Contra o Imperialismo Russo
imperialism1-2-1024x664-1

Contra o Imperialismo Russo

Declaração do Movimento Socialista Russo e do Sotsialnyi Rukh ucraniano contra o imperialismo russo (com prefácio dos editores de LeftEast).

Via LeftEast

Nota dos editores do LeftEast: Desde que a guerra começou, a esquerda se debruçou sobre as questões da extensão da responsabilidade da OTAN e o pedido de ajuda militar à Ucrânia. Ao publicar esta declaração enviada a nós por nossos camaradas do Movimento Socialista Russo, reconhecemos as múltiplas fissuras da esquerda sobre estas questões. Embora todos concordemos que qualquer esquerda digna desse nome deve condenar inequivocamente a agressão da Rússia à Ucrânia, vários membros do coletivo editorial do LeftEast expressaram reservas quanto à posição da declaração sobre a OTAN e a ajuda militar à Ucrânia. Ao mesmo tempo, entendemos que as múltiplas geografias, situações concretas e estratégias da esquerda – seja na Ucrânia, sob as bombas de Putin; na Rússia, sob a perseguição de Putin; no Ocidente, onde o lobby de guerra está empurrando sua própria agenda; ou, no Sul Global, onde o principal inimigo é diferente e a hipocrisia ocidental mais gritante – resultam em perspectivas diferentes sobre estes dois pontos mais controversos. No início da guerra, a LeftEast emitiu sua própria declaração antiguerra, onde tentamos articular nossa própria visão. No entanto, nossa principal missão é proporcionar uma plataforma de solidariedade com vozes progressistas da região. Com este espírito, publicamos esta declaração.

———————————————————————————————————————————–

Embora a maioria da esquerda tenha condenado a invasão russa da Ucrânia, ainda falta a unidade do campo da esquerda. Gostaríamos de nos dirigir àqueles da esquerda que ainda se agarram à posição de “uma praga em ambas as casas” que vê a guerra como uma guerra inter-imperialista.

Já é hora de a esquerda acordar e realizar uma “análise concreta da situação concreta” em vez de reproduzir estruturas desgastadas da Guerra Fria. O desprezo pelo imperialismo russo é um erro terrível para a esquerda. É Putin, e não a OTAN, que está travando uma guerra contra a Ucrânia. É por isso que é essencial mudar nosso foco do imperialismo ocidental para o imperialismo agressivo de Putin, que tem uma base ideológica e política, além de uma base econômica.

O imperialismo russo consiste em dois elementos. Em primeiro lugar, envolve o nacionalismo revisionista russo. Depois de 2012, Putin e seu estabelecimento passaram de um conceito cívico da nação (como rossiysky, “relacionado à Rússia”) para um conceito exclusivo, etnicamente baseado na russividade (como russkiy, “etnicamente/culturalmente russo”). Sua agressão em 2014 e em 2022 foi legitimada pela devolução de terras “originalmente” russas. Além disso, este conceito de “russividade” (étnica) revive o conceito imperial da nação russa do século XIX, o que reduz a identidade ucraniana e bielorrussa às identidades regionais. De acordo com esta visão, russos, bielorrussos e ucranianos são um único povo. Empregar este conceito na retórica oficial implica a negação da independência do Estado ucraniano. É por isso que não podemos dizer com nenhum grau de certeza que Putin só quer o reconhecimento da soberania russa sobre a Crimeia e os Donbas. Putin pode desejar anexar ou subjugar toda a Ucrânia, ameaças que aparecem em seu artigo “Sobre a Unidade Histórica de Russos e Ucranianos” e em seu discurso de 21 de fevereiro de 2022. Finalmente, a perspectiva das conversações de paz Ucrânia-Rússia parece bastante sombria, pois a equipe de negociação da Rússia é liderada pelo ex-ministro da Cultura Vladimir Medinsky, um dos crentes mais dedicados na ideologia do russkiy mir (o mundo étnico russo) – um mundo onde, acredite, ninguém será feliz.

Em segundo lugar, ainda que a agressão de Putin seja difícil de explicar racionalmente, os acontecimentos atuais demonstraram que pode ser razoável, no entanto, tomar a retórica imperialista russa ao valor de face. O imperialismo russo é alimentado pelo desejo de mudar a chamada “ordem mundial”. Assim, a demanda de Putin pela retirada da OTAN da Europa Oriental pode sinalizar que a Rússia pode não parar com a Ucrânia, e a Polônia, a Letônia, a Lituânia ou a Estônia podem ser os próximos alvos da agressão de Putin. É muito ingênuo exigir a desmilitarização da Europa Oriental, porque, à luz das circunstâncias atuais, isso só será apaziguador para Putin e tornará os países da Europa Oriental vulneráveis à agressão de Putin. O discurso sobre a expansão da OTAN obscurece o desejo de Putin de dividir as esferas de influência na Europa entre os EUA e a Rússia. Estar na esfera de influência russa significa a subordinação política de um país à Rússia e a sujeição à expansão da capital russa. Os casos da Geórgia e da Ucrânia demonstram que Putin está pronto para usar a força para influenciar os assuntos políticos dos países que ele acredita desejarem deixar a esfera de influência russa. É importante entender que a compreensão de Putin sobre os agentes-chave da ordem mundial está basicamente limitada aos EUA e à China. Ele não reconhece a soberania de outros países, considerando-os como satélites de um desses agentes da ordem internacional.

Putin e seu establishment são muito cínicos. Eles usam o bombardeio da Iugoslávia pela OTAN, a intervenção americana no Afeganistão e a invasão do Iraque como um escudo para o bombardeio da Ucrânia. Neste contexto, a esquerda deve mostrar coerência e dizer não a toda agressão imperialista no mundo. Hoje, o agressor imperialista é a Rússia, não a OTAN, e se a Rússia não for detida na Ucrânia, ela certamente continuará sua agressão.

Além disso, não devemos ter ilusões sobre o regime de Putin. Ele não oferece alternativa ao capitalismo ocidental. É um capitalismo autoritário e oligárquico. O nível de desigualdade na Rússia aumentou significativamente durante os 20 anos de sua liderança. Putin não é apenas um inimigo da classe trabalhadora, mas também um inimigo de todas as formas de democracia. A participação popular na política e associações voluntárias é tratada com desconfiança na Rússia. Putin é essencialmente um anticomunista e um inimigo de tudo pelo que a esquerda lutou no século XX e luta pelo século XXI. Em sua visão de mundo, os fortes têm o direito de vencer os fracos, os ricos têm o direito de explorar os pobres, e os homens fortes no poder têm o direito de tomar decisões em nome de sua população sem poder. Esta visão de mundo deve ser severamente abalada na Ucrânia. Para que ocorra uma mudança política dentro da Rússia, o exército russo deve ser derrotado na Ucrânia.

Queremos atender a uma demanda altamente controversa, a da ajuda militar à Ucrânia. Entendemos as repercussões da militarização para o progressivo movimento de esquerda mundial e a resistência da esquerda à expansão da OTAN ou à intervenção ocidental. Entretanto, é necessário mais contexto para fornecer um quadro mais completo. Em primeiro lugar, os países da OTAN forneceram armas à Rússia, apesar do embargo de 2014 (França, Alemanha, Itália, Áustria, Bulgária, República Tcheca, Croácia, Eslováquia e Espanha). Assim, a discussão sobre se as armas enviadas para a região acabam nas mãos certas ou erradas soa um pouco tardia. Eles já estão em más mãos, e os países da UE só estariam corrigindo seus erros anteriores ao fornecer armas à Ucrânia. Além disso, as garantias alternativas de segurança que o governo ucraniano propôs exigem o envolvimento de vários países, e provavelmente só podem ser alcançadas com seu envolvimento, também. Em segundo lugar, como inúmeros artigos têm enfatizado, o regimento Azov é um problema. Entretanto, ao contrário de 2014, a extrema-direita não está desempenhando um papel proeminente na guerra de hoje, que se tornou uma guerra popular – e nossos camaradas da esquerda anti-autoritária da Ucrânia, Rússia e Belarus estão lutando juntos contra o imperialismo. Como ficou claro nos últimos dias, a Rússia está tentando compensar seu fracasso em terra com ataques aéreos. A defesa aérea não dará a Azov nenhum poder adicional, mas ajudará a Ucrânia a manter o controle de seu território e reduzirá as mortes de civis mesmo que as negociações falhem.

Em nossa opinião, a Esquerda deveria exigir:

  • a retirada imediata de todas as forças armadas russas da Ucrânia;
  • novas sanções pessoais e específicas a Putin e seus multimilionários. (É importante entender que Putin e seu establishment se preocupam apenas com seus próprios bens privados; eles são alheios ao estado da economia russa em geral. A esquerda também pode usar esta exigência para expor a hipocrisia daqueles que patrocinaram o regime e o exército de Putin e mesmo agora continuam a vender armas para a Rússia);
  • a sanção do petróleo e gás russos;
  • aumento do apoio militar à Ucrânia, em particular o fornecimento de sistemas de defesa aérea;
  • a introdução de forças de paz da ONU de países não pertencentes à OTAN para proteger os civis, incluindo a proteção de corredores verdes e a proteção de usinas nucleares (o veto da Rússia no Conselho de Segurança da ONU pode ser superado na Assembleia Geral);
  • a esquerda também deve apoiar os esquerdistas ucranianos que resistem, dando-lhes visibilidade, centralizando suas vozes e apoiando-os financeiramente. Reconhecemos que são os milhões de trabalhadores essenciais ucranianos e voluntários de ajuda humanitária que tornam possível uma maior resistência.

Uma série de outras exigências – apoio a todos os refugiados na Europa independentemente da cidadania, cancelamento da dívida externa da Ucrânia, sanções contra os oligarcas russos, etc. – são amplamente aceitas pela esquerda e, portanto, não as discutimos aqui.

A invasão russa da Ucrânia estabelece um terrível precedente para a resolução de conflitos que envolvem o risco de guerra nuclear. É por isso que a esquerda deve apresentar nossa própria visão das relações internacionais e da arquitetura da segurança internacional que pode incluir o desarmamento nuclear multilateral (que será obrigatório para todas as potências nucleares) e a institucionalização das respostas econômicas internacionais a qualquer agressão imperialista no mundo. A derrota militar da Rússia deve ser o primeiro passo para a democratização da ordem global e das formações de um sistema de segurança internacional, e a esquerda internacional deve dar uma contribuição para esta causa.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).