Um memorando sobre a posição radical anti-imperialista em relação à guerra na Ucrânia

Além da condenação geral da invasão russa, houve também alguma confusão nas fileiras dos verdadeiros anti-imperialistas sobre a posição específica a tomar em questões relacionadas com a guerra em curso.

GIlbert Achcar 27 fev 2022, 16:49

A invasão russa da Ucrânia é o segundo momento decisivo da Nova Guerra Fria em que o mundo tem mergulhado desde a virada do século, como resultado da decisão dos EUA de expandir a OTAN. O primeiro momento decisivo foi a invasão do Iraque, liderada pelos EUA, em 2003. Ela terminou em completo fracasso em atingir os objetivos imperialistas dos EUA. O preço que o Iraque pagou – e continua pagando junto com os países vizinhos – foi enorme, mas a propensão do imperialismo norte-americano para invadir outros países foi severamente cerceada, como foi confirmado pela recente retirada dos EUA do Afeganistão.

O destino da invasão russa da Ucrânia determinará a propensão de todos os outros países para a agressão. Se, por sua vez, falhar, o efeito sobre todas as potências globais e regionais será de uma poderosa dissuasão. Se conseguir, isto é, se a Rússia conseguir “pacificar” a Ucrânia sob as botas russas, o efeito será um grande movimento da situação global em direção à desenfreada lei da selva, encorajando o próprio imperialismo americano e seus aliados a retomarem suas próprias posições agressivas.

Por enquanto, a resistência heróica do povo ucraniano desarticulou todo o espectro de admiradores reacionários de Vladimir Putin, desde a direita e a extrema-direita global até os pseudo-esquerdistas apoiadores do imperialismo russo. Uma vitória de Putin na Ucrânia reforçaria tremendamente esta gama de políticas reacionárias.

Além da condenação geral da invasão russa, houve também alguma confusão nas fileiras dos verdadeiros anti-imperialistas sobre a posição específica a tomar em questões relacionadas com a guerra em curso. É importante esclarecer estas questões.

1. Não basta apelar para que a Rússia pare seus ataques e exija “um cessar-fogo imediato e um retorno à mesa de negociações”. Não usamos uma linguagem semelhante à da ONU quando os Estados Unidos invadiram o Iraque, mas exigimos a retirada imediata e incondicional dos agressores, como temos feito em todos os casos de invasão de um país por outro. Da mesma forma, devemos exigir não apenas o fim da agressão, mas também a retirada imediata e incondicional das tropas russas da Ucrânia.

2. A exigência da retirada russa se aplica a cada centímetro do território da Ucrânia – incluindo o território invadido pela Rússia em 2014. Quando há uma disputa sobre o pertencimento de qualquer território em qualquer parte do mundo – como a Crimeia ou províncias na Ucrânia Oriental, neste caso – nunca aceitamos que ela seja resolvida pela força nua e crua e pela lei do mais forte, mas sempre apenas através do livre exercício pelo povo interessado em seu direito à autodeterminação democrática.

3. Somos contra os apelos à intervenção militar direta de uma força imperial contra outra, seja com soldados em solo ou com a imposição de uma Zona de Exclusão Aérea à distância. Como uma questão de princípio geral, somos contra a intervenção militar direta de qualquer força imperialista em qualquer lugar. Pedir a uma delas que entre em conflito com outra é o mesmo que desejar uma guerra mundial entre potências nucleares. Além disso, não há como que tal intervenção possa ser realizada dentro dos limites do direito internacional, já que a maioria das grandes potências imperialistas tem direito de veto no Conselho de Segurança da ONU. Mesmo que se possa compreender facilmente que as vítimas ucranianas da agressão possam fazer tais apelos por desespero, elas são, no entanto, exigências irresponsáveis.

4. Somos a favor da entrega de armas defensivas às vítimas da agressão sem compromissos – neste caso, ao Estado ucraniano que luta contra a invasão russa de seu território. Nenhum anti-imperialista responsável pediu que a URSS ou a China entrassem na guerra no Vietnã contra a invasão dos EUA, mas todos os anti-imperialistas radicais eram a favor do aumento das entregas de armas por Moscou e Pequim à resistência vietnamita. Dar àqueles que estão lutando uma guerra justa os meios para lutar contra um agressor muito mais poderoso é um dever internacionalista elementar. A oposição pálida a tais entregas é contraditória com a solidariedade básica às vítimas.

5. Não temos a princípio uma posição geral sobre sanções. Éramos a favor de sanções contra o estado sul-africano do Apartheid e somos a favor de sanções contra a ocupação colonial israelense por colonos. Éramos contra as sanções impostas ao Estado iraquiano depois de ter sido destruído pela guerra em 1991, pois eram sanções assassinas que não serviam a uma causa justa, mas apenas à subjugação de um Estado ao imperialismo norte-americano a um custo quase genocida para sua população. As potências ocidentais decidiram todo um conjunto de novas sanções contra o Estado russo por sua invasão da Ucrânia. Algumas delas podem de fato reduzir a capacidade do regime autocrático de Putin de financiar sua máquina de guerra, outras podem ser prejudiciais à população russa sem afetar muito o regime ou seus companheiros oligárquicos. Nossa oposição à agressão russa combinada com nossa desconfiança em relação aos governos imperialistas ocidentais significa que não devemos apoiar as sanções destes últimos, nem exigir que elas sejam levantadas.

6. Finalmente, a questão mais óbvia e direta de todas, de uma perspectiva progressista, é a exigência de que todas as fronteiras sejam abertas aos refugiados ucranianos, como deveriam ser para todos os refugiados que fogem da guerra e da perseguição de qualquer parte do mundo que venham. O dever de acolher e acomodar os refugiados e o custo disso deve ser compartilhado equitativamente por todos os países ricos. A ajuda humanitária urgente também deve ser fornecida aos deslocados internos dentro das fronteiras da Ucrânia.

Solidariedade com o povo ucraniano!

27 de fevereiro de 2022


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).