Ruim para os trabalhadores, bom para os bancos: aprovada a reforma da previdência
Reprodução

Ruim para os trabalhadores, bom para os bancos: aprovada a reforma da previdência

Os brasileiros mais pobres terão que contribuir mais e receberão menos, os privilégios seguem mantidos.

Equipe Sâmia Bomfim 14 ago 2019, 13:45

Encerrada a votação dos destaques da reforma da previdência. O texto vai ao Senado. Os trabalhadores saem perdendo. Os brasileiros mais pobres terão que contribuir mais e receberão menos. Os privilégios seguem mantidos. Muito em breve, o povo vai sentir o ataque, infelizmente.

Saem ganhando os bancos, que ampliarão as vendas de planos de previdência privada. Junto aos grandes empresários, patrocinaram uma campanha farsesca para convencer o povo de que supostos sacrifícios deveriam ser feitos em prol do país. O Brasil espera que esses mesmos magnatas agora, diante de uma reforma tributária que começa a tramitar, façam eles os sacrifícios de maneira patriótica. Que se taxem os lucros, dividendos e fortunas e se alivie os impostos dos pobres e da classe média.

Ficará registrado na história que a votação da reforma da previdência na Câmara foi feita através da compra de votos através de uma montanha de dinheiro em emendas parlamentares. Nossa convicção não se vende e essa vergonha nós não carregaremos. Não nos vendemos!

Mesmo com muita dificuldade, a oposição conseguiu impedir ataques ainda mais duros aos trabalhadores rurais e aos miseráveis. Conseguimos impedir a capitalização que acabaria com a previdência social. Ainda assim, a reforma da previdência aprovada é péssima.

Que as ruas se agitem, que o povo se mobilize. Essa é a única forma de resistir a esse governo com manias autoritárias que coloca o Brasil nos trilhos do atraso.

Contem conosco, seguiremos lutando em defesa do povo brasileiro, da democracia e da justiça social.

Artigo originalmente publicado no site da deputada Sâmia Bomfim.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.