A 45 anos do golpe de Pinochet no Chile
O então presidente chileno Salvador Allende, em 1971 - Raymond Depardon

A 45 anos do golpe de Pinochet no Chile

Sobre o gole de Estado que depôs Salvador Allende.

Pedro Fuentes 11 set 2019, 17:52

Estamos em um novo aniversário da triste derrota do processo chileno e o início da sangrenta ditadura do Pinochet no Chile. Quando se via vir a tragédia chilena na Argentina post-cordobazo fazíamos uma manifestação muito numerosa pedindo “armas para o Chile caralho”. É sozinho uma lembrança. Agora é um momento para refletir sobre uma das várias lições que deixa essa derrota: como se podia parar naquele momento à direita e o fascismo. Um tema que tem atualidade ante o avanço do totalitarismo e a direita profascista no mundo e no Brasil.

O governo de Allende

Como parte do processo de ascenso da luta de massas no Cone Sul de Latinoamericano nas eleições gerais do Chile de 1970, triunfa a Unidade Popular, uma frente entre o Partido Socialista e o Partido Comunista, pela Izquierda Cristiana (que era uma divisão do partido burguês de Freire que tinha sido presidente, e outros agrupamentos menores. Esse trunfo foi possível graças ao fato que o Partido Conservador e o partido de Freire (os dois grandes partidos burgueses foram divididos as eleições.

Existe a ideia em muitos setores da atual vanguarda brasileira e mundial que, com o governo de Allende era já um governo socialista, e que isto demostra que se tem possibilidade de ter uma via pacifica ao socialismo. Na realidade o governo de Allende era um governo anti-imperialista (com rasgos mais profundos de radicalização do que foi o governo de Chaves na Venezuela, mais não era um governo de ruptura com a burguesia; Chile estava em uma grande turbulência revolucionaria, mas o estado seguiu sendo burguês, em particular porque seu exército no foi tocado pelo governo de Allende. O governo de Allende abreu uma situação revolucionaria em Chile, mas esta situação infelizmente, se viu quebrada pelo golpe militar de Pinochet de 11 de setembro de 1973.

A vitória da Unidade Popular abriu uma situação de efervescência de massas e de luta por suas reivindicações. O governo de Allende tomou medidas enormemente progressistas frente ao imperialismo. Nacionalizou as minas de cobre, o mais importante recurso econômico do país, fez a reforma agrária em setores do campo bastante produtivos, nacionalizou outras fábricas e implantou um sistema de produção misto e de cooperativas. Nacionalizou o sistema bancário e começou reformas educativas profundas.

Não poderíamos dizer que era um governo dos trabalhadores, já que os Partidos Comunista e Socialista estavam no poder junto a um partido pequeno burguês produto de uma racha da burguesia da burguesia (Trotsky chamou estes governos de Frente Popular). Ainda que tenha havido profundas transformações, a estrutura do Estado não foi modificada e uma instituição fundamental, o Exército, seguiu sendo a mesma. Pinochet foi comandante-em-chefe nomeado ao final depois do primeiro intento de golpe de estado fracassado pelo governo de Allende.

Na realidade este governo começou a ser um sanduíche entre o movimento de massas que queria radicalizar o processo rumo ao socialismo e a burguesia e o imperialismo que começaram a acossá-lo pela direita. Ante tal avanço da direita, os trabalhadores começaram o processo de auto-organização dos cordões industriais – que eram formas soviéticas de organização a partir das fábricas. Algo semelhante ocorria nos bairros populares. Em muitas fábricas, ante a pressão da direita que lançou uma greve de caminhoneiros, começaram-se a produzir armamentos. Os trabalhadores viam como inevitável o enfrentamento e para tal se preparavam. Entre a suboficialidade do exército e, particularmente, entre os marinheiros, houve um processo de levante contra os militares conspiradores especialmente após a primeira tentativa golpista. Entretanto, Allende manteve-se como o defensor da “institucionalidade”, inclusive nomeando Pinochet como comandante-em-chefe do Exército.

O reconhecido gesto de Allende fotografado enfrentando com uma metralhadora o bombardeio do Palácio de La Moneda não apaga o fato de que ele tinha em suas mãos todas as possibilidades de enfrentar o golpe não só com uma metralhadora nas mãos, mas facilitando – e não obstando – o armamento dos trabalhadores e do povo (O governo requisitou as armas nas fábricas dias antes do golpe). Isso teria significado colocar o poder nas mãos dos trabalhadores e do povo para avançar em a revolução socialista. Tal foi o que Allende não quis fazer.

O governo chamou a pacificação para evitar um derramamento de sangue, mas a sangue foi maior pelas manos da sangrenta ditadura de Pinochet.

Foi o fracasso da via pacífica ao socialismo. Esta era a palavra de ordem que instrumentavam em todo o continente os partidos comunistas. Esta estratégia era utilizada para dizer que deveria ser mantida a legalidade no Chile, e que não se deveria provocar a direita para seguir avançando pelo curso institucionalidade. Este caminho escolhido principalmente pelo Partido comunista se demostro bem errado.

A situação atual é bem diferente. Estamos em outro patamar, longe de uma situação revolucionaria em nosso país e no continente. Mas elas virão e temos que tirar lições da tragédia chilena.

Artigo originalmente publicado no Portal da Esquerda em Movimento em setembro de 2018.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
A décima terceira edição da Revista Movimento dedica-se ao debate sobre os desafios da esquerda socialista no Brasil diante da crise nacional que se desenrola há anos e do governo Bolsonaro. Para tanto, foram convidados dirigentes do PSOL, do MES e de outras organizações revolucionárias que atuam no partido. O dossiê sobre a estratégia da esquerda e o PSOL reflete os desafios da organização de um polo socialista no interior do partido. Há também, na seção nacional, reflexões sobre a crise econômica brasileira, as revelações de The Intercept e as lutas da juventude e da negritude. As efemérides do centenário da escola Bauhaus e do cinquentenário do levante de Stonewall também aparecem no volume, além da tese das mulheres do MES para o Encontro de Mulheres do PSOL.