Por que Ibaneis veta a Praça Marielle Franco?
Placa Rua Marielle Franco. Reprodução

Por que Ibaneis veta a Praça Marielle Franco?

Não há duvida que o veto de Ibaneis é uma sinalização ao clã Bolsonaro. E também à sua base conservadora.

Giulia Tadini 23 jan 2020, 16:49

Hoje repercutiu a notícia de que o governador do DF vetou a praça Marielle Franco, projeto de autoria do deputado Fábio Felix, aprovado na CLDF ano passado.

Em texto, ele alega que Marielle não contribuiu com a realidade do DF, e que isso não contribui com uma “tradição” instituída. Nada mais falso.

Em primeiro lugar, há vários exemplos que desmentem o governador. Temos a praça do cantor Leandro, praça Alziro Zarur, homenagem ao Roberto Marinho, Ayrton Senna. Além disso, Brasília não é uma cidade qualquer, é a capital federal.

Estranha que mais de 150 lugares públicos no mundo todo homenageiam Marielle, mas que aqui isso não faça sentido. O legado de Marielle transcende fronteiras, se tornou ícone da luta por direitos humanos.

Talvez por ser capital que se justifique esse veto. A vida de Marielle foi marcada por enfrentar os poderosos. Sua trajetória inspira as novas gerações, sobretudo mulheres, negras, negros e periféricos a enfrentar os podres poderes. Até hoje sua história, e a motivação por traz desse crime, faz alguns tremerem, bem no centro do poder.

Não há duvida que o veto de Ibaneis é uma sinalização ao clã Bolsonaro. E também à sua base conservadora. Segue com mais força do que nunca a pergunta: Quem mandou matar?

Também estranha o silêncio da administração de Brasília sobre essa decisão revoltante.

A praça Marielle não precisa de aval do governador. Seguirá a luta na CLDF pra derrubar o veto. Mas dia 14 de março, independente disso, iremos ocupar e inaugurar a praça para dizer com toda a força: sua luta vive em nós, sua luta vive em Brasília e em todo país.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
O MES completa 20 anos. A edição n. 14-15 da Revista Movimento é dedicada por completo ao importante evento que marca duas décadas de nossa história. Apesar de jovens, podemos dizer que poucas organizações na história política da esquerda brasileira alcançaram essa marca com tamanho vigor. Longe de autoproclamação, desejamos transformar nossos êxitos em força social e militante para novos e amplos impulsos. Ainda não cumprimos uma maratona, mas nossa história sem dúvida deixou para trás a visão de curto prazo, que alguns adversários nos chegaram a prognosticar. Diante das muitas provas, vitórias e algumas derrotas, podemos celebrar e somar forças para enfrentar as tarefas imediatas: derrotar a tentação autoritária de Bolsonaro e avançar na construção de uma alternativa socialista.