Sobre o debate em relação à localização do COAF
Sérgio Moro e Paulo Guedes.

Sobre o debate em relação à localização do COAF

Não devemos alimentar nenhuma ilusão em nenhum dos lados desse regime apodrecido.

Bernardo Corrêa e Honório Oliveira 23 Maio 2019, 16:05

Consideramos que, estando no Ministério da Fazenda ou da Justiça, o órgão poderá ser utilizado com a finalidade de investigação de movimentações financeiras suspeitas, caso isso seja do interesse do governo Bolsonaro. Não nos parece ser o caso, tendo em vista a forma pela qual o governo trata o escandaloso caso de Flávio Bolsonaro e Queiroz. O Ministro Moro não encontrará nenhuma dificuldade em obter dados sobre movimentações suspeitas com o ministro Guedes. Tratava-se, então, de uma falsa polêmica: o COAF seguirá sendo um órgão governamental.

Votar com quem queria diminuir o COAF para esconder suas ligações com a corrupção, o que moveu parte dos parlamentares que votaram em sua ida para a economia, como Aécio Neves, e outros investigados era muito ruim e não é uma causa da esquerda. Votar com o governo também não seria correto, já que investigar corrupção não é do interesse deste governo. Moro tampouco está fazendo isso, como está claro com sua aceitação em ser ministro de um presidente ligado às corruptas milícias. Por isso, o voto das companheiras Sâmia, Fernanda e David foi a abstenção. Não devemos alimentar nenhuma ilusão em nenhum dos lados desse regime apodrecido.

O que de mais grave ocorre no nosso país hoje são os cortes na educação e as desastrosas declarações do presidente da república, que mais uma vez apresentam traços autoritários e verborragia de caráter golpista. Apostamos que o centro da política neste momento está na mobilização dos estudantes e professores contra os cortes na educação e apostamos no dia 30 para começar a derrotar as medidas antidemocráticas e pró-burguesas deste governo.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.