Marchezan, o esculhambador de Porto Alegre
Divulgação/PSDB

Marchezan, o esculhambador de Porto Alegre

O prefeito de Porto Alegre protocolou na Câmara de Vereadores um pacote que é um ataque descarado aos trabalhadores.

Roberto Robaina 28 jan 2020, 10:21

Marchezan protocolou na Câmara dos Vereadores hoje, segunda-feira, um pacote contra a população. A primeira coisa incrivel é que o novo presidente da Câmara, Reginaldo Pujol, mostrou estar a serviço do prefeito e assinou a realização de sessoes extraordinárias, nesta quinta e sexta, para vota-lo. Um atropelo para apreciar projetos sem cabimento.

Agora só escrevo o que tem de essencial: trata-se de um ataque descarado aos trabalhadores. Entre as medidas está a cobrança de pedágio: 4,70 para veículos que entram em Porto Alegre. Pedreiros, operários, trabalhadores seriam taxados. Pedágio contra o povo. Absurdo. Isso não vai passar. Outro ataque: cobrar os trabalhadores dos aplicativos. Eis a outra bagunça planejada. E o que Marchezan tenta desde o final do ano: liquidar a categoria dos cobradores. Eis o projeto Robin Hood às avessas: tentar tirar de partes do povo para ajudar os empresários dos transportes de ônibus. A cara de pau não tem igual. Nada de tocar nas taxas de lucros destes empresários que há décadas dominam o serviço de transporte em Porto Alegre. Durante muitos anos dominavam também a Câmara dos Vereadores. Agora, embora o presidente da Câmara, o vereador Pujol, do DEM, seja amigo deles, nós estamos firmes para denunciar essa tramóia.

De quarta até sexta, podem ter certeza, terá muita confusão em Porto Alegre. Toda ela provocada por este prefeito antipopular. Os trabalhadores rodoviários e os motoristas de aplicativos estarão na linha de frente da mobilização na semana que começa.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.