Uma fratura irreversível do estado operário
Reprodução

Uma fratura irreversível do estado operário

2ª parte da série “Operários e Burocratas”.

Zbigniew Marcin Kowalewski 17 ago 2021, 15:04

Foi então que surgiu uma crise aberta na relação entre o partido bolchevique e o poder soviético, por um lado, e a classe trabalhadora – a que sobreviveu como classe – por outro. As suas causas, e sobretudo a sua dinâmica, o seu carácter dramático e as suas pesadas consequências só podem ser hoje plenamente compreendidas hoje, à luz de fontes indisponíveis antes do colapso da URSS e do trabalho dos historiadores que nelas recorrem.

Sergei Pavliushenkov observa: “A história da guerra civil testemunha o fato de que, após um breve encontro com a contrarrevolução burguesa-latifundista, os camponeses fizeram uma escolha completamente inequívoca a favor do Estado soviético”. Isto aconteceu finalmente no final de 1919. “Milhões de camponeses asseguraram a vitória dos bolcheviques na guerra civil, mas depressa se tornou claro que os bolcheviques tinham sobrestimado o grau do seu apoio. A aliança militar não se tornou uma aliança económica, e não é o campesinato o culpado”[1]. A aliança económica era impossível sem que o Estado abandonasse a dura “ditadura do aprovisionamento” exercida sobre o campesinato – sem substituir a requisição de cereais, que era uma das bases do “comunismo de guerra[2], com um imposto em espécie muito mais baixo e o restabelecimento da troca de mercado. Já em março de 1920, tal mudança foi defendida por Leon Trotsky, mas na altura Lenine reagiu com hostilidade, acusando-o, nada menos, de preconizar o livre comércio[3].

A demora no abandono do “comunismo de guerra” – um ano inteiro – teve consequências desastrosas porque, exauridas pelas requisições, as massas camponesas voltaram-se contra o seu aliado. Além disso, houve uma divisão acentuada entre “os de baixo e os de cima” no próprio partido. Já no Verão de 1920, Yevgeny Preobrazhensky, então Secretário do Comité Central do Partido Comunista (Bolchevique) da Rússia (PC(b)R), alertou Lenine e a direção do partido sobre a insurreição antibolchevique que tinha sido desencadeada na província [gubernia] de Samara por uma divisão de cavalaria do Exército Vermelho liderada por Alexander Sapojkov. “A esmagadora maioria dos líderes da sublevação são comunistas“, escreveu ele. “Fora os slogans kulak e antissemitas, a revolta de Sapojkov apresenta as mesmas exigências que unem as chamadas bases do nosso partido na luta contra os de cima em inúmeras conferências e em quase todas as organizações do PC(b)R (“Abaixo os pseudo comunistas emburgesados – generais, malandros, burocratas do partido”, “abaixo a casta privilegiada  dos comunistas de cima”). Pode-se dizer que estes slogans gozam da simpatia de uma grande parte dos membros do nosso partido e que a divisão nas nossas fileiras está crescendo a cada dia. Até mesmo em Moscu, entre os comunistas que trabalham no terreno, o termo “do Kremlim” é pronunciado com hostilidade e desprezo[4].

Esta visão era exagerada. O líder menchevique Yuli Martov emigrou da Rússia no outono de 1920. Escreveu ao seu camarada Pavel Axelrod que o apoio aos bolcheviques entre o proletariado ainda era muito maior do que o que os emigrantes mencheviques pensavam: “Dificilmente se pode imaginar como recentemente (antes da minha partida) entre a considerável massa de mulheres operárias de Moscovo em fábricas e oficinas de artesanato havia um verdadeiro fanatismo bolchevique combinado com a adoração de Lenine e Trotsky e um ódio terrorista contra nós. (…) Por conseguinte, as palavras frequentemente encontradas nas cartas destes trabalhadores publicadas no Pravda não são um cliché: “Só depois da Revolução de Outubro é que nós trabalhadores conseguimos ver o mundo”. Apesar das desilusões ulteriores, estas mulheres continuam sob a forte impressão de um lua-de-mel bolchevique. Pela mesma razão, a juventude operaria iniciante está com os bolcheviques[5].

Em muitas regiões, os camponeses declararam numa guerra ao poder bolchevique[6] que não podia ser enfrentada por meios militares, especialmente porque o Exército Vermelho era composto principalmente por camponeses. “No início de 1921, os ânimos do exército fundiram-se com os da população rural da Rússia. Durante algum tempo os bolcheviques tinham perdido o exército”[7], embora tivessem no campo um aliado de peso mas amplamente subestimado: os jovens hostis ao patriarcado e que estavam se juntando ao Komsomol[8]. Com literalmente a faca na garganta, eles anularam a guerra dos camponeses com uma viragem afiada e desesperada do “comunismo de guerra” para a Nova Política Económica (NEP). Mas antes disso, o 10º Congresso do PC(b)R, que em março de 1921 adotou a transição para o NEP, coincidiu com um motim antibolchevique dos marinheiros da Frota do Báltico na fortaleza estrategicamente importante de Kronstadt – defendia o acesso por mar à vizinha Petrogrado.

Esta revolta está ligada a um evento desconhecido, mas politicamente muito importante, que foi revelado por Pavliushenkov após suas pesquisas nos arquivos pós-soviéticos. Durante uma acalorada discussão sobre sindicatos que ocorreu antes do 10º Congresso nas primeiras fileiras do partido, Lênin, que junto com Grigory Zinoviev dirigia a chamada facção dos “Dez”, atacou duramente Trotsky. O prestígio de Trotsky após a vitória do Exército Vermelho na guerra civil foi tão grande que na sociedade e no próprio partido, este último começou a ser chamado de “o partido de Lenin e Trotsky”. No decorrer de seu conflito com Lenin sobre o papel e as tarefas dos sindicatos, Trotsky “começou a apoiar ativamente a ideia de democracia operária”[9], observa Pavliushenkov. A tática da luta fracionária de Lênin contra Trotsky foi afastar os militantes que lhe eram próximos das posições de liderança no partido e no estado. Isto foi o que foi feito em Kronstadt[10].

Governando em Petrogrado, “os zinovievistas, com o total apoio das células comunistas da frota da Báltica, literalmente esmagaram o comando e os órgãos políticos da frota” e, em particular, afastaram das posições de direção Fyodor Raskolnikov e Ernest Batis, que tinham tomado “o lado de Trotsky”, o que teve o efeito de intensificar os sentimentos de oposição e anarquia entre os marinheiros e acabou levando ao famoso motim. Os apoiadores de Trotsky acusaram os apoiadores dos “Dez” de reavivar o “comitardismo” na frota. A comissão de investigação do Cheka constatou que “um papel importante no desenvolvimento dos eventos“, ou seja, no que levou ao motim, “foi desempenhado pela incrível confusão” que, após a eliminação do comando anterior, prevaleceu “entre os líderes da organização [do partido] em Kronstadt e os comissários da Frota do Báltico e da fortaleza de Kronstadt“. De acordo com Pavliushenkov, “não será exagero dizer que Zinoviev mexeu com ‘Kronstadt’ com suas próprias mãos”[11].

Ao mesmo tempo, “a crise do combustível, que se desenvolveu com uma força incrível, abalou os programas de reconstrução das indústrias metalúrgica e têxtil. Foi causado sobretudo pela “estrutura organizacional defeituosa” do sistema de gestão, que “era um resíduo” da economia do “comunismo de guerra”[12]. Em Petrogrado, dezenas e talvez até uma centena de fábricas foram fechadas, incluindo gigantes como Poutilov, e greves de operários e operárias eclodiram, mas eles não estão relacionadas à revolta de Kronstadt. As extensas e completas pesquisas realizadas após a abertura dos arquivos por Sergei Yarov mostram que a revolta teve pouco apoio entre os trabalhadores de Petrogrado e que prevaleceram sentimentos que vão da indiferença à hostilidade, enquanto seu esmagamento foi maciçamente celebrado pelos trabalhadores[13].

O poder na cidade já estava nas mãos da burocracia operária que se formava rapidamente. Metade dos membros da organização da cidade do partido bolchevique eram de origem operária, mas menos de um sexto ainda trabalhavam como operário, e entre os delegados ao conselho de Petrogrado os primeiros constituíam a maioria, enquanto os segundos menos de um décimo. Moissei Kharitonov, membro do comitê municipal PC(b)R, disse que os ex operários “se tornaram maus funcionários e burocratas soviéticos, muitas vezes abusando de seu poder e posição não menos (ou não melhor) do que os antigos funcionários e burocratas czaristas[14]. Embora Lênin admitiu que “nosso estado é um estado de trabalhadores com uma deformação burocrática”[15], ele não desenvolveu ou reforçou esta tese, que foi obviamente formulada ad hoc em sua polêmica com Trotsky.

Alexander Shliapnikov, militante bolchevique com 20 anos de experiência partidária, líder dos bolcheviques de Petrogrado durante a Revolução de fevereiro e presidente do sindicato dos metalúrgicos, que desempenhou um papel importante na revolução e na criação do Estado soviético, tinha adquirido anos de experiência trabalhando nas fábricas da Europa Ocidental e atuando em organizações sindicais em vários países. Ele impulsionou a reconstrução do movimento sindical russo no modelo do sindicato dos metalúrgicos – substituindo os sindicatos tradicionais por ofício por modernos sindicatos industriais, chamados sindicatos de produção na Rússia. Seu pensamento muito independente e, ao mesmo tempo, teoricamente bem fundamentado, foi então se articulado com obstinação em torno de quatro ideias entrelaçadas.

Em primeiro lugar, ele estava convencido de que, para que o poder fosse operário, tinha de ser exercido pela classe operaria e não pelo partido bolchevique em seu lugar; tinha de ser a democracia operária e não ditadura partidária. Em segundo lugar, que esta classe não exerceria o poder político, ou não o conservaria, se não tomasse o poder econômico na indústria nacionalizada, se, portanto, este poder fosse exercido pelos “aparatos soviéticos, desligados da atividade econômica e produtiva imediata e viva e, além disso, mistos do ponto de vista de sua composição social” e não aos “órgãos de classe do ponto de vista de sua composição, ligados diretamente à produção, de forma viva, ou seja, aos sindicatos[16]. Terceiro, que os “especialistas burgueses” na indústria – onde os trabalhadores têm um conhecimento considerável dos processos de produção – eram indispensáveis, mas não na mesma medida que os “especialistas burgueses” no exército, onde as massas de soldados conscritos não têm nenhuma ideia da arte da guerra. Em quarto lugar, que somente a auto-organização dos trabalhadores permitiria aos produtores imediatos subjugar os processos trabalhistas e as forças produtivas herdadas do capitalismo e, por meio da auto-atividade coletiva e da auto-iniciativa, transformá-los e desenvolver novos para que se tornem a base material para a construção de uma sociedade sem classes[17].

Em março de 1919, Lenin assegurou ao 8º Congresso do PC(b)R que “passamos do controle dos trabalhadores para a gestão da indústria, ou pelo menos estamos muito próximos dela[18]. Assim poderia parecer, pois “durante todos os anos de ‘comunismo de guerra’, o poder real nas empresas pertencia aos sindicatos e comitês de fábrica” e “as empresas eram administradas ou por colegiados com maioria de operários ou por diretores operários, designados pelos sindicatos e obrigatoriamente nomeados com base nestas indicações pelos conselhos regionais da economia nacional[19]. O VIII Congresso adotou um programa partidário declarando: “Os sindicatos devem conseguir a concentração efetiva em suas mãos da gestão de toda a economia nacional como um único organismo econômico”[20]. Esta ideia veio do próprio Lenin, mas não se sabe de onde ele a tirou, pois, sua origem pode ser encontrada no sindicalismo revolucionário, que lhe era estranho[21]. Não houve oposição por parte do Congresso[22].

Essa ideia caiu do céu para Shliapnikov, que por isso começou a divulgar-la e a desenvolvê-la intensamente. Ele a expressava assim: o partido bolchevique deveria ser “a direção política das massas de operarios e camponeses na luta revolucionária e na construção” da nova sociedade, os conselhos deveriam ser “a única forma de poder político” e os sindicatos – “o único organizador responsável da economia nacional e uma escola de gestão econômica para os operarios”[23]. Muito rapidamente a liderança do partido começou a acusá-lo de ceder às “tendências sindicalistas”.

No seguinte congresso, o nono em março de 1920, Lev Kamenev, membro do Politburo, falando sobre Shliapnikov, declarou sem rodeios que “se o movimento sindical manifesta tendências sindicalistas, então os camaradas que se rendem a eles devem ser expulsos do movimento sindical”[24]. Era óbvio que o que havia sido escrito no programa um ano antes sobre o papel dos sindicatos na gestão da economia estava agora incomodando os líderes do partido. Sem saber como sair disso, eles emcobriram seu incomodo com ataques às “tendências sindicalistas” e à Shliapnikov. Eles o acusaram de esquecer que “estamos caminhando na direção da estatização dos sindicatos”[25], embora isto não tivesse sido declarado no programa. Shliapnikov não pôde se defender, porque não estava participando do congresso – ele havia sido enviado em missão ao exterior, fato que Lênin justificou ao congresso[26].

Antes do 10º congresso, durante o debate sobre os sindicatos, Shliapnikov e o metalúrgico Sergei Medvedev, junto com a feminista Alexandra Kollontai, formaram uma fração com os principais líderes dos sindicatos do ramo dos metalúrgicos, trabalhadores têxteis e mineiros, chamada Oposição operaria. A Oposição operaria contava com amplo apoio entre os trabalhadores bolcheviques, que estavam cada vez mais convencidos de que as práticas militaristas que se haviam generalizado durante a guerra civil estavam sufocando a democracia operária no partido e no Estado e que o partido, dominado por elementos pequeno-burgueses, estava se transformando em um corpo estranho à sua classe. Em vários centros industriais provinciais, a Oposição operaria tomou a direção das organizações do partido ou estava lutando por ela. Até em Moscou, onde teve o apoio de mais de 20% dos delegados à conferência do partido provincial, lutava tão demonstrativamente que Lênin viu nela uma dinâmica cisionista[27].

Ao se afastar do “comunismo de guerra”, a Oposição operaria reivindicou, escreve Tatiana Sandou, “fortalecer a democracia dentro do partido, enfraquecer os métodos de trabalho administrativos e autoritários e organizar a economia com base na autogestão dos trabalhadores sob a liderança dos sindicatos”[28]. Baseado em princípios de economia planejada e “centralismo dos trabalhadores”, além de atuar na perspectiva inerente da industrialização, elaborou um projeto para um sistema de autogestão dos trabalhadores, desde o nível da fábrica – onde a empresa deveria ser administrada por um comitê de operarios eleito democraticamente – passando pelos ramos econômicos até o nível nacional. Este sistema deveria ser integrado com o sistema de organizações sindicais – daí seu lado sindicalista, daí também suas inconsistências e contradições internas[29]. É evidente que os sindicatos deveriam desempenhar um papel fundamental na construção de um sistema de autogestão dos trabalhadores. Mas afirmar que os sindicatos deveriam ser fundidos com este sistema e outra coisa. Entretanto, não era um projeto fechado e imutável.

Lenin acusou Shliapnikov e a Oposição operaria de “óbvio desvio do partido, do comunismo” e proclamou: “O desvio sindicalista deve ser curado, e o será”[30]. Se, como em Marx, a “ditadura do proletariado” não é nada mais que um sinônimo de poder dos trabalhadores[31], então é somente em visões metafísicas que ela pode ser “curada” dos “desvios sindicalistas” e outras tendências históricas do movimento operário. Lênin agiu como se ainda não tivesse visto que ele mesmo tinha instalado tal “desvio” no programa de seu partido.

Antes e durante o 10º Congresso, Shliapnikov se engajou em uma luta cuja acuidade reflete a profundidade da crise sociopolítica. Escreveu que “o partido, como um coletivo líder e criativo, foi se transformado em uma pesada máquina burocrática” e que “o Estado soviético, ao invés de tender para uma ‘forma compreensível e agregadora de organização dos trabalhadores’, está se transformando em um Estado administrado pela burocracia e, de fato, exclui a participação maciça das organizações de trabalhadores em sua gestão[32]. Ele não hesitou em entrar em conflitos cada vez mais acirrados com Lênin. “A essência do conflito“, explicava, “consiste em saber de que forma nosso Partido Comunista conduzirá sua política econômica no período de transição em que nos encontramos: através das massas trabalhadoras organizadas em sindicatos ou sobre suas cabeças, pela via burocrática, através de funcionários e especialistas canonizados[33].

O principal confronto ocorreu durante o congresso. O representante da oposição dos trabalhadores, Yuri Milonov, criticou a “camada de castas” à frente do partido com Lênin, professando “a primazia dos métodos autoritários de liderança central sobre o método de autoatividade das massas” e sugerindo que não se podia basear na classe operaria. Aos olhos de Lênin e desta “camada de castas“, dizia Milonov, “estamos na beira do precipício: entre a classe trabalhadora, infectada com preconceitos pequeno-burgueses, e o campesinato, que é por natureza pequeno-burguês“. Milonov perguntava retoricamente se os líderes que ele estava criticando não achavam que “deveríamos confiar apenas na camada dos funcionários soviéticos e partidários” (soviéticos tem aqui o sentido de “do estado”). Ele disse: “Nosso partido deixa de ser um partido operário” [34]. Em seu veemente contra-ataque, Lênin associou a Oposição operaria com elementos que se elevavam “na onda da contra-revolução pequeno-burguesa“, a mesma sendo “mais perigosa que Denikin“. Desta forma, ele estava se referindo aos levantes campesinos e à rebelião de Kronstadt. “Tem um elo”, afirmava ele, “entre as ideias, as palavras de ordem desta contrarrevolução pequeno burguês, anarquista e as palavras de ordem da “Oposição operária“. “Uma ‘oposição operária’ que se esconde nas costas do proletariado é um elemento pequeno-burguês, anarquista[35] dentro do próprio partido.

Ele sugeriu, portanto, que através desta oposição, a “contrarrevolução pequeno-burguesa” estava se infiltrando no partido bolchevique. Ao panfleto da Kollontai, apresentando o ponto de vista da Oposição operaria, ele atribuiu um conteúdo abertamente contrarrevolucionário. Sua quintessência foi, segundo ele, a demanda formulada anteriormente pela Shliapnikov e retomada no panfleto, que um “congresso dos produtores da Rússia, agrupados em sindicatos de produção” eleja “um órgão central que dirige o conjunto da economia nacional da República” [36]. Tal exigência, alegou, estava em radical contradição com um ponto do programa do partido adotado dois anos antes – aquele que afirmava precisamente que os sindicatos deveriam conseguir a concentração em suas mãos de toda a gestão da economia nacional. A Oposição operaria exigia que este ponto do programa não ficasse apenas no papel.

A polêmica entre a Oposição Operária e Lênin no 10º Congresso era tão acalorada que Shliapnikov disse sobre a resolução apresentada por Lênin “sobre o desvio sindicalista e anarquista” – que apontava contra a Oposição como também a resolução “sobre a unidade do partido” que Lênin também apresentou ao Congresso (ambas foram adotadas): “Estou no partido á 20 anos, nunca vi nem ouvi nada mais demagógico e calunioso do que esta resolução”. Os delegados da Oposição operariam declararam conjuntamente: a resolução “introduz uma cisão no meio operário de nosso partido e excita os elementos pequenos burgueses e os elementos burocráticos do partido contra sua parte operária[37]. A pedido de Lenin, o congresso votou pela proibição das atividades das frações – sem precedentes na história do bolchevismo. O próprio Lênin não respeitou esta proibição. Sua fração dos “Dez” ainda estava ativa no congresso seguinte [38].

Trotsky escreveu anos depois (em um artigo que decidiu não publicar): “À luz dos acontecimentos posteriores, uma coisa é absolutamente clara: a proibição das frações marcou o fim da história heroica do bolchevismo e abriu o caminho para sua degeneração burocrática”[39]. Mas o fim desta história também marcou a derrota da Oposição operaria- a única corrente do partido que advertia que a classe trabalhadora estava perdendo poder – uma derrota selada pelo estigma com que o congresso do partido havia marcado esta corrente nas resoluções mencionadas. A coincidência do momento de sua campanha política no partido com o colapso quantitativo e qualitativo da classe trabalhadora e com a revolta de Kronstadt cortou severamente suas asas [40].A resolução sobre os sindicatos, apoiada por Lênin com toda a sua autoridade e adotada no 10º Congresso, de um lado contra a Oposição operaria  e de outro contra Trotsky, “serviu na prática para reenviar a gestão ooperaria” da indústria e da economia nacionalizada “às calendas gregas” e “para consolidar e tornar autônomo o aparelho de gestão administrativa da economia, cuja degeneração burocrática ia se manifestar rapidamente“. É aqui que está a tragédia do Xº Congresso” [41].

A importância da questão da Oposição operaria só recentemente começou a emergir na historiografia. Foi um desafio muito sério, quase sistêmico ao poder bolchevique e à “concepção leninista do partido”, pois a Oposição exigia “um sistema alternativo de organização do poder no país, baseado no papel preponderante dos sindicatos como organização dos produtores imediatos – operarios[42], ou seja, reivindicava a primazia do movimento operário sobre o partido e os aparatos estatais. “Lênin tinha todos os motivos para acreditar que a realização prática da ideia da “oposição dos trabalhadores” ameaçava criar uma alternativa à ditadura do partido bolchevique[43]. Ele enfrentou isto através de operações de afastamento dos dirigentes e apoiadores desta oposição já derrotada de posições de direção não apenas no partido, mas também nos sindicatos, que ao mesmo tempo foram forçados a se submeterem totalmente às autoridades do partido. Ele também tentou, e falhou literalmente por um fio, excluir Shliapnikov do partido [44].

Duas idéias radicalmente novas apareceram então em Lênin. Ele não expressou a primeira publicamente, formulando-a assim em suas notas sobre o NEP: “‘Thermidor’? com frieza talvez, sim? Isso vai acontecer? Veremos. Não se vangloriar antes de ir para a batalha[45]. Ao mesmo tempo, ele confiou a Jacques Sadoul, um ex-oficial da missão militar francesa que se juntou aos bolcheviques e foi co-fundador do Comintern: “Os Jacobinos operários são mais perspicazes, mais firmes que os Jacobinos burgueses e tiveram a coragem e a sabedoria de se termidorizar eles mesmo” [46]. Imediatamente após a morte de Lenin, Sadoul tornou pública esta ideia em Moscou, mas ela foi ignorada. Jean-Jacques Marie comenta: “O que isso significa? Que o NEP é um Termidor econômico e, portanto, social, pois abre as portas à propriedade privada e ao livre comércio, mas que não é politicamente assim, pois o poder permanece nas mãos dos “jacobinos operários”?” [47]. No entanto, pelo menos segundo o relato de Sadoul – que, embora plausível, pode não ser exato – Lenin não lhe disse que eles estabeleceram um Termidor socioeconômico remanescendo Jacobinos – ele disse que eles mesmos se tornaram Thermidorianos.

A segunda idéia, que parece estar intrinsecamente ligada à primeira, foi ainda mais longe. Lenin formulou-o da seguinte forma: o proletariado desapareceu, mas o estado permanece proletário. Isto poderia sugerir que a relação de um com o outro não é necessária quando o poder no Estado é exercido por “jacobinos operários”, mesmo “autotermidorizados” – seja qual for o significado deste termo. Lênin disse que sob as condições do NEP “o poder do estado proletário, apoiado no campesinato“, por um lado “manterá os capitalistas sob controle para direcionar o capitalismo para o canal do estado e criar um capitalismo subordinado ao estado e colocado a seu serviço“. Por outro lado, “os capitalistas“, disse ele, “darão à luz o proletariado industrial que, em nosso país, por causa da guerra, da ruína desesperadora e da devastação, foi desclassado, ou seja, foi desviado de seu caminho de classe e deixou de existir como proletariado”. Chama-se proletariado a classe ocupada na produção de bens materiais nas empresas da indústria capitalista de grande porte” [48].

Esta definição, por um lado, reduzia enormemente a classe: excluiu a maioria dos trabalhadores que estavam empregados em pequenas empresas, na esfera da circulação, etc., e, por outro lado, era completamente alheia à noção de classe como uma relação social. “Se o capitalismo for restabelecido, será também, portanto, o restabelecimento da classe proletária, ocupada em produzir bens materiais úteis à sociedade em grandes fábricas mecanizadas, em vez de se envolver em especulações, fazendo isqueiros para vender[49], o que fazem os atuais trabalhadores “desclassados”, entre os quais a “ideologia de pequenos proprietários” está se espalhando. Lênin considerava então que “a produção de grande porte e as máquinas“, e portanto as forças produtivas específicas e não as relações de produção, constituem a “base material e psicológica do proletariado”, sem a qual há uma “desclassamento” [50].

Se o “proletariado tivesse desaparecido”, como Lênin sugeria, a Rússia teria regressado à era pré-capitalista. Em 1922 esta tendência foi invertida – o número de somente o proletariado industrial começou a crescer 10% em escala anual e no final do ano era menor do que antes da guerra, não mais da metade como em 1921, mas em 44% [51]. O discurso de que “o proletariado declinou e desapareceu” testemunhava uma crise muito grave no pensamento político e teórico de Lenin. A Fitzpatrick tem uma visão diferente. Ela acredita que foi apenas uma “crise de fé de curta duração” durante a qual muitos líderes bolcheviques, incluindo Lenin, não estavam tão convencidos do “desaparecimento do proletariado” quanto estavam “à beira de serem desapontados pela classe trabalhadora russa” [52].

Em março de 1922, no 11º Congresso do PC(b)R, o último do qual Lenin participou, ele declarou que “o estado somos nós, é o proletariado, é a vanguarda da classe operaria“, mas o que ele realmente quis dizer foi que “o estado – somos nós, a vanguarda“, porque, como ele afirmava, “o proletariado tinha desaparecido“. “Muitas vezes, quando dizemos “operarios”, pensamos que isso significa proletariado das usinas. De jeito nenhum“. Ele fazia a pergunta retórica: “E hoje, as condições sociais e econômicas em nosso país são tais que empurram os verdadeiros proletários para fábricas e usinas? Não. Isso não é verdade. Isso e verdade, segundo Marx. Mas Marx não estava falando da Rússia; ele estava falando do capitalismo como um todo, a partir do século XV. Isso foi certo por seiscentos anos, mas é errado para a Rússia de hoje. Muito freqüentemente, aqueles que vêm às fábricas não são proletários, mas um elemento aleatório de todo tipo[53].

Por que milagre, apesar de tudo o que está acontecendo ao seu redor, somente aqueles que estão no poder não correm o risco de se desclassificarem e deixarem de ser “jacobinos operários”? Em resposta a Lenin, Shliapnikov acertou em cheio: “Deixe-me felicitá-lo por ser a vanguarda de uma classe inexistente. Diz-se que em nosso país o proletariado está se desclassando, que continua muito atrasado, e quando se escuta os discursos melosos do camarada Kamenev, percebe-se que até o trabalhador avançado de Moscou expressa os interesses dos camponeses, (…) que até os metalúrgicos avançados de Moscou falam a língua dos interesses dos camponeses em nosso país”. Outros dirigentes do partido afirmam que o NEP “dá origem á instintos de proprietários nos trabalhadores”. Por outro lado, o que “o Comitê Central divulga sobre a classe trabalhadora em seus boletins informativos” são calúnias alegando que as greves são obra dos monarquistas, enquanto que, após investigação, verificou-se que elas são causadas pela escassez de alimentos e pelo não pagamento de salários. Segundo Shliapnikov, tudo isso resultou, com a transição para o NEP, da “busca” pelo poder soviético “por uma nova base, um novo apoio, fora do proletariado“, bem como de humores semelhantes ás que se viviam no partido bolchevique após a derrota da revolução de 1905. “Recordamos o estado de espírito da intelligentsia e dos elementos não-proletários próximos do partido naquela época – e quantas coisas nos lembram daquela época hoje! O terreno para tais humores é criado por nossos líderes, especialmente o camarada Lenin, o camarada Kamenev e outros”. “As reflexões que ouvimos com freqüência, sobre o fato de nosso proletariado se desclassar“, testemunham “uma fratura na relação igualmente ideológica entre o proletariado e seu principal destacamento – nosso partido“. Sua direção deveria, disse Shliapnikov, “lembrar de uma vez por todas que não teremos outra e ‘melhor’ classe operaria e que temos que nos contentar com o que temos[54].

Mais uma vez, este congresso aconteceu na atmosfera de uma nova e forte tensão em torno da questão da ex Oposição operaria, ou seja, em torno do “caso dos 22”. 22 militantes – incluindo Shliapnikov, Kollontai e Medvedev – haviam apelado ao Komintern. “Enquanto as forças da burguesia nos pressionam de todos os lados, enquanto se infiltram em nosso partido” no qual os operários são uma minoria, afirmavam eles em seu apelo, “nossos principais centros dirigentes lutam implacavelmente contra todos aqueles, e especialmente os proletários”, que se permitem ter suas opiniões, aplicando todo tipo de medidas repressivas contra a expressão dessas opiniões no partido“, suprimindo no movimento sindical “a iniciativa e espontaneidade operária” e “ignorando nossos mandatos do congresso para construir as bases da democracia operária“. “A aspiração de aproximar as massas proletárias do Estado“, escreveram, “é marcada como ‘anarco-sindicalismo’, e seus apoiadores são processados e desacreditados[55].

Segundo Richard Day, Kollontai e seus camaradas “viram mais claramente que a maioria dos bolcheviques” (mas valeria a pena examinar se eles não viram nem mesmo mais claramente que todos os bolcheviques) “que no campo do NEP o partido poderia buscar um compromisso entre as classes rivais, estabelecendo assim a base para uma nova política burocrática” [56], e até mesmo, poderíamos acrescentar, a base para a formação de uma nova burocracia, desta vez Termidoriana por excelência.

No contexto do “caso dos 22”, foi apresentada uma moção para excluir Shliapnikov, Kollontai e Medvedev do partido. Lênin não falou durante a discussão desta moção, mas os delegados no congresso haviam sido informados por ele que oito meses antes ele mesmo havia tentado expulsar Shliapnikov, sem sucesso. Para grande surpresa da liderança do partido, em sessão fechada, o XI Congresso ficou dividido sobre o “caso dos 22” em duas partes quase iguais: uma pequena maioria apoiou a resolução condenando sem apelo e expulsando os três mencionados, enquanto os outros votaram por uma resolução conciliatória os criticando, mas não os expulsando. Como resultado, sob a forte impressão de tal votação, emendas foram acrescentadas à resolução majoritária já adotada e a expulsão dos três oponentes foi removida. O fato de o congresso estar dividido sobre esta questão foi ocultado – a ata da sessão fechada do congresso nunca foi publicada [57].

Aos olhos de Jean-Jacques Marie “esta votação ilustra a extensão do descontentamento dos delegados com toda a liderança, incluindo Lênin” [58]. Na opinião de Oleg Nazarov, diante do “caso do 22”, “o 11º Congresso do Partido estava no limiar de uma cisão”, o que parece ser um grande exagero. Contudo, Nazarov apresentou uma tese importante neste contexto, a saber, que “havia uma conexão muito estreita entre o ‘caso dos 22’ e a eleição imediatamente após a votação de Joseph Stalin como Secretário Geral” do Comitê Central do PC(b)R. Quando os delegados do Congresso elegeram os membros do Comitê Central, em seus boletins de voto, ao lado do nome de Stalin, por iniciativa de Lenin ou pelo menos com seu consentimento, aparecia seu futuro cargo – o de Secretário Geral, embora ele só pudesse ser eleito pelo CC! Esta foi uma prática sem precedentes entre os bolcheviques. Ele então foi eleito para este cargo pelo congresso, o que lhe garantiu uma posição à parte – muito mais forte do que aquela que só a eleição pelo Comitê Central lhe daria. Diante de ameaças, como a recusa de quase metade dos delegados ao congresso em expulsar importantes militantes do partido, o topo do partido, segundo Nazarov, precisava de um homem como Stalin nesta posição, com poder extraordinário [59]. Menos de nove meses depois, Lênin observou com consternação que “Stalin, ao tornar-se Secretário Geral, concentrou imenso poder em suas mãos[60].

A ruptura entre o partido bolchevique e a classe operária provou ser irreversível. O que aconteceu foi talvez mais sucintamente e ao mesmo tempo mais claramente expresso por Moshe Lewin. Em junho de 1941, os soldados soviéticos que se retiravam da cidade de Vilnius levaram secretamente este jovem ativista do “sionismo proletário” contra seus oficiais, fugindo do exército alemão. Ele trabalhou no kolkhoz e no alto-forno da aciaria e serviu no exército soviético. Entre os pesquisadores, poucos o igualam em termos da profundidade de seu conhecimento do Estado e da sociedade soviéticos, particularmente do regime estalinista e do “absolutismo burocrático” pós-estalinista [61].

Lewin descreveu o que aconteceu nos escalões superiores do partido bolchevique após a Guerra Civil desta forma: “Não foi mais uma classe social – nem o proletariado – que atuou como encarnação e apoio do socialismo através do Estado, mas sim o Estado que, imperceptivelmente, para alguns ideólogos, veio para substituir a classe e se tornar a encarnação e apoio do princípio superior com, ou sem, a assistência do proletariado. Esta era, em seu estado embrionário, uma orientação e ideologia inteiramente nova, que certamente não estava presente no que o “leninismo” era antes. Embora o desejável apoio social faltasse principalmente por causa da dissolução da classe trabalhadora, o partido não agiu no vácuo, nem podia: tendo passado a contar cada vez mais no Estado, e cada vez menos nas massas inconstantes, o aparato estatal, qualquer que fosse a origem social de seus servidores, tornou-se gradualmente o principal instrumento de ação para atingir os objetivos desejados. No processo, o bolchevismo adquiriu uma base social que não queria e que não reconheceu imediatamente: a burocracia. A burocracia logo se afirmaria como um fator crucial na formação do sistema, mas foi necessária alguma evolução e algumas lutas internas dramáticas para que este fato fosse plenamente aceito e depois celebrado. Em qualquer caso, insuficientemente preparados para compreender o estado que estavam construindo, os bolcheviques julgaram mal o curso desses eventos. A teoria disponível era muito inadequada sobre este assunto. Agora era importante estudar não apenas o potencial social do proletariado, ou do campesinato, mas também o potencial, os interesses e as aspirações de um aparelho estatal soviético em transformação e crescimento” [62].

Continua aqui.

Este texto constitui a maior parte do p livro de Michał Siermiński, Pęknięta “Solidarność”. Inteligencja opozycyjna a robotnicy 1964-1981 (Solidarność rachado. A inteligência de oposição e os trabalhadores), Książka i Prasa, Warszawa 2020. Tradução de Alain Geffrouais para a Revista Movimento da versão francesa publicada pela Inprecor e estabelecida por Jan Malevsky.


[1] С.Л. Павлюченков, Крестьянский Брест, или предыстория большевистского НЭПа [S.L. Pavlioutchenkov, O Brest camponês ou a pré-história da NEP bolchevique, РКТ-История, Москва 1996, pp. 105, 109.

[2] Lev Kritsman, um dos dirigentes da administração econômica durante o período do “comunismo de guerra”, o descreveu como um sistema econômico – como “uma economia natural-anárquica nascida da revolução proletária‘, não mercantil e não planejada, ‘transitória’ (em relação ao socialismo), mas ao mesmo tempo ‘deformada‘ pelo subdesenvolvimento e o isolamento da Rússia e pelas condições da guerra civil. Foi apenas “formalmente, abstratamente” que dominava a economia de mercado principalmente pequena e clandestina, “cujo peso qualitativo era muito grande antes mesmo da revolução e aumentou ainda mais durante ela“, devido à distribuição pelo campesinato dos grandes latifúndios e das fazendas capitalistas. Este peso “esteve na origem da contradição que dilacerou a economia da época e que finalmente explodiu o sistema da economia proletária natural“. Л. Крицман, Героический период великой русской революции. Опыт анализа т.н. “военного коммунизма” [L. Kritsman, The Heroic Time of the Great Russian Revolution (O Tempo Heróico da Grande Revolução Russa) An Essay on the Analysis of the so-called “War Communism”], Госиздат, Москва-Ленинград 1926, p. 146. O Tempo heroico da grande revolução russa de Kritsman é até hoje o mais interessante – e de um ponto de vista teórico o mais original – estudo da natureza, d dinâmica e das contradições do “comunismo de guerra“. Silvana Malle estava certa ao afirmar que este trabalho era de fato uma grande polêmica contra o balanço “comunismo de guerra” apresentado por Lenin após a instauração da NEP. S. Malle, The Economic Organization of War Communism, 1918-1921, Cambridge University Press, Cambridge-London-New York 1985, pp. 8-9.

[3] Л. Троцкий, “Основные вопросы продовольственной земельной и РКП политики (Предложения, внесенные в ЦК РКП(б) в феврале 1920 г. [L. Trotsky, “Principais questões de política alimentícia e fundiaria (Propostas para o comité central do PC(b)R em fevereiro 1920)”], in idem, Сочинения [Works] vol. XVII parte II, Госиздат, Москва-Ленинград 1926, pp. 543-544. Quando da virada da  NEP, Trotsky relatou esta atitude de Lenin ao X Congresso do CP(b)R: Десятый съезд РКП(б). Март 1921 r. Протоколы [Décimo Congresso do RCP(b). Março 1921 r. Minutes], Партиздат, Москва 1933, pp. 349-350. Ver também С.Л. Павлюченков, Крестьянский Брест, op. cit., pp. 154-167. Pavlyushenkov descobriu nos arquivos que Larin, considerado (erroneamente) um dos mais radicais proponentes do “comunismo de guerra”, havia proposto uma alternativa a ele (mas também ao futuro NEP) mais de dois meses antes de Trotsky. Ibidem, pp. 137-144.

[4]  Е.А. Преображенский, Симптомы разложения нашей партии [E.A. Preobrajenski, Sintomas de decomposição do nosso partido] em М.М. Горинов (sous la dir. de), Е.А. Преображенский: Архивные документы и материалы 1886-1920 гг. [M.M. Gorinov, E.A. Preobrajenski : Documentos et materiais arquivados 1886-1920], Издательство Главархива Москвы, Москва 2006, p. 364.

[5] Ю.О. Мартов, П.Б. Аксельрод, А.Н. Потресов, О революции и социализме [I.O. Martov, P.B. Axelrod, A.N. Potressov, Sobre a revolução e o socialismo, РОССПЭН, Москва 2010, pp. 590-591.

[6]  П. Алешкин, Ю. Васильев, Крестьянская война в России в условиях политики военного коммунизма и ее последствий (1918-1922 гг.), [P. Alyochkine, Y. Vasiliev, A guerra campesina na Rússia no contexto da política do comunismo de guerra e suas consequências 1918-1922)], Голос-Пресс, Москва 2010.

[7] С.Л. Павлюченков, Военный коммунизм в России. Власть и массы [S.L. Pavlioutchenkov, O Comunismo de guerra na Rússia. O poder e as massas], РКТ-История, Москва 1997, p. 140.

[8] С.Л. Павлюченков, Крестьянский Брест, op. cit., pp. 107-108.

[9]  С.Л. Павлюченков, « Орден меченосцев ». Партия и власть после революции 1917-1929 гг. [S.L. Pavlioutchenkov, « L’Ordre des porte-glaive ». Le parti et le pouvoir après la révolution 1917-1929], Собрание, Москва 2008, p. 64. A. Rosenberg ja tinha identificado em A History of Bolshevism. From Marx to the First Five Years Plan, Oxford University Press, London 1934, p. 153, et E. Germain [Mandel] o demonstrou claramente em « La discussion sur la question syndicale dans le parti bolchevik (1920-1921) », Quatriѐme Internationale vol. 13 n° 1/3, 1955, pp. 50-59.

[10] С.Л. Павлюченков, « Орден меченосцев », op. cit., pp. 37-48, 166-171.

[11] Ibidem, pp. 65-66.

[12] Г.М. Кржижановский, Хозяйственные проблемы Р.С.Ф.С.Р. и работы государственной общеплановой комиссии (Госплана) [G.M. Krjijanovski, Os Problèmas econômicos da RSFSR e o trabalho da Comité Estatal de Planejamento Geral (Gosplan)], Госплан, Москва 1921, p. 12.

[13] С.В. Яров, Пролетарий как политик. Политическая психология рабочих Петрограда в 1917-1923 гг. [S.V. Iarov, O proletário como político. Psicologia política dos operários de Petrogrado em 1917-1923], Дмитрий Буланин, Санкт-Петербург 1999, pp. 114-133.

[14] В.Ю. Черняев, « Предисловие » [« Préface »], dans В.Ю. Черняев (sous la dir. de), Питерские рабочие и « диктатура пролетариата ». Октябрь 1917-1929. Сборник документов [dans V.Y. Tcherniayev, Os trabalhadores de Petrogrado e a « ditadura do proletariado ». Outubro 1917-1929. Documents], БЛИЦ, Москва 2000, p. 18.

[15] В.И. Ленин, “О профессиональных союзах, о текущем моменте моменте и об ошибках т. Троцкого”, in idem, Полное собрание сочинений vol. 42, Политиздат, Москва 1970, p. 208 [Lenin, Complete Works vol. 32, p. 17]. As notas de rodapé das obras de Lenin se referem à última (quinta) edição soviética em 55 volumes – a mais completa (mas ainda incompleta: ver os 422 ‘documentos desconhecidos’, na verdade censurados e publicados em 1999 em Moscou pelas edições da ROSSPEN) e relativamente a mais confiável. As citações são retraduzidas para o portuguès e não necessariamente correspondem exatamente ao texto aqui publicado. da edição francesa das Éditions sociales-Éditions du Progrès, Paris-Moscou 1966-1976, em 45+2 volumes – menos completa, com vestígios de intervenções políticas dos editores soviéticos e cuja tradução é, às vezes, questionável. Entre parênteses rectos, para orientação, há referências a esta edição. Em geral, outras citações do russo existentes em francês também foram verificadas com o original russo e podem aparecer aqui modificadas.

[16] Formulação de A.M. Коллонтай, « Рабочая оппозиция », dans Левые коммунисты в России, НПЦ « Праксис », Москва 2008, p. 170 [em português: A. Kollontaï, « Oposição operaria 1920-1921», Coleção Bases, num 26]

[17]  Estas ideis foram apresentadas em 1921 pela Oposição Operaria, principalmente nas teses « Задачи профессиональных союзов (к X съезду партии). (Тезисы “рабочей оппозиции”) » [« As tarefas dos sindicatos (para o 10º congresso do partido). (Teses da «Oposição operaria»)] e tambem « Организация пародного хозяйства и задачи союзов (Предложение Шляпникова) » [« Organisação da economia nacional e as tarefas dos sindicatos (Proposição de Chliapnikov) »], em Десятый съезд РКП(б), op. cit., pp. 685-691, 819-823. Em nome desta oposição Kollontaï também o faz no folheto: A.M. Коллонтай, op. cit., pp. 165-204, como também no seu discurso no IIIº Congresso do Komintern. Третий Всемирный Конгресс Коммунистического Интернационала. Стенографический отчёт, Госиздат, Петроград 1922, pp. 367-370 [em inglês: J. Riddell (sous la dir. de), To the Masses. Proceedings of the Third Congress of the Communist International, 1921, Brill, Leiden-Boston 2015, pp. 679-682].

[18]В.И.Ленин, « VIII съезд РКП(б). 18-23 марта 1919 г. Отчет Центрального. 18 марта », dans idem, Полное собрание сочинений vol. 38, 1969, Политиздат, Москва 1969, p. 141 [Lénine, Obras completas].

[19] Ю. Ларин, Интеллигенция и советы. Хозяйство, буржуазия, революция, госаппарат [Y. Larine, A Intelligentsia e os soviets. Économia, burgesia, revolução e aparato do estado], Госиздат, Москва 1924, p. 39.

[20] Восьмой съезд РКП(б). Март 1919 года. Протоколы [Oitavo Congresso do PCR(b). Março 1919. Procès-verbal], Госполитиздат, Москва 1959, p. 403.

[21] Segundo a primeira edição da obra de Lenin, publicada durante sua vida, ele declarou a um congresso sindical em janeiro de 1919 que “após a revolução política que deu poder aos sindicatos, como as organizações mais amplas do proletariado, cabe a eles desempenhar um papel particularmente grande e tornar-se, em certo sentido, os principais órgãos políticos“.Ленин (В. Ульянов), « О профессиональных союзах. Речь », dans ibidem, Собрание сочинений vol. XVI, Госиздат, Москва 1922, p. 17. Foi assim que líderes sindicais, por exemplo o secretário geral da Internacional Sindical Vermelha Solomon Losovski, citaram esta frase ao justificar a idéia de “estatização dos sindicatos”. С.А. Лозовский, « Ленин и профессиональное движение » [S.A. Losovski, « Lénine e o movimento sindical »], Вестник Коммунистической академии vol. VIII, 1924, p. 16. Alguns anos depois, foi publicado um texto revisado e em vez de “a revolução política que deu poder aos sindicatos” lia-se, e desde então: “a revolução política que deu poder ao proletariado”. Ленин (В. Ульянов), Собрание сочинений vol. XX-2, Госиздат, Москва-Ленинград 1926, p. 300, et В.И. Ленин, « Доклад на II Всероссийском съезде профессиональных союзов 20 января 1919 », em idem, Полное собрание сочинений vol. 37, Политиздат, Москва 1969, p. 442 [Lénine, Obras completas vol. 28, p. 439]

[22]  Somente o principal marxologo do partido, David Ryazanov, se opôs. Defendendo a ortodoxia marxista, ele exigiu “a abolição obrigatória de qualquer direito dos sindicatos de administrar a produção”. Восьмой съезд РКП(б), op. cit., p. 70.

[23] Организация пародного хозяйства и задачи союзов (Предложение Шляпникова), op. cit., pp. 842, 870.

[24] Девятый съезд РКП(б). Март-апрель 1920 г. [Nono congresso do PCR(b). Março-abril 1920], Партиздат, Москва 1934, p. 62. Kamenev aproveitou a oportunidade para acertar contas antigas com a Shliapnikov. Em março de 1917, após seu retorno do exílio a Petrogrado, Kamenev, Matvei Muranov e Joseph Stalin estavam seguindo uma política conciliadora com o governo provisório e adotando uma posição ambígua em relação à guerra imperialista que este governo ainda estava travando. Shliapnikov foi um adversário implacável de seu “bolchevismo de direita”, que Lenin, ao retornar do exílio em abril, pôs um fim no partido. Shliapnikov descreveu este caso, comprometendo Stalin, em suas memórias publicadas em 1925: А. Шляпников, Семнадцатый год [A. Chliapnikov, Ano 1917] vol. 2, Госиздат, Москва-Ленинград 1925, pp. 170-188. Em 1932, o Comité central proibiu a divulgação dessas memorias pretendendo que continham “calumnias inventadas”.

[25] Relatório de Nikolai Bukharin sobre os sindicatos em Девятый съезд РКП(б), op. cit., p. 233. A posição da direção do partido sobre esta questão foi claramente expressa por Bukharin e Preobrazhensky em um livro publicado antes do IX° Congresso, no qual eles explicaram o programa do partido bolchevique adotado um ano antes. “É necessário que os sindicatos”, escreveram então, “se desenvolvam no caminho que leva à sua transformação em seções e órgãos econômicos do poder estatal, ou seja, à sua ‘estatização’“.  Н. Бухарин, Е. Преображенский, Азбука коммунизма. Популярное объяснение программы Российской коммунистической партии большевиков, [N. Boukharine, E. Preobrajenski, ABC do comunismo. Explicação popular do programa do PCR(b)], Госиздат, Петербург 1920, p. 220.

[26] В.И. Ленин, « IX съезд РКП(б) 29 марта — 5 апреля 1920 г. Заключительное слово по докладу Центрального Комитета 30 марта », dans idem, Полное собрание сочинений vol. 40, Политиздат, Москва 1974, pp. 261-262 [Lenin, Obras completas vol. 30, p. 479]

[27]  L.E. Holmes, « For the Revolution Redeemed. The Workers Opposition in the Bolshevik Party 1919-1921 », The Carl Beck Papers in Russian and East European Studies n° 802, 1990, pp. 2-9 ; Т.А. Санду, « Рабочая оппозиция » в РКП(б) (1919-1923 гг.) (Диссертация) [T.A. Sandou, « l’Opposition ouvrière » dans le PCR(b), 1919-1923 (Thèse)], Тюменский государственный университет, Тюмень 2006, pp. 38-103 ; B.C. Allen, Alexander Shlyapnikov, 1885-1937. Life of an Old Bolshevik, Brill, Leiden-Boston 2015, pp. 157-179.

[28] Т.А. Санду, op. cit., p. 78

[29] Várias contradições e fraquezas políticas da Oposição Operaria estão apontadas e comentadas por L.H. Holmes, op. cit., pp. 11-30 ; elas foram amplamente exploradas por Lenin, Zinoviev e a fração dos « Dez ». Г.Е. Зиновьев, « Неправильное во взглядах рабочей оппозиции на роль профсоюзов » [G.E. Zinoiviev ; « O que e incorreto sobre o papel dos sindicatos nas opiniões da Oposicção operaria»], em idem, Сочинения [Œuvres] vol. VI, Госиздат, Москва-Ленинград 1929, pp. 458-465 ; В.П. Милютин, История экономического развития СССР (1917-1927) [V.P. Milioutine, História do desenvolvimento econômico da URSS 1917-1927], Госиздат, Москва-Ленинград 1929, pp. 292-296.

[30] В.И. Ленин, « Еще раз о профсоюзах, о текущем моменте и об ошибках тт. Троцкого и Бухарина », dans idem, Полное собрание сочинений vol. 42, Политиздат, Москва 1970, p. 304 [Lenin, Obras completas, vol. 32, p. 108].

[31] Isto foi exaustivamente demonstrado por H. Draper, Karl Marx’s Theory of Revolution vol. III, Monthly Review Press, New York 1986, pp. 175-325. Tambem documentou a evolução do conceito de ditadura do proletariado em Lenin. Idem, « The Dictatorship of the Proletariat » in Marx and Lenin, Monthly Review Press, New York 1987, pp. 42-105.

[32] А. Шляпников, « О наших внутрипартийных разногласиях » [A. Chliapnikov, « Sobre as nossas divergencias internas ao partido »], Известия ЦК КПСС n° 7 (318), 1991, pp. 213-214.

[33] Citado par Т.А. Санду, op. cit., p. 87.

[34] Десятый съезд РКП(б), pp. 85, 87.

[35] В.И. Ленин, « XI съезд РКП(б) 27 марта – 2 апреля 1922 г. Заключительное слово по политическому отчету ЦK РКП(б) 28 марта », dans idem, Полное собрание сочинений vol. 43, Политиздат, Москва 1970, pp. 36, 38, 40 [Lenin,Obras completas vol. 30, pp. 202, 204, 206].

[36] A.M. Коллонтай, op. cit., p. 184.

[37] Десятый съезд РКП(б), p. 536-537.

[38]Ф. Чуев, Молотов: Полудержавный властелин [F. Tchouiev, Molotov : Um oligarco semi-estatal], Олма-Пресс, Москва 1999, p. 240.

[39] L. Trotsky, « Factions and the Fourth International (1935) » dans N. Allen, G. Breitman (sous la dir. de), Writings of Leon Trotsky (1935-36), Pathfinder Press, New York 1977, p. 186. « Longe de preservar a pureza da ditadura proletária, estas medidas a sujeitaram à pior influência do inimigo de classe, transmitida através da burocracia. Longe de preservar a unidade e a integridade do partido de classe, eles o mergulharam em uma violenta luta interna, da qual surgiu arruinado enquanto instrumento de luta dos operários. » E. Germain [Mandel], op. cit., p. 58.

[40] Т.А. Санду, op. cit., pp. 112-127 ; B.C. Allen, op. cit., pp. 179-190.

[41] E. Germain [Mandel], op. cit., p. 58.

[42] С.В. Цакунов, В лабиринте доктрины. Из опыта разработки экономического курса страны в 1920-е годы [S.V. Tsakounov, No labirinto da doutrina. Da experiência do desenvolvimento da orientação econômica do país nos anos 1920], Россия молодая, Москва 1994, p. 37.

[43] Д.И. Апальков, Внутрипартийная борьба в РКП(б)-ВКП(б) (1920-е-начало 1930-х гг.) (Диссертация) [D.I. Apalkov, Luta interna no PCR(b)-PC(b) da URSS (1920-inico dos anos 1930) (Tese)], Московский государственный университет имени М.В. Ломоносова. Исторический факультет, Москва 2017, p. 29.

[44] A pedido de Lenin, em uma resolução secreta do 10º Congresso foi decidido que como “último recurso” o Comitê Central poderia expulsar um membro de seu meio e até mesmo do partido por uma maioria de dois terços de votos. Em agosto de 1921, Shliapnikov foi o primeiro membro do Comitê Central contra o qual este procedimento foi aplicado a pedido de Lenin. Faltava um voto para que ele fosse expulso. Т.А. Санду, op. cit., pp. 128-160 ; B.C. Allen, op. cit., pp. 191-226.

[45] В.И. Ленин, « Материалы к X Всероссийской конференции » [V.I. Lénine, « Material para a Xe conferencia panrussa »], em idem, Полное собрание сочинений vol. 43, p. 403

[46] В. Виленский (Сибиряков) (sous la dir. de), Политики и писатели запада и востока о В.И. Ленине [V. Vilenski (Sibiriakov), Os políticos e os escritores do Oeste e do Este sobre V.I. Lenin], Главлит, Москва 1924, p. 38.

[47] J.-J. Marie, Lénine, p. 473.

[48] В.И. Ленин, « Новая экономическая политика и задачи политпросветов », dans idem, Полное собрание сочинений vol. 44, Политиздат, Москва 1970, p. 161 [Lenin, Obras completas vol. 33, p. 59]

[49] Ibidem, p. 151 [Lenin, Obras completas vol. 33, p. 59].

[50] « 15. O proletariado está se desclassificando? e prolétariat se déclasse-t-il ? Sim! Conclusõess ? Ideologia de pequenos proprietarios. 16. A produção de grande porte e as maquinas – base matérieal e psicologica do proletariado. India  [então] desclassamento ». В.И. Ленин, « План речи на съезде профсоюзов », em idem, Полное собрание сочинений vol. 43, p. 401 [Lenin, Obras completas vol. 42, p. 317].

[51] Л. Крицман, Героический период, op. cit., p. 238.

[52] S. Fitzpatrick, Tear Off The Masks! Identity and Imposture in Twentieth-Century Russia, Princeton University Press, Princeton-Oxford 2005, p. 53.

[53] В.И. Ленин, « XI съезд РКП(б). 27 марта – 2 апреля 1922 г. Политический отчет Центрального Комитета РКП(б) 27 марта », em idem, Полное собрание сочинений vol. 45, Политиздат, Москва 1970, pp. 85, 106-107 [Lenin, Obras completas vol. 33, pp. 283, 305]

[54] Одиннадцатый съезд РКП(б). Март-апрель 1922 г. Протоколы [Decimo primeiro congresso do PCR(b). Março-abril 1922. Procès-verbal], Партиздад ЦК ВКП(б), Москва 1936, pp. 108-110, 197.

[55] « Заявление двадцати двух », dans М. Зоркий (sous la dir. de), « Рабочая оппозиция ». Материалы и документы 1920-1926 гг., Госиздат, Москва-Ленинград 1926, p. 59.

[56] R.B. Day, « Leon Trotsky and the Dialectics of Democratic Control », dans P. Wiles (sob dir. de.), The Soviet Economy on the Brink of Reform. Essays in Honor of Alec Nove, Routledge, London-New York 2013, p. 16.

[57] Т.А. Санду, op. cit., pp. 168-190 ; B.C. Allen, op. cit., pp. 244-251.

[58] J.-J. Marie, Lénine, p. 501.

[59] О.Г. Назаров, Сталин и борьба за лидерство в большевистской партии в условиях НЭПа [O.G. Nazarov, Stalin e a luta para a direção do partido bolchevique nas condições da NEP], Институт всеобщей истории РАН, Москва 2002, pp. 48, 50, 181.

[60] В.И. Ленин, « Письмо к съезду », dans idem, Полное собрание сочинений vol. 45 [Lenin, Obras completas vol. 36, p. 607].

[61] Ver a entrevista com M. Lewin em MARHO (The Radical Historians Organization), Visions of History, Manchester University Press, Manchester 1983, pp. 281-308, ainsi que R.G. Suny, « Living in the Soviet Century: Moshe Lewin, 1921-2010 », History Workshop Journal vol. 74 n° 1, 2012, pp. 192-209.

[62] M. Lewin, La Formation du système soviétique, Gallimard, Paris 1987, pp. 390-391


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!