Meio isolado, Lula perde o norte

Meio isolado, Lula perde o norte

Lula erra ao não apoiar impeachment de Bolsonaro.

Juliano Fripp 13 abr 2020, 15:55

Quando nós do PSOL puxamos a consignia #forabolsonaro não foi por vaidade ou oportunismo, foi por ter os ouvidos abertos para a VOZ DO POVO, movimento foi tão acertado que em poucos dias superamos o 1 milhão de assinaturas pró impeachment. Lula, ao contrário, defende a permanência de Bolsonaro, erra, novamente, a mão, surpreende, novamente, o povo e afunda, ainda mais, a esperança que o povo nutre pelo PT. Lula quando diz não ao impeachment de Bolsonaro se coloca ao lado de Bolsonaro e ao seu discurso de ódio, anti povo, anti vida, e pró mercado. Onde Lula quer chegar com isso? Em 2022? Ou seja, quer exterminar com o povo em detrimento de uma eleição? Ou será que Lula tem medo? Mas medo de que?

Ainda bem que surge deputados do PT e movimentos sociais ligados ao PT que colocam a mão, também, no leme desse navio petista que quer sair de vez do Norte. Deputados e dirigentes responsáveis que mostram o caminho certo, o caminho que leva pelo o dar ouvido A VOZ DO POVO.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.