Bolsonaro libera mais veneno no mercado brasileiro
Reprodução

Bolsonaro libera mais veneno no mercado brasileiro

Em apenas seis meses de governo, 290 substâncias foram permitidas para uso.

Equipe Sâmia Bomfim 31 jul 2019, 15:16

As políticas ambiental e agrícola do governo Bolsonaro são desastrosas, cruéis e constrangedoras. A barbaridade mais recente desse desgoverno foi a liberação de mais 51 tipos de agrotóxicos no mercado brasileiro.

É importante ressaltar que Bolsonaro está liberando pesticidas em tempo recorde. Um estudo feito pelo Greenpeace mostra que 290 substâncias foram permitidas para uso desde o começo do governo, portanto, 6 meses. É mais do que um veneno por dia! Ainda de acordo com o levantamento: no primeiro semestre de 2018, foram liberados 229 produtos; já no primeiro semestre de 2017 foram 195 produtos. O volume, que já era alto, deveria diminuir, não o contrário.

Para se ter uma ideia da gravidade, pelo menos 32% dos pesticidas liberados por Bolsonaro são proibidos em toda a União Europeia. Afinal de contas, isso tem um impacto no meio ambiente e na qualidade de vida das pessoas. Só para ficar em um exemplo: o veneno sulfoxaflor, liberado pelo presidente, foi responsável por exterminar mais de meio bilhão de abelhas, num teste realizado em quatro estados brasileiros, entre os meses de janeiro e março.

Mas Bolsonaro não está nem aí para dados. A outra irresponsabilidade mais recente do presidente, para dizer o mínimo, foi exigir que os dados sobre o desmatamento no Brasil passem primeiro por ele, antes de serem divulgados, desrespeitando todo o trabalho do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Bolsonaro não conhece o Brasil e não faz questão de se debruçar sobre os reais problemas da sociedade a fim de dialogar e buscar saídas. Sua motivação é servir ao mercado financeiro, atuando como um fantoche das grandes corporações.

Artigo originalmente publicado no site da deputada Sâmia Bomfim.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.