Denúncia à comunidade internacional
ecuador_protestas_paquetazo_econxmico_lenin_moreno_reuters.jpg_1718483346

Denúncia à comunidade internacional

Mulheres do Campo e da Cidade no Equador Exigem Diálogo com Resultados – Exigem Paz com Justiça Social e o Fim da Repressão.

Diversas Autoras 30 jun 2022, 20:32


Apelamos às organizações de mulheres, feministas, indígenas, camponesas, sindicais, estudantis, ecologistas e outras mais, a manifestarem a sua SOLIDARIEDADE nestes tempos difíceis que o Equador está atravessando.

Na segunda-feira 27 de Junho, depois de 15 dias do #ParoNacional no Equador, que manteve estradas bloqueadas e mobilizou organizações indígenas, camponesas e populares em todo o país, o movimento indígena equatoriano iniciou o processo de diálogo com representantes dos cinco poderes estatais. A vontade política de dialogar foi a resposta à atitude beligerante e hostil de Guillermo Lasso.

No primeiro dia, foram dadas as primeiras respostas aos 10 pontos que compõem a Agenda Nacional de Luta desta paralisação, o acordo era para continuar o diálogo na terça-feira 28. No entanto, a resposta do governo foi não participar, e comunicar a ruptura do processo de diálogo, após um ataque dos militares a um dos lugares de resistência das comunidades indígenas na Amazônia, que resultou na morte de um militar em condições ainda não esclarecidas.

Neste contexto, nós, organizações de mulheres do campo e da cidade, apresentamos a nossa posição à comunidade internacional:

1. Rechaçamos a ruptura unilateral do processo de diálogo por parte do governo de Guillermo Lasso.
2. Alertamos para o risco de confronto entre setores da sociedade equatoriana, uma vez que, juntamente com a ruptura do diálogo, os funcionários das instituições públicas estão sendo convocados a realizar marchas pela “paz”.
3. Responsabilizamos o governo pela segurança dos membros da comunidade que se encontram nos diferentes Centros de Paz e abrigos em Quito, e resistindo nas diferentes províncias. Exigimos que as suas vidas e o direito à resistência sejam garantidos.

Consideramos fundamental, neste momento:

1. Retomar o diálogo com resultados concretos, caso contrário é apenas mais um escárnio para com as organizações indígenas e populares. Contar com a presença de organizações internacionais para assegurar a concretização destes resultados.

2. Criar uma comissão independente que apure a responsabilidade pelos acontecimentos na província amazônica de Sucumbíos, que foram utilizados como pretexto pelo governo para interromper o diálogo.

3. Exigir, por todos os meios possíveis, que o governo de Guillermo Lasso cesse as suas ações beligerantes contra os dirigentes das organizações indígenas e camponesas que lideraram a paralisação. Isso só aprofunda o ódio e o racismo na população.

O governo deve mudar a sua estratégia, porque ao invés de conduzir a um processo de pacificação urgente e necessário no país, a única coisa que está provocando é exacerbar os ânimos, situação essa que poderia trazer resultados nefastos dentro da própria população.

#CeseLaRepresión #NoCriminalizaciónProtestaSocial


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).