uma medida provisória. O grupo de Miranda também defende ‘reduzir a interferência federal na fiscalização”, com Ibama atuando “supletivamente” aos órgãos estaduais, demonstrando completo desmonte da fiscalização federal e da política de combate à mudanças climáticas, além do esvaziamento dos conselhos.

Esses documentos foram divulgados pelo Observatório do Clima uma semana após a primeira reunião do Conama presidida pelo ministro Ricardo Salles, que foi marcada por constrangimentos e confusões. Na página da ONG Mira-Serra no Facebook, a bióloga Lisiane Becker relata que um conselheiro suplente foi agredido fisicamente por seguranças.

Após a reunião, 165 entidades não governamentais divulgaram um manifesto contra a forma como vem sendo operada a reformulação do Conama: em prazo exíguo, de forma autoritária e sem discussão alguma com a sociedade. A carta se refere ao ofício enviado no dia 8 de março pelo Ministro-Chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, ao colega Ricardo Salles. Lorenzoni lista todos órgãos colegiados do MMA, entre eles o Conama, e pede que seja analisada a possibilidade de sua extinção, adequação ou fusão. O ofício deu prazo até quinta-feira passada, 28 de março, para que a análise fosse concluída.

Essas medidas vem trazendo indignação e preocupação a muitos ativistas, especialistas, técnicos e acadêmicos da área socioambiental, uma vez que essas decisões acirram mais os conflitos existentes na área ambiental e social. Em relato, Adriana Ramos, associada do Instituto Socioambiental (ISA), afirma que o Conama é um dos conselhos mais antigos do Brasil e tem sido responsável por toda a regulamentação da política ambiental no País. Para Ramos, sua característica mais importante é reunir representantes dos governos federal e estaduais, do setor privado, da agricultura e da sociedade civil:  “Ao desconsiderar esse papel do Conama e achar que pode-se fazer essas discussões e decisões em instâncias centralizadas, […] acabam diminuindo os espaços de solução de conflito. E as maiores críticas que residem na área ambiental são exatamente de que você tem mediar os conflitos entre diferentes áreas”.

Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima, destaca que ainda não há nenhuma informação sobre como será tratada a agenda de mudanças climáticas no Brasil nem sobre qual será a participação de cada órgão do governo em relação ao tema, mostrando a aversão e o desconhecimento do atual presidente eleito sobre esse tema tão caro a todos nós, a nível nacional e internacional.

Artigo originalmente publicado no site da deputada Sâmia Bomfim.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.