Sâmia Bomfim pede ao MPT que investigue empresas de call center
Reprodução

Sâmia Bomfim pede ao MPT que investigue empresas de call center

Deputada recebeu denúncias de condições insalubres e desrespeito às orientações sanitárias.

Equipe Sâmia Bomfim 1 abr 2020, 13:47

O mandato da deputada federal Sâmia Bomfim está recebendo uma série de denúncias contra empresas de call center e aplicativos. Por isso, a deputada protocolou no Ministério Público do Trabalho um pedido de fiscalização dessas empresas.

Clique aqui para ver o pedido em PDF

As denúncias alegam que as empresas não estão dispensando seus funcionários de irem trabalhar nem dando possibilidade de teletrabalho, tampouco há condições de trabalho salubre, uma vez que estão aglomerados em salas sem ventilação adequada, divididos apenas por uma mesa, em aparelhos que muitas pessoas pegam.

Além disso, há alegações de que essas companhias não atendem o mínimo necessário de EPIs, como o uso do álcool em gel, distanciamento de um metro, não aglomeração, além de não terem adotado nenhuma medida de segurança da saúde.

Já as empresas de aplicativos de entregas e serviços em gerais, não estão fornecendo, máscaras, luvas e álcool em gel aos seus trabalhadores e trabalhadoras.

“Esses trabalhadores estão sob situação de precariedade. E é desumano, que em plena essa crise sanitária mundial, eles sejam expostos a esses riscos. Por isso, que precisamos averiguar a situação urgente”.

Artigo originalmente publicado no site da deputada.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Publicamos a décima sétima edição da Revista Movimento ainda sob o impacto da pandemia da Covid-19. Em todo o mundo, as contradições acumulam-se. Este volume está dedicado à análise de várias dimensões desta verdadeira crise global e de seus desdobramentos. Com destaque, tratamos da mobilização antirracista nos Estados Unidos e no mundo, iniciada após o assassinato de George Floyd, e da situação brasileira, discutindo a crise do governo Bolsonaro e as recentes manifestações dos trabalhadores por aplicativos.