81 anos sem Trotsky
Reprodução

81 anos sem Trotsky

Vida e obra do revolucionário russo.

Esse ano no dia 21 de agosto de 2021 temos 81 anos de um dos fatos políticos mais dramáticos do século e milênio passados: o assassinato de Leon Trotsky, por Ramon Mercader, agente da NKVD, posterior KGB, a mando de Stalin, fechando um período histórico e decisivo na luta de classes naquele momento.

O assassinato visava apagar a última ligação com o período revolucionário e sua representação na superestrutura da classe. Finalmente o Stalinismo conseguia seu intento histórico que era quebrar qualquer fio condutor com o período inicial da Revolução Russa.

A classe dominante assistia essa luta política torcendo efusivamente pelo stalinismo (mesmo que sem bater bumbo) na luta contra a história revolucionária de Outubro. Esse momento selou o futuro de gerações de revolucionários, que ficaram sem seu maior quadro intelectual e de ação. Mas foi preciso seguir.

Nesse sentido, este pequeno artigo tem como argumento que é necessário mais do que falar sobre Trotsky, falar também sobre sua obra política revolucionária. Sua vida dedicada a luta política na libertação dos trabalhadores dos grilhões capitalistas ocupa lugar de destaque com Lenin, na Revolução Russa.

Sua Obra

Podemos começar falando da Revolução Russa, evento mais importante, sem dúvidas nenhuma do século passado. Pela primeira vez a classe operária chegava ao poder colocando em prática toda teoria revolucionária construída por Marx e Engels. Trotsky dizia que essa revolução provava a necessidade da intervenção das massas operárias, liderada por um partido revolucionária para mudar toda a base social russa e construir um novo Estado, o Estado Operário. Trotsky, o primeiro presidente do Soviete de Petrogrado em 1905, afirma que esse ano foi um ensaio geral que preparou as condições para que 1917 a Rússia se transformasse em URSS.

Após a tomado do poder, 19 países entre EUA, Inglaterra França, Japão e outros reagiram ao novo estado e tentaram uma guerra contrarrevolucionária. Trotsky com sua genialidade foi o responsável para criar, organizar, liderar o novo exército surgido da revolução, o Exército Vermelho. Em 1922 Trotsky vence todas as invasões e derrota de modo contundente o Exército Branco, consolida a revolução.

Partido Mundial da Revolução

Em 1919, dois anos após a revolução, mesmo sob ataque dos países imperialistas, Trotsky e Lenin, entre outros revolucionários, fundam a Terceira Internacional colocando claramente que o Internacionalismo era questão central na mudança social proposta pelos socialistas.

No seu curto espaço de vida a Terceira Internacional, nos seus 4 congressos realizados, votaram políticas sobre a questão do Partido, sobre a questão das opressões, em especial o tema das mulheres, a criação dos Sovietes nos diversos países, a Socialização dos meios de produção como estratégia central na economia e sobre nossa atuação nas eleições burguesas e nos sindicatos. Portanto até sua extinção pelo Stalinismo, a história mostrou que sem um partido centralizado, internacional, revolucionário não há condições de chegar ao poder.

A luta contra a Burocratização

Sua luta contra a burocratização no partido, que levou também a burocratização do primeiro estado operário. dentro do partido comunista russo, começa com a Oposição de Esquerda por dentro do partido, termina com a constatação que era necessário a criação de um novo partido mundial da revolução para atuar da forma centralizada, com um programa socialista e revolucionário: A 4ª Internacional.

Nosso Programa

Além dos temas econômicos, Trotsky sempre se preocupou com as questões do modo de vida que os socialistas defendiam. Colocou de modo cristalino que as questões educacionais, culturais, a mídia e a questão do lazer tinham quase tanta importância como os temas econômicos e deviam ser debatidos; focou em um tema em especial que era o tratamento grosseiro entre companheiros, entre trabalhadores, entre a população de modo geral, era um resquício do modo de vida capitalista e que devíamos ter todo um cuidado e combater claramente essa característica.

Revolução Permanente

Esse tema foi talvez sua maior contribuição teórica para nossa atuação, a teoria da Revolução Permanente, onde Trotsky formula que as revoluções começavam sob os temas democráticos e que ao longo da luta se transformam em sociais; que a dimensão nacional, se eleva em regional e pode acabar na forma internacional e mundial.

Essa teoria que combateu o programa Stalinista que se baseava no “Socialismo em só país” se transformou em uma das características políticas do que veio a chamar de movimento Trotskysta.

A luta contra a Fascismo

Trotsky foi o primeiro líder revolucionário a apresentar toda uma discussão sobre o perigo do Fascismo e que essa expressão política não era mais do mesmo dos partidos burgueses de direita. Lutou pela Frente única operária na Alemanha para impedir a chegada de Hitler ao poder político. As consequências da vitória do nazismo na Alemanha mostraram toda a previsão visionária que Trotsky alertou sobre o que aconteceria com o mundo com essa vitória.

Conclusão

Toda vida de Trotsky foi dedicada a luta política em defesa de um projeto socialista, revolucionário, independente, centralizado, internacional e a necessidade de um partido a frente da classe trabalhadora. Isso mostra a atualidade de suas opiniões que deve continuar sendo um importante e fundamental arcabouço teórico ; objetivo para que os trabalhadores possam chegar finalmente a um novo projeto de sociedade, a sociedade socialista.

Finalizamos com uma das suas mais importantes falas que foi proferida em seu leito de morte, demonstrando toda sua confiança no futuro: A vida é bela, que as gerações futuras a livrem de todo mal e opressão, e possam desfrutá-la em toda sua plenitude.

Viva o Socialismo! Viva a Classe Trabalhadora! Viva Trotsky!


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!