A greve feminista de 14 de junho, rumo a um movimento de massas na Suíça

A greve feminista de 14 de junho, rumo a um movimento de massas na Suíça

Movimento mobilizou mais de meio milhão de pessoas.

Tamara Knežević 6 jul 2019, 15:30

A construção da greve feminista e feminina* na Suíça durou um ano inteiro e exigiu muitos esforços. De maneira geral, a construção de um movimento social e de protesto – num país onde reinam os partidos de direita e onde a principal arma das trabalhadoras e trabalhadores que é a greve, está nas mãos dos patronato, através da Pax Laboral[1] – não é uma tarefa fácil. No entanto, a greve feminista e de mulheres mobilizou mais de meio milhão de pessoas na última sexta-feira. Uma mobilização política histórica que ultrapassou a greve de 1991, tanto em números[2] quanto em repertórios de ações ou no nível de contestação social. Deve-se lembrar que o movimento atual denuncia abertamente a economia capitalista que pesa nas costas das mulheres*, algo que não estava presente em 1991!

Se a greve de 2019 assumiu uma escala sem precedentes, isso deve-se, especialmente, à sua natureza descentralizada. A partir do momento em que os coletivos nos bairros, nos locais de trabalho e de ensino foram criados, as mulheres* tomaram posse desse método necessário de ação política que a greve. A difusão e a preparação descentralizada popularizaram a greve, o que permitiu construir uma ampla frente de contestação.

No entanto, atualmente, resta fazer o trabalho político mais difícil. Depois de ter conseguido mobilizar tantas pessoas em torno das reivindicações do manifesto da greve[3] – sobre a relação com o corpo, com o trabalho ou com o espaço público – devemos absolutamente trabalhar para garantir um movimento social permanente e inclusivo que se reivindique enquanto um feminismo da totalidade, ou seja, um feminismo que não reproduza opressões contra outras categorias sociais[4]. Como ativistas feministas, antirracistas e anticapitalistas, devemos recusar o feminismo do Estado e assegurar que este movimento emergente se torne o mais amplo possível. A partir de agora, temos de estar atentas e atentos à forma que este movimento pode assumir, bem como à sua ancoragem política. O mesmo se aplica à estratégia política a ser adotada. Desenvolver um novo programa de reivindicações, a partir da (nova?) composição social do movimento? Manter as reivindicações, tornando mais visíveis as que até agora estavam implícitas, principalmente no que se refere ao racismo e à islamofobia da sociedade que afetam as mulheres muçulmanas, ciganas ou trabalhadoras sexuais? Procurar incluir em nossas reflexões, ações, manifestos, as pessoas cujas condições e direitos foram até agora mantidos invisíveis?

Uma coisa é certa, temos de continuar a evidenciar o trabalho reprodutivo feito pelas mulheres, defender o desenvolvimento dos serviços públicos, a redução geral do tempo de trabalho, mas também combater as políticas de austeridade que se impõem à agenda política e que impactam particularmente às mulheres mais vulneráveis e imigrantes, como é o caso do aumento da idade para se aposentar, da proibição do uso da burca ou ainda do aumento dos preços dos seguros de saúde! No entanto, combater as políticas elitistas e racistas não é suficiente para criar um movimento revolucionário ao qual tanto aspiramos. Para que ele seja verdadeiramente revolucionário e emancipatório, devemos promover ideias e trabalhar pelas liberdades de todas e todos. Somente por meio desse processo de conscientização, de politização e de reflexão coletiva – diretamente a partir da base e que já começou – é que nós conseguiremos nos colocar no centro do debate e das reivindicações das 99%[5].

Notas:

[1] A expressão original é “pax du travail”, “paz do trabalho”. Na Suíça, o direito a greve é mais restrito aos trabalhadores em comparação ao Brasil. A justificativa para isso é que, para os suíços, tudo pode ser resolvido diplomaticamente, incluindo conflitos entre patrões e empregados. Na prática, isso é usado para submeter a população a terríveis condições de trabalho e não permitir que eles se mobilizem contra isso por meio de greves.

[2] Ate a tradicional USS (União Sindical Suissa) informe mais de 500 000 pessoas : https://www.uss.ch/themes/egalite-des-sexes/article/details/la-plus-grande-manifestation-politique-de-lhistoire-recente-un-signal-clair-pour-une-marche-rapide-vers legalite/?fbclid=IwAR3Ku5jwKmr85OTbSd2nPl3Xoa4S9i8HYEJF4bbNZlLwmEfpyeN6tQbBmp4

[3] https://frauenstreik2019.ch/wp-content/uploads/2019/01/manifeste_greve-14.06.19.pdf

[4] Pour un féminisme de la totalité, Paris: Editions Amsterdam, 2017, (sous la dir. de Félix Boggio Ewanjé-Epée, Stella Magliani-Belkacem, Morgane Merteuil, Frédéric Monferrand)

[5] Faz referencia ao titulo do manifeste de C. Arruzza, T. Bhattacharya et N. Fraser (2019),¨Feminismo para os 99%”

Tradução de Allain Geffrouais. Reprodução da versão publicada pelo Portal da Esquerda em Movimento.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.