Acampamento Miriam Farias é referência na resistência por Reforma Agrária
Fotos: Mussum - Presidente do PSOL de Mirante, São Paulo

Acampamento Miriam Farias é referência na resistência por Reforma Agrária

O acampamento Miriam Farias, coordenado pela Frente Nacional de Luta (FNL), segue recebendo novas famílias no Pontal de Paranapanema, em São Paulo. Com mais de 900 famílias cadastradas, o movimento enfrenta também na Justiça a ameaça de reintegração de posse do estado, mesmo ocupando um território público.

Nathália Bittencurt 5 jul 2021, 14:45

Resistência para garantir o uso social das terras públicas

                       A FNL ocupou a área, no município de Sandovalina, em 12 de junho. A região foi considerada pública pelo judiciário, no entanto, há uma ação de reintegração de posse movida para expulsar as famílias do local, alegando que a região pertence à uma pessoa física. Essa ação judicial é baseada num registro de matrícula antigo, já obsoleto, o que confundiu a Justiça local ao avaliar a necessidade de realizar ou não a reintegração de posse. A partir do questionamento da FNL, via contestação judicial, está se demonstrando o caráter público das terras, e a devastação do solo que foi provocada anteriormente pelos supostos donos da área, o que caracteriza também crime ambiental.

            É comum, na maioria das decisões judiciais, orientar que a transferência das comunidades que ocupam as terras seja feita para proporcionar um novo local “digno” para as pessoas. O coordenador da FNL, Zé Rainha, afirma que não quer nada menos do que dignidade e respeito para as quase mil famílias que ocupam as áreas vazias do Pontal de Paranapanema.

– “O que é digno? Nossas famílias estão desempregadas, não têm onde morar. Para nós vai ser bom o dia em que esse direito for cumprido. Um novo lugar digno, com casa, trabalho e conforto. O povo do campo não merece nada menos do que isso” – disse Zé Rainha.

Luta pela reforma agrária segue com novas mobilizações no segundo semestre

            Ocupações como essa, no Pontal do Paranapanema, são alguns exemplos de auto organização e combatividade liderados pela Frente Nacional de Luta. Enquanto houver latifúndios sem função social, vazios e completamente abandonados, será urgente lutar pela reforma agrária brasileira. A FNL pretende fortalecer o acampamento Miriam Farias, e ampliar a organização e mobilização no 14º perímetro de Teodoro Sampaio, na região de Euclides da Cunha Paulista e Rosana, onde há mais de 80 mil hectares de terras reconhecidas como públicas. Ainda no mês de julho, novos atos políticos serão articulados nacionalmente.

Foto: Mussum (Presidente do PSOL de Mirante/São Paulo)
Foto: Mussum (Presidente do PSOL de Mirante/São Paulo)

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!