Por que Sâmia Bomfim defende voto em Baleia Rossi? Entenda.
Sâmia Bomfim (PSOL-SP)

Por que Sâmia Bomfim defende voto em Baleia Rossi? Entenda.

Líder da Bancada do PSOL quer evitar que Lira, candidato de Bolsonaro, ganhe eleição para presidência da Câmara.

Equipe Sâmia Bomfim 6 jan 2021, 19:29

Em entrevista ao jornal O Globo, Sâmia Bomfim, líder do PSOL na Câmara dos Deputados, explicou o motivo de ser favorável ao voto em Baleia Rossi (MDB-SP) na disputa pela presidência da Câmara.

A deputada disse à publicação que considera negativo o fato de o PSOL “não ser identificado pela sociedade como o partido que atuou diretamente para a derrota do Lira. E pode ser que esse cenário se expresse já no primeiro turno. Não quero correr esse risco, portanto eu defendo internamente apoio ao Baleia, claro, para ser oposição já no dia seguinte. Sabendo dos limites todos, das diferenças, mas seria um movimento tático de evitar a vitória do Lira”.

O texto ainda traz o argumento de Sâmia sobre a necessidade de o PSOL se colocar contra Bolsonaro. “Seria um voto tático para dar menos força para o Bolsonaro, e não mais força para a situação caótica sanitária e social que o Brasil se encontra. Mas, também pensando no que pode ser 2022, acho que o PSOL tem que ser a linha de frente na derrota do bolsonarista. Portanto, acho que é possível explicar isso para a nossa base, para o nosso eleitorado, e seria o melhor para o PSOL neste momento.”

Baleia Rossi (MDB-SP) e Arthur Lira (PP-AL) disputam a presidência da Câmara dos Deputados após o Supremo Tribunal Federal proibir a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na Câmara e Davi Alcolumbre (DEM-AP) no Senado. A eleição, nas duas Casas, ocorrerá em 1 de fevereiro de 2021.

Para ler a matéria completa de O Globo, clique aqui.

Publicado originalmente no site de Sâmia Bomfim.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.