Duque e o discurso público de um genocida
Reprodução

Duque e o discurso público de um genocida

O presidente genocida colombiano Ivan Duque, saiu em discurso, após o suposto “ataque” que lhe foi feito, dizendo que ele “condena a violência”.

2 jul 2021, 15:53

O presidente genocida colombiano Ivan Duque, saiu em discurso, após o suposto “ataque” que lhe foi feito, dizendo que ele “condena a violência”… Ah, mas não a violência estatal que arrebenta as cabeças dos jovens manifestantes… Não aquela, é claro. A pior violência, aquela que assassina o povo dia após dia, ele nem sequer lhe dá nome, já que é o próprio Estado que a pratica. São uns cínicos.

E o açougueiro Duque também disse que “estamos lutando contra o narcotráfico”… E ali não se sabia se chorar ou rir ao ouvi-lo, já que os maiores narcotraficantes da Colômbia estão inseridos no próprio Estado e fazem parte da burguesia local e transnacional que o regime serve.

Então ele também disse que foi graças às “características” do helicóptero que supostamente “ele não perdeu sua vida”. Lembra-se do preço de um bilhão de dólares do famoso helicóptero? Bem, eles já estão procurando comprar outro e fazer outro macro negócio de superfaturamento e forrar seus bolsos com dinheiro de impostos… Ah, mas “não há dinheiro para educação e saúde”, dizem eles.

Para este regime existe uma constante: assassinar o povo e mentir? organizar a teatralidade da mídia para se fazer de vítima, quando na realidade o Estado colombiano é o maior estado genocida do continente. Assassinato e mentira, a fim de continuar explorando e roubando.

E AGORA NO ÁPICE DA FALTA DE COLISÃO E DO CINISMO:

Os meios de desinformação colombianos saem para dizer que a polícia colombiana teria encontrado no local de onde dizem ter disparado o helicóptero, alguns fuzis abandonados, um deles “com marcas das Forças Armadas da Venezuela”… Só faltou dizer que Maduro tinha esquecido seu passaporte também entre o matagal. Eles nos tomam a todos por tolos. Ninguém abandona um rifle como alguém que perde uma moeda de seu bolso. Apesar do absurdo da história do fuzil, esta fábula já está sendo repetida por todos os meios de alienação, colombianos e internacionais. A cumplicidade com o regime colombiano é assustadora. Pode perpetrar um extermínio contra milhares de manifestantes e conta com a cumplicidade internacional, já que é um regime totalmente funcional ao saque transnacional da Colômbia, e facilita esse saque capitalista precisamente através do extermínio. Pode inventar as fábulas mais extravagantes, que são desavergonhadamente ecoadas pelo mais ultrajante insulto à verdade e à inteligência.

O regime colombiano, sempre tão enganador e criminoso, fazendo suas montagens e atentados falsos para tentar encobrir os mais de 86 assassinatos de manifestantes perpetrados pela polícia colombiana, as centenas de pessoas desaparecidas pelas forças repressivas do Estado colombiano, os milhares de violações dos direitos humanos que o Estado colombiano genocida cometeu e continua a cometer todos os dias.

Nota: Seria a maior comédia imaginável, se não fosse o genocídio perpetrado pelo Estado colombiano contra o povo.

Artigo originalmente publicado em Resumen Latinoamericano. Reprodução da tradução realizada pela Fundação Lauro Campos e Marielle Franco.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!