Liberdade para Assange

Liberdade para Assange

Nota do PSOL sobre a prisão do fundador do WikiLeaks.

PSOL 11 abr 2019, 13:57

Nesta manhã, Julian Assange foi preso pela polícia secreta britânica. O fundador do WikiLeaks estava refugiado na embaixada do Equador em Londres há sete anos.

Em 2012, o governo de Rafael Correa corajosamente se posicionou contra a intimidação dos EUA e concedeu asilo a Assange de acordo com o direito internacional e em defesa dos direitos humanos. Desde o ano passado, porém, o país governado por Lenin Moreno cedeu aos interesses imperialistas primeiramente desconectando Assange da Internet e reduzindo suas visitas, e agora entregando-o para o Reino Unido. Correa denunciou essa traição afirmando que “Moreno é corrupto, mas o que ele fez é um crime que a humanidade nunca vai esquecer.”

Assange resistiu à prisão aos gritos “O Reino Unido tem que resistir, vocês podem resistir!” Sua advogada, Jen Robinson, confirmou no Twitter que sua prisão tem relação com um pedido de extradição feito pelos Estados Unidos.

O evento acontece um mês depois da denunciante americana Chelsea Manning ter sido presa por se recusar a testemunhar contra o WikiLeaks. Ela havia tido sua pena comutada pelo ex-presidente Barack Obama, mas voltou a ser atacada neste momento em que os EUA de Donald Trump endurecem os ataques ao WikiLeaks.

O PSOL se posiciona e conclama a esquerda e os democratas a se levantarem pela liberdade de Julian Assange e contra sua extradição aos Estados Unidos. Pela liberdade de imprensa e contra a sociedade do controle absoluto.

Nota originalmente publicada no site do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
A décima terceira edição da Revista Movimento dedica-se ao debate sobre os desafios da esquerda socialista no Brasil diante da crise nacional que se desenrola há anos e do governo Bolsonaro. Para tanto, foram convidados dirigentes do PSOL, do MES e de outras organizações revolucionárias que atuam no partido. O dossiê sobre a estratégia da esquerda e o PSOL reflete os desafios da organização de um polo socialista no interior do partido. Há também, na seção nacional, reflexões sobre a crise econômica brasileira, as revelações de The Intercept e as lutas da juventude e da negritude. As efemérides do centenário da escola Bauhaus e do cinquentenário do levante de Stonewall também aparecem no volume, além da tese das mulheres do MES para o Encontro de Mulheres do PSOL.