Quatro perguntas sobre a guerra na Ucrânia a Zbigniew Marcin Kowalewski
transferir-7-1

Quatro perguntas sobre a guerra na Ucrânia a Zbigniew Marcin Kowalewski

A Revista Movimento entrevista Zbigniew Marcin Kowalewski, ex-militante da revolução operária polonesa de Solidarność em 1980-1981, pesquisador de movimentos revolucionários, autor, entre outros, de vários trabalhos sobre o passado e o presente da questão nacional ucraniana.

Zbigniew Marcin Kowalewski 21 mar 2022, 16:27

A Revista Movimento entrevista Zbigniew Marcin Kowalewski, ex-militante da revolução operária polonesa de Solidarność em 1980-1981, pesquisador de movimentos revolucionários, autor, entre outros, de vários trabalhos sobre o passado e o presente da questão nacional ucraniana. Em 1981 foi eleito para o Presidium do Conselho da Região Łódź da NSZZ Solidarność , foi delegado ao 1º Congresso de Solidariedade. Ele atuou para a ocupação dos locais de trabalho pelos trabalhadores e a criação de governos autônomos de funcionários para administrar os processos de tomada de decisão. Ao mesmo tempo que o “Solidariedade”, Kowalewski aderiu à Quarta Internacional, à qual ele ainda pertence.

RM: Na América Latina, setores consideráveis da esquerda justificam a política de Putin. Eles dizem: “A Rússia está se defendendo contra a agressão da OTAN liderada pelo imperialismo ianque. É por isso que a vitória da Rússia seria um triunfo sobre o imperialismo”. Putin fala que ele invade para pôr fim ao nazismo na Ucrânia”. Como você, camarada polonês e internacionalista militante, vê este conflito militar onde parece que o exército de Putin está fingindo ocupar toda a Ucrânia.

O imperialismo mundial é um sistema de vasos comunicantes: o imperialismo americano se retira sucessivamente do Iraque e do Afeganistão, e depois o imperialismo russo avança sobre a Ucrânia, com o objetivo de avançar ainda mais.

A Rússia é uma grande potência imperialista. Foi na época da Rússia czarista e Lênin chamou-a de “imperialismo militar feudal”. Deixou de ser assim com a vitória da Revolução de Outubro, mas sob a ditadura da burocracia estalinista foi restabelecido como um imperialismo militar burocrático e finalmente com a restauração do capitalismo foi transformado em um imperialismo militar oligárquico.

Sua especificidade também consiste no fato de que historicamente é sempre um imperialismo tanto externo quanto interno. Durante vários séculos, a extensão do território do Estado russo já foi produto de inúmeras conquistas e subjugações militares de numerosos povos não-russos, combinado com o colonialismo interno, a implantação, promovida pelo Estado, de colonos russos (ou outros eslavos russos) nos territórios conquistados e sua dominação sobre os povos dominados. Cada avanço histórico do imperialismo interno foi acompanhado pela extensão do imperialismo externo: a tendência à dominação dos territórios adjacentes à fronteira móvel do Estado russo. Sob o czarismo foi a conquista de grande parte da Polônia, assim como dos países balcânicos e da Finlândia, as tentativas permanentes de dominar os Bálcãs e de se estender até o Bósforo, as guerras de conquista do Cáucaso e do Turquestão na Ásia Central, etc.

O regime estalinista restaurou esta política imperialista dos czares russos, participando com a Alemanha nazista de uma partição da Polônia em 1939-1941, anexando os estados balcânicos e a Bessarábia romena, e invadindo a Finlândia. Após sua vitória sobre a Alemanha em 1945, a Rússia estabeleceu seu domínio sobre os Estados da Europa Oriental, derrubando o capitalismo neles, mas ao mesmo tempo impondo-lhes regimes burocráticos satélite e intervindo militarmente quando as massas trabalhadoras se levantaram contra esses regimes opressivos, baseados na exploração da classe trabalhadora. Ao mesmo tempo, nos anos do pós-guerra, o imperialismo burocrático estalinista estava tentando assumir as províncias vizinhas da China, Irã e Turquia, incluindo a Líbia, para a gestão fiduciária da ONU.

A Ucrânia é uma das mais antigas e maiores conquistas imperiais da Rússia, e os ucranianos foram um dos povos mais ferozmente oprimidos e colonizados. Grandes partes da Ucrânia eram dominadas por grandes proprietários de terras poloneses. As primeiras rebeliões ucranianas, principalmente revoltas camponesas sob a liderança militar-política dos cossacos contra o jugo polonês, começaram já no final do século 16. No século XVII, durante a imensa revolta ucraniana contra o estado polonês, formou-se um estado cossaco, baseado em um campesinato livre que aboliu o feudalismo. O império czarista destruiu este estado em 1775 e com a divisão da Polônia entre Alemanha, Áustria e Rússia assumiu a maior parte das terras ucranianas (uma parte menor estava sob o domínio austríaco, que era muito mais liberal do que a Rússia).

Após a restauração do Estado polonês em 1918 e a derrota da Rússia soviética na guerra com a Polônia em 1920, a Ucrânia foi dividida entre a parte oriental, que era soviética, e a parte ocidental, que pertencia ao Estado polonês, que restaurou a opressão da minoria nacional ucraniana. A opressão polonesa foi eliminada com o fim da Segunda Guerra Mundial e a incorporação de todas as terras ucranianas na URSS. Na União Soviética, os ucranianos experimentaram um grande renascimento nacional e cultural nos anos 1920: além de derrubar a exploração das massas ucranianas por proprietários de terras e capitalistas russos e poloneses, o poder soviético reconheceu, pela primeira vez na história, a língua e a cultura ucraniana e as promoveu nas fronteiras da Ucrânia soviética. Stalin pôs um fim a essas conquistas históricas do povo ucraniano, sujeitando as massas camponesas a uma política genocida durante a terrível fome de 1932-1933, exterminando a intelligentsia e a burocracia ucraniana e implementando uma política feroz de russificação, ainda que mantendo a língua ucraniana como oficial na república ucraniana.

A Ucrânia é, portanto, um caso de um povo historicamente oprimido.

Finalmente se levantou contra sua opressão nacional em 1991, separando-se da União Soviética em colapso e, como os 14 outros grandes povos oprimidos não russos, se constituiu como um Estado independente. Foi um grande ato, ainda que muito tardio, de descolonização, desta vez na própria Europa, e um grande golpe para o imperialismo russo. A nova oligarquia russa que se formou com base na restauração capitalista nunca havia perdoado o povo ucraniano por se separar e se libertar do domínio russo. A recuperação da Ucrânia pela Rússia é vital para o restabelecimento do império russo em toda sua extensão territorial, alcançada por este império sob o poder czarista e estalinista.

É por isso que, desde 2014, a Rússia anexou a Crimea, gerou e apoiou militarmente um movimento separatista no Donbas e agora desencadeou uma guerra de conquista colonial da Ucrânia. A Rússia tem sido politicamente apoiada por parte da esquerda latino-americana, europeia e americana. Esta esquerda, olhando unilateralmente e cegamente para o imperialismo americano e seus grandes aliados de poder, a OTAN, vira as costas para um povo que se libertou do jugo nacional e está lutando heroicamente por sua independência. Ele apoia um imperialismo tão opressivo, explorador e criminoso como qualquer outro, ou seja, o imperialismo russo.

A política putinista de expansão territorial, que consiste, para fins de conquista imperial, em fomentar e explorar conflitos étnicos e movimentos separatistas apoiados por forças armadas ou quadrilhas armadas, é uma repetição da política de expansão da Alemanha nazista. A propaganda putinista apresentando a Ucrânia como um estado nazista é propaganda para os imbecis que não faltam no mundo, mesmo à esquerda. A Ucrânia é um estado europeu raro no qual não há um único parlamentar de extrema-direita no parlamento (ao contrário da Rússia, onde existem dezenas deles permanentemente há trinta anos) e o único na história da Europa no qual o presidente é de origem judaica. Ao contrário da autocracia policial-militar restabelecida por Putin sob uma fachada parlamentar, a Ucrânia é uma democracia burguesa. Como disse com razão Leon Trotsky, “enquanto ainda não tivermos forças para estabelecer o sistema de conselhos, estamos no terreno da democracia burguesa”.

RM: Como você vê a resistência do povo ucraniano? O que é mais conhecido na imprensa internacional é a atitude patriótica de Zelensky. O povo está resistindo? Que formas esta resistência está tomando e qual é o seu tamanho? Em particular, que papel desempenham as organizações de trabalhadores?

O povo ucraniano compreende bem que o que está em jogo é seu destino histórico como nação e, além das diferenças étnicas, lingüísticas e confessionais, resiste de forma formidável, com e sem armas. Ele realiza ações em massa, tais como bloqueios dos avanços dos tanques e outros veículos militares russos ou comícios que repudiam os militares russos em frente aos prédios administrativos tomados por eles nas cidades ocupadas. Estas resistências em massa são convocadas pelas próprias comunidades. São as mulheres que desempenham um papel muito importante nelas, enquanto os homens, além do exército regular, servem nas unidades armadas de defesa territorial que cooperam com o exército. Mas os militares russos estão respondendo cada vez mais com medidas de terror contra a população civil, estragando-as e destruindo deliberadamente suas casas e infra-estrutura urbana, forçando-as a fugir dos centros urbanos. Um milhão de refugiados ucranianos já chegaram à Polônia. Os crimes de guerra cometidos pelo exército russo estão se tornando mais frequentes e atrozes.

RM: Sobre o movimento pacifista, antiguerra, na Rússia. É um tema semelhante, que força tem? O que você sabe sobre o papel do Partido Comunista e da esquerda russa?

O movimento antiguerra na Rússia está em expansão, embora enfrente uma repressão policial muito brutal e até mesmo bestial, bem como penas de prisão muito altas às quais estão sujeitos aqueles que protestam contra a guerra. A Rússia está voltando aos tempos da repressão czarista e estalinista. O grau de coragem necessário para ousar tomar as ruas para protestar é tal que esses russos, principalmente os jovens, que protestam desafiando o aparato policial na Rússia, devem ser admirados da mesma forma que os ucranianos que enfrentam o exército invasor russo em seu país. Os chamados “comunistas”, que são um dos quatro partidos representados no parlamento de fachada russo, são tão apodrecidos quanto o próprio regime. Supostamente “oposição”, eles são apoiadores leais de tudo o que é política imperialista russa e ardentes portadores do grão-chauvinismo russo. Dos 60 deputados e senadores “comunistas”, apenas três deles, antes tão partidários do imperialismo russo quanto seus camaradas, ousaram se opor à guerra, mas obviamente sem ousar chamar as massas para protestar. Nesta atmosfera de “comunismo” corrompida pelo estalinismo e nacionalismo, a verdadeira esquerda internacionalista russa é minúscula e incapaz de mobilizar as massas.

RM: Você arrisca algum prognóstico sobre o desenvolvimento e o resultado desta guerra?

Meu prognóstico para o desenvolvimento e o resultado desta guerra é o seguinte. Em princípio, estamos diante da alternativa: ou o exército e o povo ucraniano derrotam o exército russo, o que é muito difícil de conseguir, dada a esmagadora superioridade militar russa – por exemplo, o exército russo tem dez a quinze vezes mais aviões e helicópteros de combate do que o exército ucraniano – ou uma nova Munique nos espera.

Em 1938, em Munique, as grandes potências ocidentais, França e Grã-Bretanha, entregaram efetivamente a Tchecoslováquia a Hitler a fim de evitar uma guerra europeia. A opressão da minoria de língua alemã e a rebelião da minoria alemã nos Sudetos tchecos serviram a Hitler para justificar sua invasão da Tchecoslováquia. Desta vez, o papel da Tchecoslováquia é desempenhado pela Ucrânia, o de Hitler por Putin, o da minoria de língua alemã pela minoria de língua russa, o dos Sudetos pela Crimeia e os Donbas.

E se a história se repetisse e o papel da França e da Grã-Bretanha na época fosse desempenhado pela OTAN? Como a conquista da Tchecoslováquia por Hitler, a conquista da Ucrânia por Putin seria seguida pela invasão russa dos três estados bálticos – Estônia, Letônia e Lituânia – e Polônia. As grandes potências ocidentais, aterrorizadas pela ameaça de guerra nuclear de Putin, abandonariam esses Estados, agora membros da OTAN, à sua sorte. Encorajado por suas conquistas, o imperialismo russo, como o imperialismo alemão em 1940, não pararia na Europa Oriental, mas enfrentaria as potências imperialistas ocidentais, provocando uma terceira guerra mundial, desta vez uma guerra nuclear.

O que pode impedir tal resultado, ou seja, o que pode garantir a vitória do povo ucraniano sobre o exército invasor russo, é o derrube do regime despótico na Rússia pelo movimento democrático antiguerra russo. O que é necessário então, a fim de enfrentar a invasão russa da Ucrânia, é um poderoso movimento mundial de solidariedade com a resistência do povo ucraniano e o movimento russo antiguerra.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).