#CubanSpirit
1654826520174

#CubanSpirit

O militante cubano Frank García reflete sobre a burocracia cubana e a atual situação da população da ilha.

Frank García Hernández 11 jun 2022, 10:54

Via Comunistas Cuba

para minha namorada Claudia e nossa pequena Seve, que Cuba vem até elas entardecendo

A foto foi tirada durante as inundações da última sexta-feira, 3 de junho, que, no mínimo, submergiram o pobre bairro de Havana de El Fanguito no rio Almendares, as águas tomaram as ruas centrais transformando-as em rios efêmeros, penetraram outros bairros da classe trabalhadora e causaram mais de 200 deslizamentos de terra somente na capital cubana.

Essa imagem é o espírito do povo cubano. Não é da complexa alma russa que Dostoievski falou em seus romances, mas da alegria do ajiaco, tão bem descrita pelo antropólogo Fernando Ortiz: uma mistura de culturas da Espanha e da África, onde outras pequenas migrações são diluídas e uma ilha homogênea é construída, com uma única língua e arroz e feijão como prato principal em cada mesa – muitas vezes a única, e hoje em dia o arroz seco é o prato principal, pois comer feijão é quase um luxo. Agora devemos acrescentar o impacto cultural dos Estados Unidos como um vizinho, tentando por mais de um século destruir cada projeto emancipatório cubano e há décadas abrigando mais de um milhão de cubanos.

Resistimos há mais de 60 anos e não desistimos. No entanto, neste momento não está claro para o povo cubano o que a resistência é contra. Muito poucos vêem o bloqueio americano como a razão de seus males e culpam o governo pela situação crítica em que vivem. Muitos nem mesmo acreditam que o pacote econômico chamado Tarea Ordenamiento tenha sido um erro, mas que o governo o tomou já sabendo qual seria seu duro impacto sobre a classe trabalhadora.

De outubro a maio, mais de 115.000 cubanos, ou pouco mais de 1% da população de Cuba, haviam emigrado para os Estados Unidos através da fronteira com o México. Enquanto isso, a propaganda da imprensa estatal está transbordando de slogans triunfalistas, falando de uma recuperação inexistente, dizendo que esta emigração maciça é porque os Estados Unidos não estão cumprindo os acordos de migração. É verdade que os EUA devem conceder a Cuba 20.000 vistos por ano para aqueles que desejam emigrar, mas se em apenas sete meses o número de emigrantes cubanos subiu para 115.000, por que os outros 95.000 partiriam? Como a crise econômica é insuportável para os jovens que partem, eles não se sentem representados no discurso oficial e não têm como mudar a realidade.

Em Cuba, a inflação é agravada pela escassez que muitas vezes é impossível de imaginar para aqueles que não visitaram a ilha recentemente. As longas filas são feitas com a incerteza de não saber se eles serão capazes de comprar o que precisam urgentemente ou mesmo não saber o que está à venda, mas “Quem sabe! Se tem fila, alguma coisa tem”.

Nos anos 60, o povo cubano enfrentou talvez uma escassez pior, viveu sob a possibilidade agora inexistente e latente de uma invasão ianque, sofreu a sabotagem de uma contra-revolução armada, mas a classe trabalhadora fez seu próprio projeto político do qual se sentiu parte e viu em seus líderes um exemplo a seguir.

Em contraste, o atual governo cubano está cada vez mais alienado das maiorias populares e suas taxas de aprovação estão caindo. Quase todos os jovens que apoiam o governo têm alguma ligação com a burocracia governante, já se tornaram parte dela, ou têm um padrão de vida acima do das maiorias populares. Também não é raro ver jovens parentes de proprietários de negócios privados e proprietários apoiarem abertamente o governo: é uma burguesia nascida da burocracia e em muitos casos são os próprios burocratas que possuem empresas privadas ou têm relações familiares próximas com os proprietários de empresas privadas. Em ambos os casos, eles sabem que a obediência é a principal garantia de suas vantagens burocráticas, do sucesso de sua mediocridade e do valor agregado de seus negócios apoiados pelo governo. Por sua vez, a burocracia ganha o alívio de se sentir apoiada e material para sua propaganda onde esses jovens são os verdadeiros representantes da juventude cubana.

No entanto, a maioria dos manifestantes do 11 de julho eram jovens. Não é surpreendente, então, que seja difícil encontrar jovens pró-governo nos bairros da classe trabalhadora. Na melhor das hipóteses, os jovens desses bairros sentem uma indiferença esgotada em relação ao governo. Em Cuba, memes e adesivos – o distinto instrumento de comunicação dos jovens e adolescentes – ridicularizando o Presidente Díaz-Canel circulam com frequência.

A burocracia cubana perdeu a maioria da juventude, mas não sabemos o que a maioria da juventude cubana encontrou para substituir o discurso político da burocracia. O fato de 115.000 cubanos escolherem os Estados Unidos como seu destino de vida também fala da atual crise política, que prejudicou não apenas o governo cubano, mas também o socialismo como uma ideologia e um projeto econômico.

Diante deste cenário, a esquerda internacional tem duas posições. Uma esquerda – principalmente os herdeiros dos partidos que antes eram guiados por Moscou, os maoístas transformados em dengxiaopistas e a esquerda nacionalista – apoia sem crítica a burocracia cubana e entende qualquer voz crítica como contra-revolucionária. Para esta esquerda, as críticas que emanam do povo cubano são produto de fraquezas políticas e o governo cubano é apresentado como a própria Revolução. Em outras palavras, é uma esquerda que apoia a burocracia e faz ouvidos de mercador às exigências da classe trabalhadora cubana.

A outra esquerda acredita nas críticas que vêm da classe trabalhadora cubana, eles escutam primeiro a classe trabalhadora cubana e sempre duvidam da burocracia cubana. Esta esquerda está com a classe trabalhadora e não com uma burocracia que mantém slogans socialistas, mas atrasa ou abandona a construção do socialismo. Esta esquerda é, em sua maior parte, o trotskismo.

Não é preciso concordar com todas as análises sobre Cuba feitas pelos trotskistas para ver de que lado os trotskistas estão. Não raro, o distanciamento e as informações contraditórias dificultam a compreensão de Cuba: um país que passa por um processo político cada vez mais complexo e, portanto, as análises nem sempre acabam sendo corretas. Algumas vezes alguns trotskistas superestimam a consciência política da classe trabalhadora cubana e acreditam que a segunda revolução socialista está bem próxima. Em outros momentos, alguns trotskismos deram um caráter popular a eventos, grupos e personalidades que mesmo abertamente se assumem como “nem de esquerda nem de direita”. Mas estes mesmos trotskismos nunca duvidam da classe trabalhadora cubana. E estes trotskistas também sabem que os protestos de 11 de julho não foram controlados pela contra-revolução, nem organizados pela contra-revolução, nem foram um ato contra-revolucionário, mas o gesto desesperado dos trabalhadores em uma situação crítica.

Aqueles que acreditam na propaganda oficial onde os protestos de 11 de julho são apresentados como tumultos violentos repelidos pelo povo, ignoram ou querem ignorar a realidade cubana. Estas organizações podem arrancar seus cabelos repetindo o discurso oficial cubano, mas sua análise não impede que a realidade mude à vontade. Estas organizações são incapazes de explicar às suas bases o que está acontecendo em Cuba e acabam desnorteadas por eventos cada vez mais sérios. Eles acabam dando explicações irracionais, muito distantes da realidade cubana, e os fatos quebram seu discurso. Foi o que aconteceu com os partidos guiados por Moscou quando a União Soviética entrou em colapso. Eles não sabiam como explicar o desastre e sua posição doutrinada, que ao verem como seu Vaticano caiu, abandonaram sua militância e se moveram para a desilusão ou mesmo para a direita. As fracas justificações políticas para os erros da União Soviética ou a ocultação e distorção dos fatos desmoronaram com a queda do chamado socialismo real e do dogma marxista-leninista. O mesmo aconteceu com os protestos de 11 de julho. Diante dos protestos, a esquerda que apoia a burocracia ou considerou o 11J como um evento contra-revolucionário, rompeu com a realidade e lançou uma campanha contra o bloqueio onde não mencionou as manifestações populares. Pareciam irreconciliáveis com a realidade. Enquanto eventos únicos em 62 anos estavam ocorrendo em Cuba, a esquerda os ignorou e falou desarticuladamente de algo antigo e que era apenas uma parte do que havia acontecido.

Mas Cuba está longe de ser um cenário político que pode ser esculpido com slogans. A burocracia cubana é indefensável, mas as condições para uma segunda revolução socialista em Cuba ainda não existem. A esquerda marxista crítica cubana – longe de ser homogênea – enfrenta um cenário político sério e seu caráter ainda embrionário dificulta o seu avanço. O trotskismo tem o dever revolucionário de alcançar a classe trabalhadora cubana e tentar construir um novo paradigma socialista. O texto seminal de Trotsky, A Revolução Traída, tem um grande impacto sobre os jovens cubanos que o lêem pela primeira vez. Eles vêem uma realidade muito próxima retratada e encontram em Trotsky uma nova ferramenta política que, para seu espanto, fala uma linguagem socialista muito distante da da burocracia. A crítica à burocracia politicamente degenerada também se encontra em Che Guevara, mas a burocracia cubana conseguiu esconder este Che; relegando-o a poemas, camisetas e iconografia. Mesmo no último congresso do Partido Comunista de Cuba, Che Guevara – nem mesmo Marx ou Lenin – não estava presente entre as figuras históricas que presidiram o plenário.

Mas nem Trotsky existe entre as maiorias populares cubanas, nem os grupos marxistas críticos conseguiram causar um impacto nas maiorias populares. Para um setor preocupantemente grande da juventude cubana, o socialismo não é nem mesmo o processo revolucionário dos anos sessenta, mas o sistema existente hoje em Cuba, burocratizado, com líderes distantes do povo, envolto em slogans ocos e atolado em uma crise econômica da qual não vêem saída.

Infelizmente, este setor da juventude – e dos mais velhos – vê a saída no capitalismo chinês. Os setores populares não vêem a burguesia acumulando alimentos e artigos de higiene pessoal para seus negócios particulares como parte de seus males. Eles vêem isso como parte da má administração da burocracia. A burguesia emergente sem vínculos com a burocracia é vista pela população como uma figura positiva a ser inspirada. Eles representam o cubano que, apesar dos obstáculos estatais, conseguiu ter sucesso. Desde a aprovação da lei sobre pequenas e médias empresas (PMEs), a televisão nacional e provincial transmite extensas reportagens exaltando a figura do “empresário” que, por pura persistência, conseguiu crescer. As palavras burguesia, mais-valia e capitalismo estão ausentes destas reportagens televisivas. Ao mesmo tempo, várias cadeias de cafés e lojas de doces administradas pelo Estado foram desmanteladas pela burocracia, apresentando a administração do Estado como péssima e impossível de sobreviver à crise econômica. Em contraste, todos os bares particulares, cafés, lojas de doces, padarias e restaurantes são abastecidos. Não é raro que se quebrem as padarias estatais que vendem o pão diário que todo cubano recebe a preços subsidiados. As padarias estatais que costumavam vender não apenas o pão correspondente ao livro de ração têm pouca oferta – que desaparece diante das longas filas – mas centenas de jovens contratados pelas padarias privadas percorrem as ruas de Havana com carrinhos todos os dias, vendendo pão sem nenhum problema em seu abastecimento.

É praticamente impossível dizer com certeza qual será o futuro de Cuba. A propaganda oficial diria que é o triunfo das ideias de Fidel e Raúl, a imprensa da oposição que a “ditadura castrista” cairá – sem explicar o que a substituirá – e as maiorias populares encolherão os ombros, dirão “Quem sabe!” e continuarão com o espírito cubano: tentando ser felizes mesmo que a água esteja até o pescoço.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).