10 Terríveis Argumentos de Esquerda contra a Resistência Ucraniana
img_20220720_154621_911_large

10 Terríveis Argumentos de Esquerda contra a Resistência Ucraniana

Um texto de revolta contra as posições de parte da esquerda ocidental sobre a agressão russa contra a Ucrânia.

Oksana Dutchak 21 jul 2022, 16:41

Via Commons

Discussões com alguns da esquerda (em sua maioria) ocidental podem ser extremamente difíceis. Algumas de suas posições são desanimadoras de se ouvir. Outras parecem hipócritas ou cínicas. Há, em minha opinião, certas posições que estão longe dos princípios da esquerda. Estes pontos nem sempre são expressos diretamente, portanto, quero me aprofundar brevemente em algumas mensagens ocultas subjacentes às posições defendidas por muitos da esquerda.

Aviso nº 1: Quero enfatizar que também há muitos militantes de esquerda que assumem a posição de solidariedade e terão zero a ver com estas reivindicações. No entanto, aqui não estou escrevendo sobre eles.

Aviso nº 2: É realmente importante como algumas destas mensagens são expressas, pois isso traça a linha entre, por um lado, os pontos de preocupação e discussão, e por outro – o pilar central da posição política pré-determinada e incondicional de cada um contra a resistência ucraniana. Este texto é sobre o segundo caso. Não vou discutir nuances aqui. Esta é uma opinião polêmica, não um artigo analítico.

Aviso nº 3: Estou frustrada, irritada e, portanto, sou muitas vezes sarcástica aqui. E sim, tenho o direito de ser assim. E sim, uso este texto para canalizar minha frustração e raiva.

  1. “Se outro país atacasse meu país, eu simplesmente fugiria”.

Bem, eu fiz o mesmo porque tenho dois filhos. A versão completa não anunciada: “Em uma situação hipotética que é altamente improvável, mas que ainda projeto em vocês, não apoiarei nenhuma resistência coletiva à invasão e por causa desta projeção me oponho à resistência ucraniana”. Esta reivindicação é expressa principalmente por pessoas de países sem nenhuma história moderna de sujeição nem sob a ameaça de dominação imperial. Mas não estamos em uma guerra abstrata aqui ou em qualquer versão de suas projeções. Trata-se de uma invasão imperial muito concreta apoiada pela retórica da submissão total. Às vezes ela também atinge o nível da retórica genocida. Um marxista deveria ter uma vergonha alheia tripla ao ouvir que não vale lutar em uma guerra contra a opressão imperial. Claro que, se algo assim acontecer com você, você pode escolher a opção de não resistir e eu nunca o julgaria enquanto você não usar sua escolha individual para condenar a luta defensiva coletiva dos outros em uma realidade total e estruturalmente diferente.

  1. “Eu nunca lutaria por meu governo”.

A versão completa não anunciada da declaração: “1) os ucranianos estão lutando por seu governo, 2) eu não tenho nenhuma razão para achar isso e não verifiquei esta informação com ucranianos ou 3) eu não acho que a opinião dos ucranianos deva ser levada em conta de qualquer forma”. Bem, bastante óbvio – esta guerra não tem nada a ver com nosso governo de merda (como muitos outros). Verifique a porra das pesquisas de opinião que algumas pessoas de esquerda gostam tanto quando apoiam seu ponto de vista e imediatamente esquecem quando o minam. Se esta guerra alguma vez teve algo a ver com o governo ucraniano, o governo deixou de ser relevante quando a propaganda russa começou a falar sobre “a solução da questão ucraniana” e “desnazificação” da população, em massa.

A segunda parte desta declaração não vocalizada está ligada a um total desapego à realidade material e ao desrespeito a ela – uma abordagem muito materialista, de fato. A terceira parte da reivindicação não tem, naturalmente, nada a ver com princípios de esquerda e é, infelizmente, como muitos outros pontos, uma manifestação óbvia do “esquerdismo” centrado no Ocidente, paternalista ou arrogante.

Provavelmente as variações mais impressionantes desta posição são “análises” da guerra com inúmeros erros factuais de pessoas que não sabem quase nada sobre a região e se manifestam “contra a guerra” sem uma única assinatura ucraniana. Ser uma “superestrela” acadêmica de esquerda é uma garantia de que muitas pessoas ainda levarão seu texto a sério, apesar da realidade material desesperadamente lamentável e dos corpos humanos enterrados sob seus escombros.

  1. “Nosso governo apoia a Ucrânia e eu nunca poderei tomar o lado do meu governo”.

A mensagem completa e não vocalizada desta afirmação é: “De fato, apoio meu governo em muitos casos, mas de tal forma justifico minha posição contra o apoio à resistência ucraniana e/ou contra a política de identidade em vez de princípios materialistas para tornar minha vida conformista e simples”. É claro que estas pessoas apoiam seus governos em algumas ocasiões e criticam e se opõem a ele em outras. A realidade é complicada. Às vezes até mesmo governos de merda fazem a coisa certa, especialmente sob a pressão da luta popular progressista. É como opor-se aos migrantes e refugiados, que o governo decidiu “deixar entrar”, porque era a posição do governo. (Eu sei, eu sei que alguns fazem isso sob os slogans de que “eles vão tirar o emprego de nossos trabalhadores”). Uma oposição de princípio ilusória ao próprio governo é simplesmente usada, mais uma vez, como uma justificativa da oposição à resistência ucraniana. Apoiar seriamente esta afirmação significa confiar em políticas de identidade baseadas na universalização cega, em vez de uma análise da realidade material enfrentada pela Ucrânia.

  1. “Trabalhadores ucranianos e russos, em vez de lutarem uns contra os outros, deveriam voltar suas armas contra seus próprios governos”.

A mensagem não faturada aqui é: “Prefiro não fazer nada nesta situação onde não há ameaça direta ou indireta à minha vida, estou me opondo à resistência ucraniana e quero encontrar uma bela justificativa de esquerda”. É melhor fingirmos ser pedras e esperar por uma revolução proletária global. Bem, temo que em algum momento tais pessoas afirmarão que não há necessidade de travar nenhuma luta social até a revolução global (eu sei, eu sei que alguns quase o fazem). Esta posição, entretanto, é (muitas vezes) a posição de um indivíduo privilegiado que esconde o egoísmo ideológico por trás de uma retórica agradável. É também um produto do declínio da mobilização da esquerda ao longo dos anos e das muitas reviravoltas reacionárias do sistema global. Uma merda muito boa e universal, se alguém quiser tomar um banho de merda, eu recomendo por aqui.

  1. “Quem se beneficia com esta guerra?”

A mensagem escondida é: “Sei que algumas partes da classe capitalista de elite se beneficiam de quase tudo neste mundo, porque é assim que o sistema funciona, mas ainda uso esta pergunta (que não é realmente uma pergunta) para expressar minha oposição à luta ucraniana pela autodeterminação”. Opor-se a tal luta porque as elites ocidentais se beneficiam dela é como opor-se à ação industrial, porque um concorrente capitalista se beneficia dela. Outra variação desta afirmação é parte da discussão sobre as armas da OTAN (embora, é claro, eu saiba que a discussão é mais complicada). Desculpe, mas vivemos em um mundo sem um estado progressista do tamanho necessário para dar apoio material a uma luta desta envergadura e se beneficiar de sua vitória. A menos que você considere outras potências imperiais como a China como progressistas.

Este buraco de merda também é bom, pois é profundo e pode conter muitas variações. A maior parte da discussão sobre as “esferas de influência” cai neste buraco de merda também de uma forma ou de outra. Levar esta posição a sério significa tomar o lado do status quo reacionário em que vivemos há décadas. Muitas vezes também vai junto com a negação, desvalorização ou mesmo favoritismo do imperialismo russo (ou qualquer outro não ocidental). Às vezes também esconde todos os outros pensamentos, como apoiar qualquer regime canibal contra o imperialismo ocidental. Por parte de alguns de esquerda do Sul global, pode esconder a ânsia de vingança – esta ânsia, embora seja muito mais compreensível do que a política conformista de identidade dos observadores ocidentais, contém um desagradável desrespeito ao povo ucraniano, sobre cujas costas a vingança contra o imperialismo ocidental deve ser feita.

  1. “6. “E a extrema direita do lado ucraniano?

A afirmação oculta aqui é: “Eu uso o problema da extrema-direita como uma folha de figo para esconder minha oposição à resistência ucraniana”. Sim, existem grupos de extrema direita na Ucrânia – como em muitos outros países – e sim, eles têm armas agora porque, surpresa, estamos em guerra. Mas aqueles que fazem esta afirmação em sua maioria não se importam com a extrema-direita do lado do exército russo ou com o assustador caminho de extrema direita geral da política russa com respectivas implicações para seus “assuntos” internos e externos (como, sim, a série de guerras). Eles não se importam que alguns cientistas políticos de esquerda da Rússia agora chamem seu regime de pós-fascista. Eles não sabem quão grande é a participação da extrema direita na resistência ucraniana, não se importam com a participação de outros grupos ideológicos e a escala geral da resistência, não sabem como o significante vazio do “nazista” é usado pela propaganda russa para desumanizar quem quer que eles queiram. É apenas uma folha de figueira que, graças à propaganda russa e alguns outros fatores, se tornou um colosso.

  1. “A Rússia e a Ucrânia devem negociar. Versão melhorada: aqui estão nossas propostas para um acordo de paz”.

Esta afirmação tem muitas variações ocultas, o que depende das propostas de um acordo de paz que essas pessoas expressam. Dependendo dessas proposições, a mensagem não faturada pode ser: “1) a Ucrânia deve capitular ou 2) estamos desligados da realidade e pensamos que nossas propostas relativamente razoáveis de um acordo de paz são realistas agora”. A primeira opção é a mesma boa velha “paz por qualquer meio”: as proposições pressupõem basicamente que a Ucrânia deve desistir dos territórios recém capturados e seguir quase todas as exigências políticas absurdas da Rússia, renunciando à independência do país e à autodeterminação do povo. Uma posição muito de esquerda, de fato. Na segunda opção, o acordo de paz proposto está próximo ao que estava na mesa de negociações na primavera, quando a invasão em escala real acaba de começar. Um dos principais pontos do acordo de paz proposto é que o exército russo deve se retirar dos territórios recém capturados – para a fronteira no dia 23 de fevereiro. Este ponto torna inútil toda a proposta neste momento e os proponentes não podem dar uma resposta razoável às perguntas sobre por que o regime Putin deveria fazer isso nesta fase, quem pode e como se pode “persuadi-lo” a fazer isso.

Há também a versão mais feia da mensagem não declarada: “estamos sãos, sabendo que nossas propostas relativamente razoáveis são irrealistas no momento, mas ainda assim as expressamos para mostrar que aqueles estúpidos ucranianos não querem negociar”.

  1. “O Ocidente deveria deixar de apoiar a Ucrânia porque pode se transformar em uma guerra nuclear”.

A mensagem oculta: “qualquer país nuclear pode fazer o que quiser porque nós temos medo”. Eu também tenho medo da guerra nuclear. Mas manter esta posição é apoiar o status quo reacionário e facilitar a política imperialista. E o que está faltando nesta discussão são consequências desastrosas do ataque da Rússia ao movimento mundial pelo desarmamento nuclear. Agora, dificilmente posso imaginar por que qualquer país desistiria de seu arsenal nuclear voluntariamente tendo medo de seguir o “destino” da Ucrânia (procure no Google “Budapest Memorandum”). E não é o Ocidente o culpado aqui.

  1. “Nós nem sequer falaremos com você porque você é a favor das armas”.

A mensagem oculta: “não nos importamos com a realidade material desta guerra e lamentamos – não lamentamos – que você tenha tido o azar de ser atacado por um país imperial não ocidental, apenas não faça intervenções desconfortáveis em nosso imaginado internacionalismo monolítico unipolar e centrado no Ocidente”. Esta é, naturalmente, uma encruzilhada de muitas das reivindicações anteriores, mas decidi colocá-la separadamente porque esta é uma brilhante manifestação que nós, ucranianos de esquerda, ouvimos às vezes e nos perguntamos sobre solidariedade, internacionalismo, atenção às estruturas de desigualdade de poder, anti-imperialismo e tudo o que, você sabe, coisas importantes, jogadas no lixo em plena luz do dia diante de nossos olhos.

  1. “Boa resistência russa vs. má/inconveniente/não existente resistência ucraniana”.

E por último, mas não menos importante – na verdade, esta é a que mais me desencadeia. Esta merda desencadeia em mim algumas emoções irracionais das quais me envergonho. Não há nenhuma mensagem escondida aqui. Um dos exemplos extremos é quando a reunião da esquerda é abordada por um ativista russo antiguerra e todos ouvem, mas quando a mesma reunião é abordada pela esquerda ucraniana com basicamente as mesmas mensagens, algumas pessoas propositalmente saem da sala e vão embora. Os militantes de esquerdia ucranianos podem ser questionados como se não tivessem o direito de participar de uma discussão sobre esta guerra se nenhum opositor de guerra russo estiver envolvido – mesmo que apenas em alguns dias participem de outra discussão com representantes russos antiguerra. Como ousam os militantes de esquerda ucranianos falar sobre a invasão russa sem os militantes russos, certo?

Estes são apenas exemplos extremos, mas há um mar de variações moderadas: apoiar e admirar a resistência russa anti-guerra e ficar entorpecido com a ucraniana. Espalhar algumas mensagens do movimento russo anti-guerra e ignorar as mensagens da esquerda ucraniana. Fingir que a resistência ucraniana não existe. Escrever sobre os valentes e fortes opositores russos à guerra e, ao mesmo tempo, descrever os ucranianos apenas como perdas civis, refugiados, vítimas pobres.

A resistência russa anti-guerra muitas vezes faz reivindicações semelhantes e apoia a esquerda ucraniana em relação à guerra: eles exigem armas para a resistência ucraniana, eles querem que a Rússia perca! Intrigantemente, esta semelhança não importa, certo? No entanto, a explicação é simples. A resistência russa contra a guerra é confortável, corresponde a muitas reivindicações e mensagens ocultas. Eles são contra seu governo. Eles não têm armas em suas mãos. No final, eles são corajosos e merecem ser ouvidos, ao contrário dos pobres/mal-nascidos/nacionalistas/militares – em outras palavras, inconvenientes – da esquerda ucraniana, que se recusam a ser vítimas confortáveis. Você sabe por que surgiu esta diferença entre a resistência esquerda ucraniana e a resistência anti-guerra russa? Porque não é a Rússia que está sob ataque imperial, e não é a oposição russa que está travando uma guerra defensiva pela autodeterminação.


Sei que faltam algumas reivindicações e mensagens ocultas. Algumas delas são tão obviamente besteiras para discutir, como “mas os EUA fizeram muito pior”, “Rússia socialista”, “regime nazista em Kiev”, “14000 civis, mortos pelo governo ucraniano”, “não seja tão emotivo”, “não há nada de bom para defender na Ucrânia” (sim, esta é uma verdadeira!). Há também alguns pontos que são muito dolorosos para que eu possa discutir agora.

Sei que o internacionalismo e a solidariedade prática não estão caindo aos pedaços pela primeira vez. Mas não se pode sequer abordar (novamente) sua reconstrução, ignorando o que está por trás das mensagens ocultas: ilusões idealistas, estruturas de desigualdade de poder político, correntes reacionárias e todas as outras merdas que permitem que tantos olhem para o lado diante do imperialismo russo e da luta ucraniana pela autodeterminação.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).