Testagem e vacina para os educadores
Reprodução

Testagem e vacina para os educadores

Se a educação é, de fato, uma prioridade, por que não estamos testando e imunizando professores e funcionários de escolas?

Luciana Genro 19 fev 2021, 13:47

Com o início de mais um ano letivo, muito tem se falado sobre o tipo de volta às aulas adequado para a situação que vivemos. As posições oscilam entre a defesa do retorno presencial, a busca pelo ensino remoto ou a construção de um modelo híbrido.

Após quase um ano de pandemia, é indiscutível que os efeitos de se manter as crianças longe dos espaços físicos e de convivência das escolas e confinadas em casa são pesados demais para qualquer família. Ao mesmo tempo, as mais de 230 mil vítimas do coronavírus que o país já enterrou – e segue enterrando em ritmo de mil por dia – são uma lembrança macabra de que, em uma pandemia que se espalha pelo contato físico, a prioridade de toda a sociedade deveria ser proteger a vida.

A experiência com o ensino remoto em 2020 expôs o fosso existente entre a escola particular e a rede pública. Muitos professores e alunos não possuem condições básicas de aprendizado à distância, por não terem recursos para adquirir equipamentos de qualidade. E não se trata de um problema simplesmente técnico. Como garantir o aprendizado de um aluno que vive em uma casa de um ou dois cômodos com toda a sua família, por exemplo?

Se o ensino remoto apresenta dificuldades, no chão da escola a situação é ainda mais dramática. Um estudo recente do Dieese mostrou que mais de 300 escolas estaduais gaúchas não possuem sequer banheiro próprio e somente 26,2% fornecem água potável. Como falar em ensino presencial com segurança nestas condições?

No centro deste debate está a campanha de vacinação em curso, que ocorre a passos lentos, emperrada pela criminosa política negacionista de Bolsonaro. Se a educação é, de fato, uma prioridade, por que não estamos testando e imunizando professores e funcionários de escolas? É preciso exigir que os trabalhadores em educação recebam a vacina rapidamente. Além disso, uma política de testagem em massa nas escolas também diminuiria os riscos. Essas deveriam ser as condições mínimas para se falar em retorno presencial às aulas.

Artigo originalmente publicado no jornal Zero Hora em 19 de fevereiro de 2021.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Capa da última edição da Revista Movimento
“Enquanto os efeitos sanitários e econômicos da Covid-19 seguem fazendo-se sentir, escancarando a crise global do capitalismo, as lutas na América Latina começam a apresentar importantes conquistas no enfrentamento da extrema-direita continental. Na Bolívia, após meses de enfrentamentos e mobilização popular, a contundente vitória da chapa do MAS pôs fim ao governo ilegítimo e reacionário de Jeanine Áñez. No Chile, após as multitudinárias manifestações de 2019, o plebiscito levou a uma vitória esmagadora em favor de uma nova constituição elaborada por assembleia exclusiva. Na campanha eleitoral estadunidense em curso, está em jogo a possibilidade de derrotar o trumpismo, que anima movimentos neofascistas e racistas naquele país e em todo o mundo. Ao mesmo tempo, as eleições municipais brasileiras abrem a possibilidade de construir uma alternativa nas cidades que contribua para isolar e derrotar o bolsonarismo. A décima oitava edição da Revista Movimento debruça-se sobre esses processos de mobilização nas ruas e de enfrentamento eleitoral em curso”.