A rede Globo manipula uma vez mais
Reprodução

A rede Globo manipula uma vez mais

Roberto Robaina comenta a cobertura da Rede Globo das manifestações golpistas de 26/05.

Roberto Robaina 26 Maio 2019, 21:47

A manifestação golpista de Bolsonaro fracassou hoje. Mas a ameaça contra as liberdades democráticas continua porque o presidente é o chefe da política golpista, e ele segue no comando.

Além do mais, as instituições e a grande mídia que não endossam a política golpista não são capazes de defender a democracia. Ao contrário, querem apenas uma democracia escassa, dominada pela burguesia, a serviço dos ricos e privilegiados. 

Por isso, a Globo reduziu a zero o real conteúdo das manifestações e vendeu a ideia de que as mesmas eram centralmente a favor da reforma da previdência.

Ou seja, legitimou na prática manifestações golpistas para manter alguma influência sobre tal base social e para seguir empurrando a favor de um plano neoliberal que somente pode ser implementado até o final com autoritarismo e repressão contra o povo.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.