Comunicado de Convergência Social (Frente Ampla)
Reprodução

Comunicado de Convergência Social (Frente Ampla)

Partido chileno presta solidariedade ao povo equatoriano.

Convergência Social 17 out 2019, 13:56

Como Convergência Social manifestamos nossa solidariedade com o povo equatoriano e nossa condenação enérgica às medidas adotadas pela administração Lenin Moreno para responder pela via da violência o descontentamento generalizado pelo chamado “Paquetazo”.

Nos anos de gestão Moreno, os equatorianos experimentaram um retrocesso no gozo de seus direitos sociais pela implementação do neoliberalismo, que levou a uma forte deterioração da situação econômica, tudo isto em paralelo ao seu realinhamento continental com a direita e a subordinação do país aos interesses dos EUA, que se traduziram em ações lamentáveis como a entrega do jornalista Julian Assange.

Na última quinta-feira, 3 de outubro, Moreno decretou um Estado de Sítio e ordenou a utilização do exército em todo país para reprimir as manifestações que se iniciaram com o início de uma série de medidas de ajustes – como e eliminação dos subsídios dos combustíveis – implantadas para cumprir com o ordenado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Exigimos que o governo do Equador levante o Estado de Sítio e a militarização do país, para evitar uma espiral de violência, e atenda as reivindicações do povo equatoriano. Da mesma maneira, rechaçamos o papel que os organismos internacionais, como a OEA, tem jogado em nosso continente, decretando que governos devem se manter e quais devem ser derrubados de acordo com os interesses dos EUA.

Apoiamos os movimentos sociais, organizações estudantis e comunidades indígenas em sua luta para conseguir a derrubada das medidas de ajuste neoliberal que, como ocorrem na Argentina e no Brasil, somente geram mais problemas e sofrimentos para os setores mais pobres.

Reprodução da versão traduzida pelo Portal da Esquerda em Movimento.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.