Contrarrevolução no Sudão

Contrarrevolução no Sudão

Uma história de golpes militares e luta de massas no Sudão.

Shireen Akram-Boshar 10 nov 2021, 09:59

Em 25 de outubro de 2021, os militares do Sudão, liderados pelo General Abdel Fattah al-Burhan, prenderam membros do governo de transição e declararam o estado de emergência, encenando um golpe de Estado para reafirmar o domínio militar sobre o país. Desde então, o Sudão irrompeu num protesto em massa e numa greve geral, com milhões de pessoas a recusarem-se a regressar à vida normal sob o domínio militar, e a demonstrarem a sua recusa erguendo barricadas, organizando-se em comitês de resistência, e voltando a comprometer-se com a revolução estagnada do Sudão de 2018-19, mesmo sob um quase total apagão da Internet.

Estas duas semanas de intensa batalha entre as ruas e os militares surgem na sequência de dois anos de impasse contrarrevolucionário – desde que os representantes da revolta de 2018-2019 (pondo fim ao regime de trinta anos de Omar al-Bashir) chegaram a um tênue acordo de partilha do poder com os militares em finais de 2019. Esta foi uma concessão perigosa que pôs fim ao processo revolucionário e preparou o terreno para que uma tomada de poder militar fosse praticamente inevitável. À medida que o equilíbrio das forças está hoje suspenso no ar, com os militares a enfrentarem níveis profundos de resistência e a Revolução ainda incapaz de implementar um governo civil exigido pelo povo sudanês, Magdi el Gizouli, escritor e analista político sudanês, escreve sobre os antecedentes históricos do momento atual. Ele descreve o Sudão de hoje como o culminar de uma rica e longa história de luta anti-imperialista, laboral e antirregime, combinada com uma economia política particular criada em grande parte pelas condições do imperialismo.

Precursores do Golpe de Estado atual: Suporte, Algodão e sindicatos anti-imperialistas na década de 50 no Sudão

Alguns chamam ao que se passou no dia 25 de outubro uma “tentativa de golpe de estado”. Mas eu chamaria as coisas pelos seus nomes. Isto foi (e é) um golpe militar – não uma tentativa de golpe de estado. Uma das razões para a confusão é provavelmente que se trata de um golpe concebido e executado pela liderança do exército, e não de uma corte de oficiais insatisfeitos de caráter pequeno-burguês, operando em desafio à cadeia de comando e em aliança com os seus pares no domínio civil, licenciados universitários e profissionais. A este respeito, enquadra-se na primeira destas duas categorias de golpes na história moderna do Sudão, nomeadamente o golpe de Estado do comandante-chefe.

Mas para dar sentido a estes desenvolvimentos, precisamos de fazer um desvio histórico. O paralelo aqui é com o golpe de novembro de 1958 do General Ibrahim Abboud, que assumiu o poder num momento de fratura no bloco no poder, e que na realidade foi convidado pelo então Primeiro-Ministro em exercício, Abdalla Khalil, ele próprio um antigo oficial, a tomar o poder, silenciar os partidos políticos briguentos, e impor uma liderança singular no bloco no poder.

Abdalla Khalil assumiu o poder em Junho de 1956, após o colapso do primeiro gabinete pós-independência liderado por Ismail Al-Azhari. Na altura, o orçamento governamental do Sudão dependia de um artigo de exportação singular, o algodão, cultivado no vasto esquema estatal de Gezira entre os dois Nilos. O rendimento do algodão foi ameaçado por um movimento cada vez mais radical de inquilinos em Gezira, que exigiam uma maior participação nos lucros e a reformulação das relações de produção. Um sindicato de inquilinos de Gezira surgiu em 1953 com a ajuda da Frente Anti-Imperialista Comunista, que posteriormente se transformou no Partido Comunista. Milhares de inquilinos de Gezira marcharam para a capital Cartum em Dezembro de 1953 e ocuparam uma grande praça na cidade exigindo o reconhecimento da sua união recém-nascida pelo governo autónomo transitório sob o jugo colonial britânico, uma forma presciente do “Ocupar Wall Street” no distante e poeirento Sudão.

A centelha radical inflamou-se em Jouda, perto de Kosti, no Nilo Branco, em janeiro de 1956, algumas semanas após as celebrações da independência do Sudão. Os agricultores da região do Nilo Branco seguiram o exemplo de sindicalização dos arrendatários de Gezira e formaram a sua própria união em meados de 1955. Os trabalhadores do algodão do esquema de bombas privadas de Jouda entraram em greve em protesto contra os atrasos na entrega das suas escassas quotas-partes de receitas do algodão. O ansioso Estado independente respondeu com violência letal ao desafio da força de trabalho em greve, que ameaçava, com o seu ousado exemplo, acabar com o sistema de exploração em que o Estado assentava existencialmente. Mais de 300 rendeiros foram baleados nos campos ou sufocados em celas de detenção superlotadas e mal ventiladas.

As exportações de algodão do Sudão foram prejudicadas pelo encerramento do Canal de Suez – uma consequência da guerra tripartida franco-israelo-britânica sobre o Egito depois de Nasser ter declarado a nacionalização do Canal. O Canal do Suez foi encerrado ao tráfego marítimo de outubro de 1956 a março de 1957. O Sudão produziu 441.000 fardos de algodão na época de 1955-56, mais 9% do que na época anterior. As vendas de exportação ascenderam a 559.000 fardos devido ao transporte de reservas da época de 1954-55, mas as expedições para a Europa foram interrompidas pelo encerramento do canal. O ano de 1957 testemunhou um declínio acentuado nas receitas de exportação. Os preços do algodão caíram de 77 centavos americanos por libra em março de 1957, antes de a nova colheita estar disponível para venda até 30 centavos americanos por libra em fevereiro de 1959. O volume das exportações de algodão caiu 50% em 1957 e a colheita de algodão foi a mais baixa de todas no ano de 1958.

Isto traduziu-se imediatamente numa crise orçamental. Durante o período de dois anos, 1957-58, o Sudão teve déficits comerciais que agregaram 27,4 milhões de libras sudanesas e um déficit de conta corrente de 34,3 milhões de libras sudanesas. Parte da resposta de Abdalla Khalil a estas crises foi a orientação firme da política externa do Sudão para o Ocidente capitalista, incluindo as aberturas a Israel. Abdalla Khalil abordou o governo dos EUA em fevereiro de 1957, pedindo ajuda econômica e armamento militar. A Frente Anti-Imperialista Comunista do Sudão fora do parlamento e o Partido Nacional Unionista (NUP), a oposição no parlamento, lançaram uma feroz campanha contra a proposta de ajuda dos EUA. Abdalla Khalil acabou por se precipitar e pediu à liderança militar que tomasse as questões nas suas próprias mãos. O primeiro-ministro saudou o golpe de novembro de 1958 que pôs fim ao breve período parlamentar dizendo que se a liderança do exército não tivesse interferido, o Sudão teria sido anexado pelo Egito de Nasser.

O General Ibrahim Abboud e a sua junta prosseguiram com o plano de Abdalla Khalil de ajuda dos EUA e negociaram com o Egito de Nasser uma compensação monetária pelo afogamento do Wadi Halfa do Sudão sob o lago da Barragem do Alto de Assuão. Graças a estes influxos, o Sudão registou um excedente líquido de pagamentos de transferência de 22,5 milhões de libras sudanesas no período de 1959-62. A junta aumentou a produção de algodão através da supressão da mão-de-obra e da expansão horizontal do Esquema de Gezira – a extensão Managil South-Western inaugurada em 1962 – impulsionando as exportações do Sudão de 44,7 milhões de libras sudanesas no ano de crise de 1958 para 68 milhões de libras sudanesas em 1959, 64 milhões de libras sudanesas em 1960, 61,3 milhões de libras sudanesas em 1961 e 79,7 milhões de libras sudanesas em 1962.

O que observamos, então, é que os militares têm intervindo de forma consistente para se sobreporem às disputas faccionais no seio do bloco governante, bem como para protegerem os seus interesses durante períodos de aperto orçamental e radicalização popular. Características destes momentos são o aumento da exploração “em casa”, aliado a uma política externa extrovertida orientada para a gestão a curto prazo de problemas orçamentais.

O General Abdel Fattah Al-Burhan poderia muito bem ter considerado o precedente de Abboud. Nas suas observações de 25 de outubro anunciando a sua centralização da autoridade, mencionou que tinha oferecido ao primeiro-ministro transitório Abdalla Hamdok a oportunidade de trabalhar em conjunto com ele e facilitar uma consolidação mais suave do poder. No entanto, estava perfeitamente consciente do golpe de outro comandante-chefe na história moderna do Sudão, o golpe palaciano do General Abd Al-Rahman Siwar Al-Dahab, de 6 de abril de 1985, que depôs o General Nimeiri e mencionou o precedente como um modelo para prosseguir a “democratização”. Siwar Al-Dahab era o ministro da defesa de Nimeiri. Ele interveio para depor o ditador de 16 anos (1969-85) no auge da revolta popular de março/abril contra o regime e anunciou uma nova dispensa como presidente de um conselho militar de transição. Siwar Al-Dahab supervisionou um breve período de transição de um ano e acabou por entregar o poder ao governo eleito do primeiro-ministro Sadiq Al-Mahdi.

Durante esta breve transição, o conselho militar de Siwar al-Dahab assegurou-se de empatar as exigências radicais da revolta popular, incluindo a procura de uma solução negociada para a guerra civil no sul do Sudão, a rejeição das medidas de austeridade impostas pelo regime de Nimeiri, a dissolução do aparelho de segurança de Nimeiri, e a perseguição das guerras de estanqueidade do regime. Siwar Al-Dahab entrou nos livros de história como um oficial do exército benevolente que se colocou ao lado da vontade do povo. Mas ele conseguiu proteger os líderes da Frente Nacional Islâmica (NIF), que estavam em aliança com Nimeiri contra a ira da revolta de março/abril. Siwar Al-Dahab tornou-se presidente da Organização da Chamada Islâmica, um braço humanitário e de proselitismo da NIF em 1987 e desempenhou um papel importante na facilitação do golpe orquestrado da NIF de 30 de junho de 1989 que levou Omar Al-Bashir ao poder.

Golpes de Estado como restaurações contrarrevolucionárias

O golpe de Siwar Al-Dahab de 1985 concedeu o poder de veto militar sobre os processos de tomada de decisão do período de transição e colocou pausas consideráveis no ímpeto popular acendido pela revolta de março/abril. Um cenário semelhante ocorreu em 2019. A liderança militar afastou Omar Al-Bashir a 11 de abril de 2019, sob pressão do movimento de protesto com o objetivo de assegurar o poder de veto sobre a dispensa pós-Bashir. O golpe de Al-Burhan de 25 de outubro é a realização do golpe parcialmente bloqueado de 11 de Abril de 2019 levado a cabo pelos líderes do complexo de segurança militar-militar que evoluiu sob o domínio de Al-Bashir. Foram precisos dois anos de coabitação entre os militares e a aliança das Forças de Liberdade e Mudança (FFC) para clarificar a sua forma. O interlúdio foi a postura defensiva do exército em relação ao amplo movimento revolucionário de 2018-19 até estar em condições de avançar para a ofensiva. Nesse sentido, o golpe de Al-Burhan de 25 de Outubro qualifica-se como uma restauração.

No entanto, o interlúdio foi benéfico da perspectiva do bloco governante. Falando no dia do golpe, 25 de outubro, o General Al-Burhan elogiou a pessoa do primeiro-ministro Hamdok e expressou o seu apreço pelas realizações da sua parceria. Al-Burhan nomeou as “reformas económicas” levadas a cabo pelo gabinete de Hamdok, um duro pacote de austeridade prescrito pelo Fundo Monetário Internacional que incluía a abolição dos subsídios aos combustíveis, a severa redução dos subsídios ao trigo, eletricidade e medicamentos, a abolição de múltiplas taxas de câmbio para o dólar americano, e a flutuação da moeda sudanesa.

Além disso, o gabinete do Hamdok conseguiu normalizar as relações com os EUA. Washington retirou o Sudão da sua lista de patrocinadores estatais do terrorismo e suprimiu as sanções de longo prazo em troca da reorientação da política externa do Sudão para o alinhamento com os regimes patrocinados pelos EUA no Médio Oriente. Os militares assumiram a liderança na componente elementar deste pacto quando Al-Burhan se reuniu com o Primeiro-Ministro israelita Benjamin Netanyahu em fevereiro de 2020, iniciando a normalização das relações entre Cartum e Tel-Aviv que culminou na assinatura dos Acordos de Abraham, patrocinados pelos EUA, no Sudão, em janeiro de 2021. Em troca, os EUA forneceram ao Sudão a ajuda financeira urgentemente necessária, um pacote de alívio da dívida ao abrigo da iniciativa dos Países Pobres Altamente Endividados (PPAE), e fornecimentos de trigo para alimentar as cidades famintas de pão.

Quando Al-Bashir embarcou nas mesmas medidas de austeridade aplicadas pelo governo de transição, enfrentou uma forte resistência nas cidades, inicialmente em setembro de 2013 quando apelou às milícias das Forças de Apoio Rápido (RSF) para dispararem contra os manifestantes nas ruas de Cartum, e novamente em 2018-19 quando o complexo de milícias de segurança militar acabou por o abandonar como um passivo. Da mesma forma, Al-Bashir tentou resolver os assuntos com os EUA primeiro oferecendo os serviços do seu regime de segurança à CIA, e depois destruindo os seus laços com o Irã em favor de uma aliança com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. Numa tentativa de satisfazer os seus novos patronos, Al-Bashir enviou os militares e a RSF para combater a guerra da Arábia Saudita contra o Iémen. Os altos funcionários do Partido do Congresso Nacional no poder, sob o comando de Al-Bashir, até flertaram com a ideia de normalizar os laços com Israel. As tentativas de Al-Bashir não o salvaram. O velho autocrata não conseguiu livrar-se da bagagem do Movimento Islâmico, e o seu estatuto de pária era difícil de esfregar. Apesar dos seus melhores esforços, não conseguiu transformar-se num aliado de confiança na arquitetura de segurança regional alinhada com os EUA.

Al-Burhan também mencionou o “Acordo de Juba para a Paz no Sudão” entre as realizações de Hamdok, uma série de acordos de partilha de riqueza e poder assinados em agosto de 2020 entre o governo e os principais movimentos rebeldes de Darfur: o Movimento Justiça e Igualdade liderado por Jibreel Ibrahim e o Exército/Movimento de Libertação do Sudão liderado por Minni Minawi, bem como uma facção do Exército/Movimento de Libertação do Povo Sudanês (SPLA/M) no Norte do Sudão liderado por Malik Agar e Yasir Arman, e várias facções menores, incluindo uma milícia recentemente cunhada pelo exército. Estes membros do gabinete do Primeiro-Ministro Hamdok e os políticos da FFC foram cruciais na conclusão destes acordos. Al-Bashir já tinha feito e quebrado vários acordos com os mesmos grupos rebeldes e um processo de paz credível era improvável sob o seu domínio.

A economia política do governo de transição 

O período de transição começou como um pacto faustiano entre os líderes do complexo miliciano-militar de segurança do Sudão e os políticos do FFC, a aliança de partidos políticos e associações de profissionais que foi impulsionada pela dinâmica revolucionária do movimento de protesto de 2018-19. Os acordos de Juba introduziram uma terceira parte no que foi inicialmente concebido como uma acomodação bilateral. Em termos de diagnóstico, o golpe de Al-Burhan trocou os políticos da FFC em favor dos parceiros de Juba. A animosidade entre os dois lados, os políticos da FFC e os antigos rebeldes, jogou nas ruas de Cartum durante algum tempo antes do golpe sob a forma de comícios e contrarrevoltas, e na imprensa escrita e online sob a forma de uma campanha midiática acrimoniosa de insultos.

A fissura básica entre os políticos da FFC e os líderes rebeldes sobrepõe-se em grande medida às linhas padrão de divisão no Sudão: a periferia contra o centro, o rural contra o urbano, os falantes do árabe fluvial e o gharaba (povo do Sudão ocidental), ou Cartum contra o resto. De fato, os políticos da FFC e os líderes rebeldes pertencem a duas redes sociais e políticas distintas e concorrentes. A primeira abrange o mundo social de Cartum cosmopolita de educação universitária e a diáspora anglofona armada com pós-graduações e experiências no mercado de trabalho internacional, e a segunda estende-se ao interior do Sudão, onde as armas se tornaram essencialmente meios de produção.

A base material da contradição dialética entre o Sudão urbano e rural é melhor extraída dos registos das exportações e importações do Sudão. Um olhar rápido sobre a balança comercial externa do Sudão clarificaria uma grande parte da mistificação ideológica relativamente ao “período de transição” e à “parceria civil-militar” aplaudida pelas potências mundiais. Nos primeiros seis meses de 2021, o valor total das exportações do Sudão foi de 2,5 mil milhões de dólares americanos, em comparação com uma fatura de importação de 4,1 mil milhões de dólares americanos. Este déficit em aberto é uma característica efetivamente permanente da economia do Sudão na maior parte da sua história recente. Foi parcialmente tapado durante o boom petrolífero durante cerca de 10 anos, entre 1998 e 2011. Mas com a secessão do Sul do Sudão em 2011, o governo do Sudão perdeu 75% das suas receitas em divisas. Hoje em dia, o Sudão depende de um conjunto de produtos básicos de exportação para adquirir divisas e financiar as suas importações. Entre janeiro e junho de 2021, o Sudão exportou amendoins no valor de 406 milhões de dólares americanos, gado no valor de 319 milhões de dólares americanos, gergelim no valor de 301 milhões de dólares americanos, ouro no valor de 1 bilhão de dólares americanos, e algodão no valor de 92 milhões de dólares americanos.

A maioria dos amendoins e gergelim do Sudão são cultivados no setor tradicional da economia alimentado pela chuva que ocupa a maior parte dos agricultores do Sudão nas planícies das regiões ocidentais de Kordofan e Darfur. A pecuária está igualmente concentrada em Kordofan e Darfur sob a custódia dos povos pastoris transumantes do Sudão. A comercialização destes sistemas de subsistência é um processo extrativo violento e sangrento que tem engolido milhões de povos nas periferias do Sudão e recriado as suas relações de formas contraditórias para além dos conflitos comunitários frequentemente referenciados entre agricultores e pastores, e que os ligou intimamente às vicissitudes dos mercados de exportação.

De um modo geral, tanto a produção agrícola como a pecuária tornaram-se empreendimentos militarizados, num ambiente de insegurança rural. As milícias, a RSF, e os exércitos rebeldes, assim como o exército governamental, operam em parte como agências policiais privatizadas que guardam e exploram estes sistemas, inclusive através da garantia de créditos e da execução de contratos comerciais. A extração de excedentes das periferias do Sudão depende da expansão da produção horizontal e não da melhoria da produtividade crónica das colheitas, da expropriação de terras, e da captura e hiper-exploração de uma força de trabalho agrícola empobrecida e cada vez mais feminizada, ela própria retirada de comunidades devastadas pelo conflito que sobrevivem com salários diários que mal arranham 1 dólar americano. Como consequência, muitos mal se podem dar ao luxo de comprar o sorgo e o painço que eles próprios produzem para empresários capitalistas e senhorios ausentes, e assim são ciclicamente forçados à fome e à liquidação de bens limitados.

A fuga a este regime de trabalho esmagador envolve migração para as cidades para alguns como vendedores ambulantes, trabalhadores ocasionais, e pequenos comerciantes; e para muitos outros, recrutamento para milícias e grupos rebeldes ou, mais recentemente, o êxodo de trabalho masculino para locais de mineração artesanal de ouro nas fronteiras do Sudão. Os milhões de mineiros artesanais fornecem ao Sudão cerca de metade dos seus ganhos em moeda estrangeira.

As sementes de uma alternativa ao domínio militar

A erosão do sistema político que governou o Sudão rural através da guerra resultou numa situação em que atores ambiciosos, como o líder da RSF Mohamed Hamdan Dagalo ou os líderes dos grupos rebeldes JEM e SLA/M Gibreel Ibrahim e Mini Minawi, precisando comandar forças de combate poderosas para agarrar uma parte do excedente.

Estes nexos de exploração militarizada estendem-se obviamente aos mercados de exportação do Sudão, as fontes das suas receitas de exportação, sobretudo o Golfo Árabe. No período de janeiro a junho de 2021, o Sudão exportou mercadorias avaliadas em 1,1 mil milhões de dólares americanos para os Emirados Árabes Unidos (o principal mercado para o ouro do Sudão), 299 milhões de dólares americanos para o Egito, 207 milhões de dólares americanos para a Arábia Saudita, e 497 milhões de dólares americanos para a China. Em comparação, as exportações do Sudão para os EUA e para as principais potências ocidentais avaliaram em míseros 65 milhões de dólares americanos.

A disputa sobre o poder central em Cartum resume-se a lutas internas dentro do bloco governante sobre quem gasta estes ganhos e como. Durante os primeiros seis meses de 2021, o Sudão importou alimentos no valor de 953 milhões de dólares americanos, incluindo trigo e farinha de trigo, a dieta básica das cidades, ao custo de 239 milhões de dólares americanos, açúcar no valor de 246 milhões de dólares americanos, e outros alimentos no valor de 294 milhões de dólares americanos. A fatura de importação de bens manufaturados foi de 821 dólares americanos, de produtos petrolíferos de 215 milhões de dólares americanos, e de máquinas e equipamentos de 851 milhões de dólares americanos. Uma repartição mais detalhada destes números revela o impressionante enviesamento urbano do consumo. O Sudão importou durante a primeira metade de 2021 na categoria de perfumes e cosméticos químicos no valor de 39 milhões de dólares norte-americanos, em comparação com fertilizantes no valor de 43 milhões de dólares norte-americanos. Na categoria de produtos manufaturados, ferro e aço destinados à construção urbana encabeçaram a lista com 178 milhões de dólares norte-americanos, seguidos pelos plásticos manufaturados com 104 milhões de dólares norte-americanos. Do mesmo modo, a categoria de máquinas e equipamentos incluía aparelhos eléctricos no valor de 203 milhões de dólares americanos, em comparação com tratores no valor de 186 milhões de dólares americanos. Por outras palavras, os produtores rurais do Sudão suam e sangram num sistema militarizado de extração de excedentes para sustentar um consumo urbano voraz.

Um enfoque exclusivo na distinção rigorosa na ciência política entre o mau governo militar e a boa governação civil poderia confundir esta relação óbvia entre a devastação da vida rural e as exigências orientadas para o consumo das cidades. A revolução de 2018-19 e os desenvolvimentos subsequentes até ao golpe de 25 de Outubro e as suas consequências demonstram estas fissuras na composição do corpo político. A liderança predominantemente pequena e burguesa do movimento de protesto que enfrentou Al-Bashir e desafia agora Al-Burhan, ou seja, os políticos do FFC, ainda não descobriram uma fórmula que ligue as lutas urbanas enquadradas em torno da oposição à ditadura e à democracia ou ao domínio militar e civil, com os muitos produtores rurais do Sudão. O impulso agressivo das figuras do complexo militar-miliciano de segurança, Al-Burhan, e companhia, é que estes políticos estão alheios aos mecanismos que sustentam a hegemonia do bloco governante e incapazes de o liderar e de promover os seus interesses.

Gastar este sistema é uma ordem alta, mas a práxis da revolução de 2018-19 forneceu aos perdedores nos reinos urbanos e rurais os comitês de resistência, um núcleo de organização que contorna a alta política dos políticos da FFC e poderia possivelmente desafiar o sistema militarizado de exploração no campo com a organização democrática popular. O comitê de resistência foi inventado durante os protestos de setembro de 2013 contra as medidas de austeridade de Al-Bashir como células de mobilização a nível de bairro em Khartoum urbano. Estas evoluíram com a experiência da revolução de 2018-19 para se tornarem unidades de politização, mobilização, manobras em Cartum, bem como em muitas das cidades mais pequenas do Sudão, de acesso aberto e organizado horizontalmente.

A resiliência do movimento de protesto durante a maré alta da revolução de 2018-19 que continua hoje na oposição corajosa e tenaz ao golpe de Al-Burhan de 25 de Outubro, retira em grande parte do carácter molar dos comitês de resistência. Milhares de jovens mulheres e homens foram atraídos para a vida política como consequência, na sua maioria livres dos grilhões do antigo regime de senhores patrícios do Sudão, oficiais militares conspiradores, e políticos do campus. Até Al-Burhan foi obrigado a fabricar alguns alegados líderes de “comitês de resistência” a partir das zonas devastadas da cena política e social do Sudão, plantando-os como uma audiência obediente numa espaçosa sala no quartel-general do exército, à medida que se pronunciava sobre as perspectivas de uma transição para a democracia por meios militares.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).