Os movimentos sociais e as eleições na Colômbia
Francia_Marquez_F70A6326_49199213312_cropped-1

Os movimentos sociais e as eleições na Colômbia

Uma análise da candidatura de Francia Márquez nas recentes eleições primárias colombianas.

Darío González Posso 29 mar 2022, 11:57

Via Indepaz

Por Darío González Posso[1], da equipe de INDEPAZ [2]

“Vamos lutar contra o modelo econômico da morte, para dar lugar a um modelo econômico que garanta a vida.” (Francia Márquez)

As eleições legislativas e presidenciais de 2022 na Colômbia estão ocorrendo em um momento político marcado pelas grandes mobilizações nacionais do ano passado: a “Greve Nacional”, que é mais do que uma “greve”, é um verdadeiro surto social. Ela foi desencadeada por um projeto de reforma fiscal, prejudicial às economias da população, que o governo foi forçado a retirar do Congresso. Mas o conjunto de demandas é muito mais amplo, relacionado à garantia dos direitos, à saúde, à educação, ao meio ambiente… e a outras demandas sociais, políticas e econômicas. Os protagonistas centrais são os jovens das favelas urbanas, aos quais é negado um futuro pelo sistema vigente. Os movimentos indígenas e afro-étnicos, camponeses e setores populares urbanos têm um papel proeminente a desempenhar. O atual processo eleitoral colombiano é parte deste contexto de lutas sociais crescentes – semelhantes às do Chile. Neste cenário, destaca-se o avanço do “Pacto Histórico” com um projeto democrático, que inclui em suas ideias norteadoras a construção da paz, o cumprimento dos acordos, a garantia dos direitos e o bem-estar social em suas diversas expressões. “Colômbia, uma potência mundial pela vida”, é seu slogan central. Este Pacto é uma coalizão de forças e partidos, com várias expressões políticas da “esquerda” e do “centro”. Nas eleições para o Congresso Nacional – Senado e Câmara dos Deputados – realizadas em 13 de março deste ano, esta coalizão obteve uma votação muito significativa. Simultaneamente a essas eleições legislativas, foram realizadas as “consultas” das diferentes coalizões para definir seus candidatos presidenciais. A consulta “Pacto Histórico” definiu Gustavo Petro do partido “Colômbia Humana” como seu candidato presidencial. A segunda maior votação, entre os pré-candidatos deste Pacto, foi para Francia Márquez Mina, uma líder social afrodescendente do movimento “Eu sou porque somos”, que agora é uma revelação no cenário político colombiano. Em geral, o volume de votos para o “Pacto Histórico” na consulta acima mencionada excede em muito todas as outras coalizões, e é por isso que agora está na melhor posição para concorrer às eleições presidenciais de 28 de maio.

Quem é Francia Márquez Mina e que princípios defende seu movimento “Sou Porque Somos”?

Francia nasceu em 1 de dezembro de 1982, no Corregimiento de Yolombó, Município de Suárez, Departamento de El Cauca, no sudoeste da Colômbia. Ela é advogada da Universidade de Santiago de Cali. Ela está na lista presidencial de Gustavo Petro, mas ela brilha com sua própria luz. Ela vem de uma luta muito longa de seu povo, um povo escravizado até meados do século XIX, cujos plenos direitos ainda são negados até hoje. Ela se define como “a neta” daqueles que lutaram e sofreram por liberdade e dignidade para este país e diz que a esse mesmo compromisso ela dá tudo de si. Desde muito jovem, Francia se envolveu nas lutas de sua comunidade. Com apenas 14 anos de idade, ela começou a se destacar como líder diante da investida de grandes empresas de mineração capitalistas e projetos hidrelétricos. Ela se une a seu povo na luta pelo território, desde uma concepção que não o limita ao que alguns definem como um “espaço socialmente construído”, porque é muito mais.

Como princípio essencial, é necessário mencionar que – para esses Povos Afrodescendentes e outros povos étnicos como os povos indígenas – seu espaço não é apenas físico, nem apenas um “meio de produção”, mas, antes de tudo, o reino da vida. Este princípio estabelece significados diferentes tanto para a terra quanto para o território; para estes Povos, o território é constituído pelas relações sociais e pelas relações do ser humano com a natureza. Esta lógica é muito diferente da lógica do capitalismo e dos mercados. Território refere-se à relação de múltiplos componentes: social, econômico, espiritual… Em primeiro lugar, território é o povo, em uma relação vital com seu espaço; é também um símbolo que invoca identidade, cultura e conhecimento. Visto sob esta perspectiva, o território é um direito humano. E esta, em essência, é Francia Márquez: uma lutadora pelos direitos humanos plenos e por uma relação inteligente com a natureza. Entre as ações desta luta, como exemplo, está a “Marcha dos turbantes” de centenas de quilômetros até Bogotá, a capital do país, para tornar visíveis suas demandas. As mulheres lideram esta marcha.

O governo é forçado a remover as máquinas escavadoras de mineração que destroem a montanha e ameaçam deslocar os aldeões. Mas há muito mais dias de luta e também de solidariedade com outras comunidades e povos… Francia Márquez é a ganhadora do prestigioso Prêmio Ambiental Goldman em 2018. Sua jornada não tem sido fácil, ela é vítima de um atentado contra sua vida e é alvo de muitas ameaças.

A filosofia da UBUNTU como fundamento ético de seu movimento

No país, ela criou um movimento chamado “Sou Porque Somos”, que é uma síntese do Ubuntu, um sistema de pensamento que promove a solidariedade entre as pessoas: o bem-estar de um depende do bem-estar de todos e vice-versa. De ascendência africana, o Ubuntu dá uma abordagem ética à política e à maneira de governar. Ubuntu é solidariedade, é união com a natureza… Ubuntu se refere a uma relação humana baseada na bondade, compaixão e interdependência. Isto nos permite entender a abordagem de Francia Márquez como ativista dos direitos humanos, feminista e líder ambiental. Suas propostas, diz ela, não são nem de esquerda nem de direita, são “propostas para a vida”. Francia enfatiza a soberania alimentar e a soberania dos povos para determinar seus próprios destinos…

Sua postulação política”, diz Francia, “não é tomada por ela e seu movimento em sua capacidade pessoal”. Eles a assumem em nome das populações historicamente marginalizadas, o que significa lutar para erradicar, entre muitas outras coisas, as políticas de morte, fome e mercantilização dos direitos (já que as políticas neoliberais mercantilizam a saúde, a água, a educação e tantos outros direitos). Uma de suas propostas centrais é a independência e o pensamento crítico: embora se una à coalizão “Pacto Histórico”, adverte que suas propostas não estão sujeitas à lealdade a nenhuma das partes e diz que manterá uma postura crítica em relação à aliança[3]. Francia Márquez quer retomar as lutas dos jovens, mulheres e trabalhadores mobilizados nas recentes greves nacionais.

Ela mesma é vítima de violência. Em julho de 2021, quando Francia Márquez registrou sua pré-candidatura, ela disse: “Estamos apostando que o programa será uma construção de mandatos das regiões, dos territórios, das diversidades e com todos os colombianos. Um mandato capaz de deter a política da morte”. Ele também diz: “Uma das diretrizes tem a ver com o fim da guerra em nosso país. Foram os povos esquecidos, o Cauca e as regiões do Pacífico, que tiveram que suportar o peso da guerra e da violência. Parar a guerra implica implementar os acordos em favor da paz, e iniciar outros processos de diálogo. Esta ideia do programa como uma “construção de mandatos” é fundamental. E isso diferencia seu movimento dos clássicos “partidos” de esquerda que conhecemos.

A principal contribuição de Francia Márquez…

Embora possa parecer estranho em uma competição eleitoral, onde o número de votos é essencial, sua principal contribuição – sem dúvida – não são os votos que ela emitiu ou que ela pode atrair. Sua principal contribuição é a introdução de valores éticos neste debate; valores que tanto precisamos, tais como os já mencionados na filosofia Ubuntu. Francia Márquez também menciona frequentemente o conceito de “vida saborosa”, que está relacionado ao Ubuntu. A “vida saborosa” é um conceito de “organização espiritual, social, econômica, política e cultural em harmonia com o meio ambiente, com a natureza e com as pessoas”[4].

O modelo capitalista de desenvolvimento – predatório do ser humano e da natureza – relega para segundo plano a dinâmica local da evolução das sociedades humanas. Isto leva ao genocídio e ao ecocídio: é a política da morte. Francia é uma líder social de destaque, uma ambientalista, feminista e afrodescendente reconhecida. Por todas estas razões, sua presença hoje no centro deste debate eleitoral choca as consciências e revela que ainda há um longo caminho a percorrer para superar a mentalidade patriarcal, discriminatória e racista, característica das elites políticas e sociais, mas que também se aninha nas “pessoas comuns”, como foi visto nos últimos dias nos comentários racistas na mídia. O discurso de Francia Márquez e seu movimento também exige uma transformação de tudo isso, que é a base da opressão e da discriminação. Sem valores éticos essenciais, não pode haver transformação política.

Mas estes valores não são desprovidos de ação prática, pois sem uma mobilização efetiva, estes valores seriam em vão. Este é também o significado profundo de outro lema de seu movimento: “Da resistência ao poder, até que a dignidade se torne habitual”.

Francia Márquez um símbolo

Existem muitas relações mútuas entre as lutas dos povos, porque a opressão é comum na história da Colômbia e de nossos países. Esta seria uma história muito longa. No período mais recente do desenvolvimento do capitalismo na Colômbia, uma de suas prioridades é a extração de madeira, mineração e energia, a construção de barragens hidrelétricas e grandes empresas agrícolas em vastas regiões onde vivem populações camponesas e povos étnicos, ou em ecossistemas estratégicos muito sensíveis. Estes são fatores no deslocamento forçado de pessoas e na violência.

O acesso à riqueza dos territórios não respeita a consulta à comunidade, apesar de tal consulta ser uma exigência legal no país. Além dos setores tradicionais dominantes, um novo setor burguês surgiu na Colômbia nos últimos anos, ligado em particular à terra, ao tráfico de drogas e ao paramilitarismo, que está aumentando a violência, a expropriação dos camponeses e a concentração monopolista da terra; que é inimigo dos Acordos de Paz, e que é hoje o maior obstáculo para uma solução democrática do problema agrário, entre outras questões estruturais fundamentais. As disputas entre diferentes grupos armados pelo controle de empresas como mineração, drogas, rotas ou territórios, e o modelo predominante de megaprojetos, como os mencionados acima, que levam à militarização a serviço das multinacionais, vão contra a paz e a sobrevivência do povo, e levam ao assassinato de líderes sociais.

Contra este sistema de morte, a união dos povos é indispensável. Na Colômbia, com o assassinato de líderes sociais, centenas de “Francias” são assassinadas. Esta é a extensão dos danos causados. Francia Márquez é um símbolo representativo de todos esses líderes e do movimento social dos últimos anos, o que tem levado às recentes explosões sociais.

RESUMO DA SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS

A competição entre as potências imperialistas por uma nova distribuição de território e zonas de influência no mundo, dizem os analistas, nos coloca à beira de uma terceira guerra mundial. [5] Será que podemos evitar esta realidade como uma questão “alheia”? O atual governo estabelece acordos “consultivos” com o “Comando Sul” das forças armadas americanas visando a chamada “segurança” regional e, para este fim, permite que uma brigada militar entre ilegalmente no país. A Colômbia é declarada um “aliado estratégico” da OTAN. Os EUA procuram assegurar lealdades incondicionais e “reordenar” seu quintal; estão preocupados com o ressurgimento de governos alternativos (por exemplo, Chile com Boric, Brasil se Lula for eleito), além de crises políticas em vários países (por exemplo, Venezuela).

O processo político colombiano não é de forma alguma indiferente para os EUA. Um governo do “Pacto Histórico” não deve alinhar-se a nenhuma das potências imperialistas nesta crise, mesmo em benefício da construção da paz na Colômbia; deve condenar a invasão russa da Ucrânia, os planos e ações de expansão da OTAN; e promover a solidariedade com os povos, entre outros princípios. O atual processo eleitoral na Colômbia está ocorrendo em um contexto sem precedentes: a possibilidade da vitória eleitoral presidencial do “Pacto Histórico” está aberta, como uma opção alternativa à hegemonia liberal-conservadora. Além disso, está em jogo a derrota eleitoral do partido de extrema-direita Uribista.

O pano de fundo deste processo é a revolta social de 2021, a revolta social mais importante desde a greve cívica nacional de 1977, em um contexto de crise humanitária resultante do assassinato de centenas de líderes sociais, defensores dos direitos humanos e ex-combatentes que assinaram os Acordos de Paz.

As eleições legislativas de 23 de março ratificaram a possibilidade real do triunfo do “Pacto Histórico” nas eleições presidenciais. Obteve uma votação maior do que todas as outras opções combinadas; elegeu 19 senadores e mais de 35 representantes para a Câmara dos Deputados, sem precedentes. Na “consulta” do “Pacto Histórico”, a então pré-candidata presidencial e agora candidata a Vice-Presidente, Francia Márquez, obteve cerca de 800.000 votos; a terceira maior votação após Petro e o candidato de direita Federico “Fico” Gutiérrez. Francia Márquez parece ser o novo e mais importante fenômeno político do país. Por causa de seu resultado eleitoral e por ser a porta-voz e representante dos “nobres”, ela emerge da Colômbia profunda dos territórios e comunidades afro; ela propõe uma globalização anti-neoliberal e um programa objetivamente anti-capitalista; ela se propõe como uma opção pelo poder: “Da resistência ao poder, até que a dignidade se torne habitual”.

Hoje parece claro que o “Pacto Histórico” vencerá no primeiro turno (maio) e competirá para ganhar a presidência no primeiro ou segundo turno. Diante desta perspectiva, a direita se reagrupa em torno de Federico “Fico” Gutiérrez: Centro Democrático (Uribismo), cujo candidato renunciou em favor de “Fico”, Partido Conservador, Partido Radical (Vargas Lleras), Partido de la U, grupos cristãos. Este bloco de direita procura atrair eleitores de direita e centristas (Sergio Fajardo). O “Pacto Histórico”, por sua vez, procura consolidar sua base eleitoral e ampliá-la para incluir jovens, territórios étnicos – afro-descendentes, povos indígenas -, abstencionistas e os setores liberais e outros.

Uma vitória do “Pacto Histórico” – Petro, Francia – abriria a situação sem precedentes de um governo de coalizão com setores liberais, verdes e independentes; uma frente que garantiria uma maioria parlamentar, diante de uma forte oposição de direita no parlamento e fora dele, o que criaria uma situação política de polarização e confronto. Existem candidatos “lobos solitários”, mas são as coalizões que carregam o peso decisivo. O Partido Liberal, liderado pelo ex-presidente César Gaviria, ainda está fora de qualquer coalizão e sem seu próprio candidato, tendo recentemente declarado que deixa seus apoiadores “livres para escolher um candidato presidencial”. Mas este é um movimento de “estratégia eleitoral” já previsto… Petro propõe uma ampla frente incorporando outras forças, entre elas o Partido Liberal de César Gaviria, que declara que não falará mais com o “Pacto Histórico”, porque – diz ele – dos “insultos” de Francia Márquez, que define Gaviria como “o representante do neoliberalismo” e como “mais do mesmo”, que nega as mudanças que a Colômbia precisa; Isto equivale a dizer que um acordo de “governabilidade” com a Gaviria levaria ao desapontamento das aspirações populares, das quais as recentes explosões sociais são uma expressão.

Para seu retiro tático, Gaviria está usando as declarações de Francia como pretexto, mas é claro que sua decisão já foi tomada: tudo parece indicar que ele está esperando – dizem muitos analistas – até saber para que lado o vento sopra e quem lhe oferece mais no segundo turno, ou antes (mas é claro que ele prefere “Fico”). Incrível, o líder de um partido sem candidato próprio e em crise está tentando se impor como uma espécie de “fiel da balança”. Enquanto isso, uma parte considerável da população liberal e um punhado de líderes liberais são a favor do “Pacto Histórico”.

Isto não nega o poder e a capacidade de manobra da ultra-direita, que procura perpetuar um exercício de poder mafioso e criminoso; com setores em suas forças armadas de uma maldade infinita, que assassinaram a sangue frio mais de 6.000 seres humanos inocentes, para apresentá-los como “guerrilheiros desmobilizados” (os chamados “falsos positivos”). Pesquisas de opinião e previsões eleitorais mostram, até hoje, a possibilidade de vitória do “Pacto Histórico”, mas nada foi resolvido antes: uma campanha agressiva – combinando mentiras, calúnias, ameaças e o recurso ao medo da classe média, com o apoio da maquinaria da clientela, do orçamento e da burocracia estatal – poderia derrotar o “Pacto Histórico” no segundo turno, repetindo a situação de quatro anos atrás. Neste caso, um regime neofascista e autoritário de direita seria reforçado, num contexto de agravamento da violência e da crise social, mas também de resistência…

Estamos avançando em uma situação de alta instabilidade e de grandes riscos, quando alguns colunistas de opinião estão até mesmo alertando para o perigo de atentados contra a vida de Gustavo Petro ou Francia Márquez. Violência, ameaças e ataques também fazem parte dos recursos da “campanha eleitoral” das elites dominantes na história da Colômbia. Hoje devemos apoiar o “Pacto Histórico”, sem renunciar ao pensamento crítico. O entusiasmo popular cresce com a presença da líder social Francia Márquez na lista de Gustavo Petro. E há componentes muito dinâmicos no processo atual, especialmente a experiência da mobilização independente de amplos setores populares, já mencionada, protagonistas das revoltas e protestos nacionais de um ano atrás, que agora fazem uma pausa sem diminuir as bandeiras de resistência, nem suas exigências…

O que Francia quer nos dizer…?

Notas

1 Agradecimento pelas sugestões e colaboração de Luis Carlos Valencia e Rosita.

2 Instituto de Estudos Para o Desenvolvimento e a Paz .

3 https://volcanicas.com/soy-porque-somosla-filosofia-ubuntu-detras-de-la-apuesta-politica-francia-marquez

4 Veja: Ángela Emilia Mena, Lozano Yeison Arcadio Meneses Copete. La filosofía de vivir sabroso. https://revistas.udea.edu.co/index.php/revistaudea/article/view/340802/20795411 5

5 Russia e Ucrânia: “Podemos estar en las primeras etapas de lo que los historiadores dirán que fue el inicio de la Tercera Guerra Mundial”. https://www.lanacion.com.ar/el-mundo/rusia-y-ucrania-podemos-estar-en-lasprimeras-etapas-de-lo-que-los-historiadores-diran-que-fue-el-nid26032022


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).