Unidade não é adesismo: os mesmos métodos levam aos mesmos resultados
Divulgação

Unidade não é adesismo: os mesmos métodos levam aos mesmos resultados

Um debate sobre a unidade da esquerda na eleição para a prefeitura de Porto Alegre em 2020.

Fernanda Melchionna 18 jan 2020, 17:11

A eleição municipal de 2020, a primeira pós-eleição de Bolsonaro, será, na prática, um plebiscito sobre a agenda reacionária do governo. O resultado eleitoral em todo país em 2020 será um diagnóstico (ainda que distorcido pelas máquinas eleitorais e pelo poder econômico) da musculatura política e social que Bolsonaro terá para avançar ou não na restrição das liberdades e no aprofundamento da agenda econômica antipovo que tem em comum com Eduardo Leite e Nelson Marchezan.

A estratégia da extrema-direita é fechar o regime político por dentro do próprio sistema. Em 2019, levaram adiante esse plano, mas não tudo o que almejavam. Aliás, estão perdendo apoio graças à oposição social, principalmente da juventude, dos estudantes, das mulheres e do mundo cultural. Entretanto, na ausência de uma forte oposição política, sobretudo o fato de que os partidos com mais força da oposição não conseguem se apresentar como alternativa e novidade, Bolsonaro segue cavando e tentando se impor. Mas nós também estamos firmes e apostamos na razão e na vitória da luta. O povo não aceita a extrema-direita. E as eleições de 2020 serão uma batalha importante nesse sentido.

Nesse cenário, o PSOL – que se construiu como uma esquerda autônoma e independente nos anos de governo do PT e do PCdoB – apresentou duas fórmulas que podem reunir e unificar os partidos e movimentos de esquerda em Porto Alegre. A primeira delas, já realizada em muitos países por distintas esquerdas, a construção de prévias. Por meio delas, ativistas, militantes, partidos e movimentos poderiam submeter seus nomes e suas propostas para resgatar Porto Alegre da desertificação neoliberal e dos governos que privatizam, restringem e desrespeitam direitos do povo.

Mais do que uma fórmula que permita reunir todos e construir uma chapa forte para enfrentar Marchezan, essa proposta é uma forma de chamar a cidadania a participar, empoderar a cidade, apostar na democracia real e fortalecer a disputa nos territórios. Uma das coisas que mais indignam as pessoas é que elas são consideradas objetos da política, não sujeitos. Os políticos tomam decisões importantes, que afetam diretamente a vida das pessoas, mas elas nunca são chamadas a decidir. Para enfrentar estes tempos, é preciso uma nova esquerda. Nova em forma e conteúdo para resistir à direita, mas também para propor um programa alternativo e de enfrentamento ao capitalismo e suas desigualdades.

A proposta de prévias seria fundamental nesse sentido. Desde 15 de maio, estamos defendendo isso. O PSOL, com quase 13% dos votos da eleição de 2016 através da candidatura de Luciana Genro, com uma bancada combativa de vereadores (Alex Fraga, Karen Santos e Roberto Robaina), com a liderança de oposição com Robaina em 2019, com uma figura pública com a capacidade e a história de Pedro Ruas e com a minha trajetória e votação significativa para deputada na Capital, não fugiu dessa responsabilidade. Mesmo sem respostas do PT e do PCdoB, seguimos insistindo na necessidade de avançar nas prévias ou em uma solução negociada para que se compusesse a chapa com as vertentes reais da esquerda.

Na ausência de respostas, por unanimidade partidária, meu nome foi indicado para concorrer às prévias ou à eleição municipal. Mesmo assim, sempre alertei que meu nome não seria empecilho para unificar as esquerdas. Ao contrário, pela minha experiência nas lutas da cidade e como líder da oposição em 2017, creio que a confluência sempre é possível. Mas confluência significa liberdade de crítica e de ideias e síntese nas proposições.

Para isso, um amplo processo de debate com a cidade e a confluência das esquerdas seriam fundamentais. Mas política é feita de gestos. O chamado de um Congresso do POVO – organizado pelo campo PCdoB e PT sem consultar e construir as bases para se avançar em método democrático e um programa alternativo para Porto Alegre – já é a demonstração de uma política. A notícia da indicação de Miguel Rossetto (PT) para compor a chapa como candidato a vice é, na prática, o encerramento das negociações e da possibilidade de confluência das distintas esquerdas. Uma política que fala em unidade mas exige adesismo a uma fórmula e uma chapa que expressam apenas um campo da esquerda. Para nós, a unidade é uma necessidade, mas unidade não é adesão. Menos ainda adesão a prato feito, fórmulas conhecidas e já experimentadas.

As velhas fórmulas de autossuficiência levarão aos mesmos resultados de 2018 ou mesmo 2016, quando direita e extrema-direita foram ao segundo turno. Uma nova esquerda precisa ser crítica e autocrítica, capaz de, sem arrogância e sectarismos, encontrar as sínteses necessárias para se reencontrar com o povo.

Porto Alegre precisa:

— urgentemente revogar o conjunto de maldades implementado por Marchezan através de um resgate dos mecanismos de participação populares;
— um governo do povo, sem privilégios e mordomias, com salários de prefeito e secretários alinhados com os salários dos professores da rede municipal;
— um governo que combata a corrupção, fiscalizado por um conselho externo com plenos poderes para investigar. Prefeito e secretários que abram mão do sigilo bancário e fiscal e publicizem anualmente sua evolução patrimonial;
— um governo ancorado na mobilização social, no qual a democracia direta seja o principal instrumento de tomada das principais decisões de interesse da cidade; que reconstrua e amplie os mecanismos de participação e devolva a autonomia e a deliberação para os conselhos e os recursos para os fundos municipais;
— um governo que respeite e governe com o funcionalismo, revogue os ataques à carreira dos municipários, não atrase salários, crie uma empresa pública para manter o atendimento do PSF e os empregos dos trabalhadores do IMESF e abra diálogo permanente sobre condições de trabalho e salário.

Vamos, é claro, seguir batalhando pela unidade. Por isso, nossa proposta de prévias segue, assim como a disposição de sentar, conversar, buscar caminhos. Mas nossa luta por uma alternativa também passa por afirmar nossa candidatura.

Publicado originalmente no Sul21.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Publicamos a décima sétima edição da Revista Movimento ainda sob o impacto da pandemia da Covid-19. Em todo o mundo, as contradições acumulam-se. Este volume está dedicado à análise de várias dimensões desta verdadeira crise global e de seus desdobramentos. Com destaque, tratamos da mobilização antirracista nos Estados Unidos e no mundo, iniciada após o assassinato de George Floyd, e da situação brasileira, discutindo a crise do governo Bolsonaro e as recentes manifestações dos trabalhadores por aplicativos.