Liberdade para Assange

Nota do PSOL sobre a prisão do fundador do WikiLeaks.

PSOL 11 abr 2019, 13:57

Nesta manhã, Julian Assange foi preso pela polícia secreta britânica. O fundador do WikiLeaks estava refugiado na embaixada do Equador em Londres há sete anos.

Em 2012, o governo de Rafael Correa corajosamente se posicionou contra a intimidação dos EUA e concedeu asilo a Assange de acordo com o direito internacional e em defesa dos direitos humanos. Desde o ano passado, porém, o país governado por Lenin Moreno cedeu aos interesses imperialistas primeiramente desconectando Assange da Internet e reduzindo suas visitas, e agora entregando-o para o Reino Unido. Correa denunciou essa traição afirmando que “Moreno é corrupto, mas o que ele fez é um crime que a humanidade nunca vai esquecer.”

Assange resistiu à prisão aos gritos “O Reino Unido tem que resistir, vocês podem resistir!” Sua advogada, Jen Robinson, confirmou no Twitter que sua prisão tem relação com um pedido de extradição feito pelos Estados Unidos.

O evento acontece um mês depois da denunciante americana Chelsea Manning ter sido presa por se recusar a testemunhar contra o WikiLeaks. Ela havia tido sua pena comutada pelo ex-presidente Barack Obama, mas voltou a ser atacada neste momento em que os EUA de Donald Trump endurecem os ataques ao WikiLeaks.

O PSOL se posiciona e conclama a esquerda e os democratas a se levantarem pela liberdade de Julian Assange e contra sua extradição aos Estados Unidos. Pela liberdade de imprensa e contra a sociedade do controle absoluto.

Nota originalmente publicada no site do PSOL.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.