Colômbia: as comunidades iniciam a caravana humanitária em Chocó frente a presença de grupos armados
Reprodução

Colômbia: as comunidades iniciam a caravana humanitária em Chocó frente a presença de grupos armados

Alertam sobre a militarização do território e propõem a criação de um refúgio humanitário para as vítimas de desalojamentos.

15 out 2021, 17:27

Membros das comunidades do rio San Juan e seus afluentes, no departamento de Chocó (noroeste da Colômbia), iniciaram na segunda-feira uma caravana humanitária de vida e permanência no território deste curso do rio para alertar sobre a crise que enfrentam devido à militarização do território e ao aprofundamento do conflito social e armado.

Os participantes da caravana partiram na segunda-feira de Itsmina e Bajo Calima em uma viagem de barco por vários vilarejos que durará até 15 de outubro.

A jornada serve para denunciar violações sistemáticas dos direitos humanos e do direito humanitário internacional.

Ela também procura chamar a atenção do Estado colombiano, da sociedade civil e da comunidade internacional para a dramática situação humanitária na região.

Além disso, apoia o desenvolvimento de um abrigo humanitário para vítimas de deslocamento forçado que ainda não puderam retornar a seus territórios.

Grupos participantes, como o Proceso de Comunidades Negras (PCN) e a Guardia Cimarrona, denunciaram que além dos grupos militares, paramilitares, membros da insurgência do Exército de Libertação Nacional (ELN) e dissidentes das ex-Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo (FARC-EP) também estão operando na área.

Segundo as organizações, os confrontos entre os atores armados levaram ao deslocamento forçado de mais de 900 famílias negras e indígenas, bem como ao desaparecimento e assassinato de crianças e líderes sociais.

Na opinião de Edgar Chávez, porta-voz da associação nacional de colombianos desalojados, a caravana pode ter um impacto no fim do assédio às comunidades, que também sofrem o confinamento e são impedidas de acessar suas fontes de renda e alimentos.

Para o coordenador da Guarda Cimarrona em Chocó, Jeison Mosquera, a situação da ordem pública no departamento está ligada ao abandono das comunidades pelo governo do presidente Iván Duque.

Anteriormente, comunidades em Chocó denunciaram o assédio por grupos armados, inclusive em meio à Covid-19 ou às inundações que ocorreram em áreas de Bajo e Medio San Juan. Além dos bombardeios do exército nacional, a colocação de minas terrestres em estradas também tem sido denunciada.

Segundo a mídia local, o curso do rio San Juan é utilizado por grupos armados ilegais como corredor para o tráfico de armas e drogas.

Artigo originalmente publicado em Resumen Latinoamericano. Reprodução da tradução realizada pelo Observatório Internacional do PSOL.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima primeira edição da Revista Movimento, dedicada aos debates em curso do VII Congresso Nacional do PSOL. Nela encontram-se artigos de análise, polêmica e discussão programática para subsidiar os debates de nossos camaradas em todo o país e contribuir com a batalha pela pré-candidatura de nosso companheiro Glauber Braga à presidência da República pelo PSOL. A edição também conta com análises de importantes questões internacionais contemporâneas e de outros temas de interesse, como os desafios da luta pelo “Fora, Bolsonaro” e as crises hídrica e elétrica no Brasil. Num ano de 2021 ainda marcado pela tragédia da pandemia da Covid-19 e pelo descaso criminoso de governos em todo o mundo, lamentamos a perda de nosso grande camarada Tito Prado (1949-2021), militante internacionalista e dirigente de Nuevo Perú. A ele dedicamos esta edição de nossa revista e, em sua homenagem, publicamos artigos em sua memória. Boa leitura!