Novo clipe do Dead Fish é um chamado à luta e à esperança
Reprodução

Novo clipe do Dead Fish é um chamado à luta e à esperança

A banda capixaba Dead Fish lançou seu novo clipe no ápice da crise política.

Israel Dutra 4 Maio 2020, 20:31

A banda capixaba Dead Fish lançou seu novo clipe no ápice da crise política. Enquanto Bolsonaro abusa da política de morte, Dead Fish inova em forma e conteúdo, mantendo-se na vanguarda da crítica social. Num período de baixas, em que grandes músicos, poetas e intelectuais nos deixam por conta da Covid-19, uma boa nova merece ser celebrada.

O clipe já é sucesso, com milhares de visualizações no Youtube.  A canção “Não termina assim” soa profética. O clipe é uma animação com colagens de imagens do que se tornou o Brasil em 2020, como diz a letra “a distopia que era mito”, ironizando as cenas de Bolsonaro, amplificando a denúncia de seu autoritarismo.

“Não termina assim” é uma das faixas melhor avaliadas do último álbum do grupo de hardcore, “Ponto Cego”, lançado em 2019, já no cenário do governo da extrema-direita. As faixas são verdadeiros manifestos de coragem contra o conformismo, como “Sangue nas mãos”, música de trabalho do disco: “Os gritos que ecoam das janelas/O lado certo da história/Não tem sangue nas mãos”.

O cenário alternativo ficou agitado durante o ano de 2019, com o cancelamento do show da histórica banda de punk rock californiana Dead Kennedys, após a polêmica do cartaz de divulgação alusivo ao bolsonarismo, com a representação de palhaços agressivos como “apoiadores médios” do presidente. No começo de 2020, vários festivais de punk rock foram cancelados e/ou perseguidos por seguirem na linha crítica ao governo e seus atores. Nesse quadro, o clipe de “Não Termina assim” ganha destaque, mesmo em tempos de quarentena, quando a cena cultural está paralisada.

Dead Fish é a grande referência do hardcore nacional. Na ativa desde 1991, banda tem álbuns marcantes, como “Sonho Médio” e “Afasia”, defendendo sempre os movimentos sociais do campo e da cidade, a ideia da luta de classes, com amplitude e radicalidade.  A banda nunca se furtou das críticas aos governos de corte social-liberal, responsáveis por cooptar movimentos sociais e desarticular as lutas e bandeiras populares.

Mais do que nunca, a combinação entre o espírito contestador do cenário alternativo brasileiro, com uma presença muito expressiva da “cena capixaba”, e a necessária resistência contra o neofascismo da ala dura do bolsonarismo, indica um caminho. Pegamos carona na palavra-de-ordem feita em verso do Dead Fish, “Não termina assim”. O Brasil tem em amplos setores democráticos uma reserva de elementos políticos antifascistas. Quando Bolsonaro e sua trupe nos ameaçam com uma política genocida, com seus estúpidos apoiadores agredindo jornalistas e transmitindo o vírus da morte, afirmamos em alto em bom som, na melhor tradição do punk rock nacional: “Estamos prontos para lutar”.

Assista ao clipe aqui.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Na 16ª edição, estão disponíveis dois dossiês. No primeiro, sobre o ecossocialismo, podem-se se encontrar as recentes teses de Michael Löwy, além de uma entrevista com o sociólogo e dirigente da IV Internacional. Também publicamos uma entrevista com Zé Rainha, dirigente da FNL, sobre sua trajetória de luta e os desafios dos socialistas no Brasil; uma entrevista com Antônia Cariongo, dirigente quilombola e do PSOL-MA; e artigos de Luiz Fernando Santos, sobre a lógica marxista e a Amazônia, e de Marcela Durante, do Setorial Ecossocialista do PSOL. O segundo dossiê traz algumas análises iniciais sobre a pandemia de coronavírus. Há artigos de Mike Davis e Daniel Tanuro; documentos do MES e do Bureau da IV Internacional; além de uma densa análise de nossas companheiras Evelin Minowa, Joyce Martins, Luana Alves, Natália Peccin Gonçalves, Natalia Pennachioni e Vanessa Couto e de um artigo do camarada Bruno Magalhães. A seção de depoimentos traz um instigante artigo de Pedro Fuentes sobre a história de seu irmão Luis Pujals, o primeiro desaparecido político da história da Argentina. Já a seção internacional traz uma análise do sociólogo William I. Robinson sobre a situação latino-americana.