Se o Povo é titular da Constituição, então você é o poder

Se o Povo é titular da Constituição, então você é o poder

Sobre aspectos da Constituição e da democracia.

Miguel Henrique Cruz de Santana 29 jul 2020, 18:38

Se o Povo é titular da Constituição, então você é o poder. Saiba a importância que seus direitos possuem e faça a sua revolta pela democracia!

A Constituição Cidadã vem sido atacada no atual governo federal com sua trupe da vulgo ala ideológica, diretamente com atos e palavras totalmente ofensivas que rasgam inciso por inciso e artigo por artigo, a mesma podemos dizer dentre as anteriores em sua comparação, foi a bem mais elaborada, muitos questionam “-Ora bolas, por que uma constituição tão grande assim? Me explique algo que esse calhamaço de 200 páginas seja relevante!”, sim presenciamos que muitos cidadãos desconhecem a história da constituição e para que ela serve e a causa de ser tão detalhada ou “prolixa” como muitos professores nutellas que pouco se importam de explicar aos seus alunos na faculdade de direito.

No processo de elaboração de uma constituição caro leitor, há a formação de um novo estado, onde precisamos de um povo constituído em população viva e de um nacionalismo e sentimento de pertencimento sóbrio, um território para chamar de nosso e um governo que possa representar, a constituição é para vós grandes excelências, o povo, para se proteger do grande estado em sua forma monstruosa que fez atrocidades, a mesma detalha artigo por artigo devido um processo histórico de chamamos de “civil law” ou direito germânico romano, onde há a necessidade de registrar tudo, isso é bom, porque evita a insegurança de várias oscilações sobre um direito que você tem, ninguém diz que deve ter direito a vida com autorização do estado por exemplo, é algo que já possuímos, adquirido ao longo dos tempos, mas sem uma carta ou “calhamaço”, ironicamente o próprio estado pode fazer o que quiser de vosso corpo, vossa saúde ou locomoção, que de forma mais debochada tenta desprender das raízes do direito lusitano e suas influencias no Brasil como a carcerização em massa por qualquer crime cometido, as vezes crime tão insignificante quase beirando o furto de um pão queimado para dar um sobrinho para se alimentar e que ainda é punido de forma grotesca, é a constituição atual que tenta se desgarrar das ideias trazidas pelo ditador militar Getúlio Vargas que impôs uma carta magna de influencia puramente nazi fascista do mesmo modo como nosso código penal, aquele que deveria ser utilizado por último para evitar as falências dos presídios e proteger o pobre e não causar a prisão de vós que são vulneráveis.

Alguns questionam sobre benefícios sociais serem migalhas ou muletas, mas não são, caro leitor, é dever do próprio estado garantir a tua saúde, o acesso a tua educação de qualidade e de teus filhos, o direito de reivindicar a justiça quando algo estiver fora do teu controle, da mesma forma temos promessas não cumpridas que lutamos para serem realizadas, dentre essas a erradicação de qualquer desigualdade social, de gênero, etnia e religiosa, que nessa quarentena só se mostrou algo que estava velado, as espreitas das sombras de bolhas sociais onde alguns cidadãos não queriam perceber ou estavam em negação para aceitar e sempre aumentando o discurso de gozo e recalque “se eu não tenho acesso, porque ele deveria ter, para ser um drogado ou sujo” algo que caracteriza o discurso de ódio, entendo que não tenha o acesso adequado, mas isso é maior motivo para lutar pela própria carta que segura esse grande diabo acorrentado chamado estado que tenta cada vez se libertar a massacrar os oprimidos, esse mesmo grande monstro também pode se tornar um aliado quando cobrado e lutamos corretamente pelos nossos direitos já adquiridos, que estão escritos de forma “prolixa” mas clara e objetiva.

O STF não é o inimigo, pois é ele que tem a função de ser guardião máximo da constituição e de seus direitos e garantias fundamentais, porém o presidente que se autointitula de ser a própria carta magna querendo lhe furtar ou roubar violentamente seus direitos, não deveria ter o mínimo do vosso respeito, pois ele mesmo desconhece que é funcionário do povo e está numa república democrática e que atentar ao Supremo Tribunal Federal em atrocidades é o mesmo que tentar assassinar a população brasileira e o chefe de executivo que faz isso é bem capaz de realizar um genocídio sem o mínimo remorso com aqueles que moram também na mesma pátria, assumo que tivemos erros de ainda deixar intocado o exército como função essencial para a democracia, resquício de uma ditadura de interesses religiosos, burgueses, capitalistas, lembre, o poder emana do povo, então ele pertence ao povo, e se o STF representa a constituição então também irá vos representar, tome e faça a sua revolução em defesa da democracia que demorou quase 32 anos a ser restituída novamente.

Este artigo é uma contribuição individual do autor e não reflete, necessariamente, as posições editoriais da Revista Movimento.

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
Publicamos a décima sétima edição da Revista Movimento ainda sob o impacto da pandemia da Covid-19. Em todo o mundo, as contradições acumulam-se. Este volume está dedicado à análise de várias dimensões desta verdadeira crise global e de seus desdobramentos. Com destaque, tratamos da mobilização antirracista nos Estados Unidos e no mundo, iniciada após o assassinato de George Floyd, e da situação brasileira, discutindo a crise do governo Bolsonaro e as recentes manifestações dos trabalhadores por aplicativos.