Comunicado de Convergência Social (Frente Ampla)
Reprodução

Comunicado de Convergência Social (Frente Ampla)

Partido chileno presta solidariedade ao povo equatoriano.

Convergência Social 17 out 2019, 13:56

Como Convergência Social manifestamos nossa solidariedade com o povo equatoriano e nossa condenação enérgica às medidas adotadas pela administração Lenin Moreno para responder pela via da violência o descontentamento generalizado pelo chamado “Paquetazo”.

Nos anos de gestão Moreno, os equatorianos experimentaram um retrocesso no gozo de seus direitos sociais pela implementação do neoliberalismo, que levou a uma forte deterioração da situação econômica, tudo isto em paralelo ao seu realinhamento continental com a direita e a subordinação do país aos interesses dos EUA, que se traduziram em ações lamentáveis como a entrega do jornalista Julian Assange.

Na última quinta-feira, 3 de outubro, Moreno decretou um Estado de Sítio e ordenou a utilização do exército em todo país para reprimir as manifestações que se iniciaram com o início de uma série de medidas de ajustes – como e eliminação dos subsídios dos combustíveis – implantadas para cumprir com o ordenado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Exigimos que o governo do Equador levante o Estado de Sítio e a militarização do país, para evitar uma espiral de violência, e atenda as reivindicações do povo equatoriano. Da mesma maneira, rechaçamos o papel que os organismos internacionais, como a OEA, tem jogado em nosso continente, decretando que governos devem se manter e quais devem ser derrubados de acordo com os interesses dos EUA.

Apoiamos os movimentos sociais, organizações estudantis e comunidades indígenas em sua luta para conseguir a derrubada das medidas de ajuste neoliberal que, como ocorrem na Argentina e no Brasil, somente geram mais problemas e sofrimentos para os setores mais pobres.

Reprodução da versão traduzida pelo Portal da Esquerda em Movimento.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.