Comunicado de Convergência Social (Frente Ampla)
Reprodução

Comunicado de Convergência Social (Frente Ampla)

Partido chileno presta solidariedade ao povo equatoriano.

Convergência Social 17 out 2019, 13:56

Como Convergência Social manifestamos nossa solidariedade com o povo equatoriano e nossa condenação enérgica às medidas adotadas pela administração Lenin Moreno para responder pela via da violência o descontentamento generalizado pelo chamado “Paquetazo”.

Nos anos de gestão Moreno, os equatorianos experimentaram um retrocesso no gozo de seus direitos sociais pela implementação do neoliberalismo, que levou a uma forte deterioração da situação econômica, tudo isto em paralelo ao seu realinhamento continental com a direita e a subordinação do país aos interesses dos EUA, que se traduziram em ações lamentáveis como a entrega do jornalista Julian Assange.

Na última quinta-feira, 3 de outubro, Moreno decretou um Estado de Sítio e ordenou a utilização do exército em todo país para reprimir as manifestações que se iniciaram com o início de uma série de medidas de ajustes – como e eliminação dos subsídios dos combustíveis – implantadas para cumprir com o ordenado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Exigimos que o governo do Equador levante o Estado de Sítio e a militarização do país, para evitar uma espiral de violência, e atenda as reivindicações do povo equatoriano. Da mesma maneira, rechaçamos o papel que os organismos internacionais, como a OEA, tem jogado em nosso continente, decretando que governos devem se manter e quais devem ser derrubados de acordo com os interesses dos EUA.

Apoiamos os movimentos sociais, organizações estudantis e comunidades indígenas em sua luta para conseguir a derrubada das medidas de ajuste neoliberal que, como ocorrem na Argentina e no Brasil, somente geram mais problemas e sofrimentos para os setores mais pobres.

Reprodução da versão traduzida pelo Portal da Esquerda em Movimento.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Publicamos a décima sétima edição da Revista Movimento ainda sob o impacto da pandemia da Covid-19. Em todo o mundo, as contradições acumulam-se. Este volume está dedicado à análise de várias dimensões desta verdadeira crise global e de seus desdobramentos. Com destaque, tratamos da mobilização antirracista nos Estados Unidos e no mundo, iniciada após o assassinato de George Floyd, e da situação brasileira, discutindo a crise do governo Bolsonaro e as recentes manifestações dos trabalhadores por aplicativos.