Sâmia Bomfim e Toninho Vespoli acionam Ministério Público para evitar o desmonte do MOVA
Reprodução

Sâmia Bomfim e Toninho Vespoli acionam Ministério Público para evitar o desmonte do MOVA

Prefeito Bruno Covas suspendeu repasses e pagamentos ao programa.

Equipe Sâmia Bomfim 8 maio 2020, 11:27

O prefeito Bruno Covas está aproveitando a pandemia do Coronavírus para acabar com os poucos programas sociais que ainda existem na cidade de São Paulo.

O alvo recente de Covas foi o projeto MOVA, que há mais de 30 anos acolhe jovens e adultos que não tiveram acesso à educação formal. Por meio do decreto Nº 59.321, a prefeitura suspendeu os pagamentos e os repasses feitos aos programa, o que inviabiliza a continuidade do projeto.

Para barrar esse retrocesso, a deputada Sâmia Bomfim e o vereador Toninho Vespoli, do PSOL, acionaram o Ministério Público e pediram medidas cabíveis contra as ações de desmonte da prefeitura de São Paulo.

Leia mais aqui.

“É um absurdo que um projeto criado pelo professor Paulo Freire, que foi secretário de Educação na prefeitura de Erundina, esteja sendo sucateado pela prefeitura de Covas. Todos nós sabemos que o objetivo de Covas, Doria e de todo o PSDB é acabar com a educação pública de qualidade e terceirizar esse serviço. Mas não vamos permitir que isso aconteça”, afirma Sâmia.

Ao cancelar o repasse do MOVA, vale reforçar, Covas não afeta somente os jovens e adultos, que vão ficar sem acesso à educação – o que por si só já é grave, mas, também, prejudica a vida de centenas de professores, cujos salários serão cortados.

O vereador Toninho criou um abaixo-assinado com o intuito de pressionar o poder público. “Covas diz que não tem dinheiro para custear o projeto, mas sabemos que não é verdade. O que ele não quer é uma educação emancipatória e transformadora. E nós devemos lutar contra isso. O MOVA é de todos nós, moradores de São Paulo, e temos que defendê-lo”.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.