Liberdade para Assange

Liberdade para Assange

Nota do PSOL sobre a prisão do fundador do WikiLeaks.

PSOL 11 abr 2019, 13:57

Nesta manhã, Julian Assange foi preso pela polícia secreta britânica. O fundador do WikiLeaks estava refugiado na embaixada do Equador em Londres há sete anos.

Em 2012, o governo de Rafael Correa corajosamente se posicionou contra a intimidação dos EUA e concedeu asilo a Assange de acordo com o direito internacional e em defesa dos direitos humanos. Desde o ano passado, porém, o país governado por Lenin Moreno cedeu aos interesses imperialistas primeiramente desconectando Assange da Internet e reduzindo suas visitas, e agora entregando-o para o Reino Unido. Correa denunciou essa traição afirmando que “Moreno é corrupto, mas o que ele fez é um crime que a humanidade nunca vai esquecer.”

Assange resistiu à prisão aos gritos “O Reino Unido tem que resistir, vocês podem resistir!” Sua advogada, Jen Robinson, confirmou no Twitter que sua prisão tem relação com um pedido de extradição feito pelos Estados Unidos.

O evento acontece um mês depois da denunciante americana Chelsea Manning ter sido presa por se recusar a testemunhar contra o WikiLeaks. Ela havia tido sua pena comutada pelo ex-presidente Barack Obama, mas voltou a ser atacada neste momento em que os EUA de Donald Trump endurecem os ataques ao WikiLeaks.

O PSOL se posiciona e conclama a esquerda e os democratas a se levantarem pela liberdade de Julian Assange e contra sua extradição aos Estados Unidos. Pela liberdade de imprensa e contra a sociedade do controle absoluto.

Nota originalmente publicada no site do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.