Avança a luta pelo impeachment! Unidade total para tirar Bolsonaro!
Pedro Ladeira/Folhapress

Avança a luta pelo impeachment! Unidade total para tirar Bolsonaro!

Nota da Executiva Nacional do MES.

Executiva Nacional do MES/PSOL 21 maio 2020, 16:16

Por meio desta nota, anunciamos nossa assinatura ao novo pedido de impeachment de Bolsonaro protocolado hoje, na Câmara dos Deputados por um conjunto de movimentos sociais, Frentes, entidades, com a participação do PSOL e diversos Partidos de Esquerda.

Derrubar Bolsonaro é condição elementar para o enfrentamento da crise sanitária, econômica e social gravíssima em que se encontra o Brasil. Em essência, é elementar para preservar vidas e direitos.

É nisso que temos insistido desde o dia 18 de março, quando apresentamos em Brasília um dos primeiros pedidos de impeachment de Bolsonaro. Dissemos, naquele dia, que era preciso “tirar Bolsonaro para salvar o Brasil”. E também que seria papel da oposição e de amplos setores atuar nesse propósito, levando em conta a mudança de situação que ocorria no país com o início da pandemia e o desdobramento de uma indignação social massiva, naquele momento, expressa nos panelaços e manifestações virtuais.

A ação, logo de cara, foi encampada por um expressivo grupo de mais de 200 personalidades, entre intelectuais, artistas, parlamentares e líderes de movimentos sociais. Da sociedade civil, recebeu apoio e estímulo de mais de 1 milhão de assinaturas, que foram anexadas à peça do impeachment.

Daquele dia até hoje, a tarefa de derrubar Bolsonaro só se confirmou. A situação de calamidade no país aumenta de forma acelerada. O número de mortos e infectados cresce e o governo atua numa linha genocida. Além de tudo, o presidente ainda agrega ao sofrimento dos brasileiros uma crise política permanente, ao ameaçar liberdades democráticas, demitir ministros e, mais recentemente, intervir em órgãos de investigação para blindar os crimes de sua família. Já somos o terceiro país em números de caso, um dos maiores em números de óbitos diários, chegando a definição que somos o “epicentro mundial da pandemia”.

Enquanto Bolsonaro trabalha somente pelo desenvolvimento de seu projeto reacionário e autoritário, a classe trabalhadora empobrece e, em muitos casos, corre risco de vida e passa fome, já que as medidas de distanciamento social são boicotadas e o pagamento da renda básica não é feito em dia e para todos que deveriam receber. Cada dia com Bolsonaro se somam mortes. Parece inacreditável que nosso país não tenha ministro da saúde, justamente quando se aproxima a pior fase do contágio do Coronavírus no Brasil.

É preciso dar um basta nisso tudo. Por isso, saudamos todos os partidos, parlamentares e membros da sociedade civil que também protocolaram pedidos de impeachment. Foram muitos desde então, o que é fundamental para fortalecer essa luta perante a sociedade.

Esse novo pedido protocolado na Câmara dos Deputados contribui para somar forças. A oposição de esquerda, na sociedade e no parlamento, deve ter um postura muito mais proativa para viabilizar a tarefa de derrubar Bolsonaro.

É importante que todos os esforços sejam unificados, seja num ato comum, seja em manifestos e até, se for o caso, numa peça de impeachment única que sintetize todas até hoje apresentadas.

Mais importante do que tudo: que se fortaleça a mobilização social, para que ela obrigue Rodrigo Maia a tramitar o pedido, ele seja aprovado e o país possa se ver livre, de uma vez por todas, de Jair Bolsonaro.

Executiva Nacional do MES, 21 de Maio de 2020.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Publicamos a décima sétima edição da Revista Movimento ainda sob o impacto da pandemia da Covid-19. Em todo o mundo, as contradições acumulam-se. Este volume está dedicado à análise de várias dimensões desta verdadeira crise global e de seus desdobramentos. Com destaque, tratamos da mobilização antirracista nos Estados Unidos e no mundo, iniciada após o assassinato de George Floyd, e da situação brasileira, discutindo a crise do governo Bolsonaro e as recentes manifestações dos trabalhadores por aplicativos.