Liberdade para Assange

Nota do PSOL sobre a prisão do fundador do WikiLeaks.

PSOL 11 abr 2019, 13:57

Nesta manhã, Julian Assange foi preso pela polícia secreta britânica. O fundador do WikiLeaks estava refugiado na embaixada do Equador em Londres há sete anos.

Em 2012, o governo de Rafael Correa corajosamente se posicionou contra a intimidação dos EUA e concedeu asilo a Assange de acordo com o direito internacional e em defesa dos direitos humanos. Desde o ano passado, porém, o país governado por Lenin Moreno cedeu aos interesses imperialistas primeiramente desconectando Assange da Internet e reduzindo suas visitas, e agora entregando-o para o Reino Unido. Correa denunciou essa traição afirmando que “Moreno é corrupto, mas o que ele fez é um crime que a humanidade nunca vai esquecer.”

Assange resistiu à prisão aos gritos “O Reino Unido tem que resistir, vocês podem resistir!” Sua advogada, Jen Robinson, confirmou no Twitter que sua prisão tem relação com um pedido de extradição feito pelos Estados Unidos.

O evento acontece um mês depois da denunciante americana Chelsea Manning ter sido presa por se recusar a testemunhar contra o WikiLeaks. Ela havia tido sua pena comutada pelo ex-presidente Barack Obama, mas voltou a ser atacada neste momento em que os EUA de Donald Trump endurecem os ataques ao WikiLeaks.

O PSOL se posiciona e conclama a esquerda e os democratas a se levantarem pela liberdade de Julian Assange e contra sua extradição aos Estados Unidos. Pela liberdade de imprensa e contra a sociedade do controle absoluto.

Nota originalmente publicada no site do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!