Como o Green New Deal se tornou a Lei de Redução da Inflação e perdeu sua alma
green-new-deal-01

Como o Green New Deal se tornou a Lei de Redução da Inflação e perdeu sua alma

Uma análise da derrota do Green Neal Deal nos Estados Unidos.

Matt Huber 22 ago 2022, 11:18

Via Socialist Call

Muitos estão anunciando a Lei de Redução da Inflação (Inflation Reduction Act -IRA), aprovada na última sexta-feira, como a maior medida de legislação climática na história dos Estados Unidos.

O IRA envolve US$ 369 bilhões em gastos climáticos, principalmente na forma de créditos fiscais para a produção privada de energia e incentivos ao consumidor para veículos e aparelhos elétricos. Isto representa um declínio gigantesco na ambição da lei original Build Back Better Act (BBB) de Biden, um projeto de lei que inicialmente envolveu US$ 6 trilhões em gastos, mas mais tarde foi reduzido para US$ 3,5 trilhões a fim de ganhar o apoio dos Democratas no Senado (o Green New Deal proposto por Bernie durante sua campanha presidencial primária totalizou US$ 16 trilhões). O BBB não só abordou o clima, mas também expandiu ambiciosamente o estado social com disposições como o cuidado infantil universal e a inclusão da oftalmologia e odontologia no Medicare – agora, todas essas reformas ambiciosas foram eliminadas.

Em termos de seu impacto climático, os modelos mais otimistas esperam que o IRA nos dê uma redução de 40% nas emissões de carbono, enquanto que não fazer nada nos daria 24-35%.

O IRA também pode ser visto como um ponto final de um emocionante movimento para um Green New Deal (GND). Esse movimento começou com a eleição de Donald Trump, em 2016, e culminou com uma explosão de vigor em 2019, e agora culminou com uma legislação que David Wallace-Wells, no The New York Times, afirma que representa “uma conquista histórica para o clima que resta e um tributo tanto ao seu fervor moral quanto ao seu realismo político”.

Esta legislação pode ser vista como uma reivindicação para o movimento GND? Embora o pacote certamente beneficiará empresas de energia, capitalistas ricos com alta carga tributária que podem tirar proveito dos créditos fiscais e pessoas da classe média que procuram comprar veículos elétricos e bombas de aquecimento, o pacote não consegue sistematicamente criar empregos e melhorar a vida da classe trabalhadora, como previa a resolução original do GND de 2019 proposta por Alexandria Ocasio-Cortez e Ed Markey.

Para ter certeza, o pacote exige que os capitalistas que investem na produção de energia limpa, se quiserem o crédito fiscal total, paguem os salários vigentes e sigam os padrões de aprendizagem e conteúdo interno; isso beneficiará os trabalhadores e sindicatos nestes projetos. O pacote também inclui US$ 60 bilhões para a justiça ambiental e US$ 27 bilhões para um Banco Verde que ajudará as famílias de baixa renda a financiar melhorias na eficiência energética e na eletrificação. (Uma disposição semelhante destinada a meios testados, “comunidades desfavorecidas” está criando um pesadelo de implementação no estado de Nova York, onde as comunidades ricas de alguma forma são rotuladas como “desfavorecidas”).

A legislação também cria uma abertura para a produção pública de energia através de uma disposição de “pagamento direto” que permite às entidades de poder público aproveitar os créditos fiscais, mas está muito longe do plano de Bernie Sanders de expandir massivamente a produção de energia de propriedade federal.

Isto não é nada parecido com o Green New Deal, que prometia Medicare para Todos, sindicalização em massa, garantia de empregos e propriedade pública da infra-estrutura de energia. Uma combinação da derrota de Bernie em 2020, a COVID parando o ativismo, e a neutralização efetiva do movimento GND por parte de Biden enfraqueceu o movimento em geral. Em 2020, a coalizão GND se dividiu em um campo liberal, que buscava “acesso” para empurrar Biden para a esquerda, e aqueles que pressionavam a justiça ambiental exigem. Além de uma valente mas fracassada campanha do DSA para vincular um Green New Deal ao poder sindical através da aprovação da Lei PRO, o movimento se afastou em grande parte de uma estratégia focada na construção da organização e do poder da classe trabalhadora.

O surgimento do Movimento Green New Deal

Em 2016, a eleição do negacionista climático Donald Trump mostrou as falhas e a incompetência da liderança neoliberal do Partido Democrata. Sobre o clima em particular, a total falta de progresso durante os oito anos do mandato de Barack Obama foi escandalosa.

Com a calamidade de Trump no cargo e a convicção de que “Bernie teria vencido”, as alas socialistas, progressistas e democráticas do Partido Democrata foram encorajadas. Sobre o clima, ficou claro que o movimento precisava de uma demanda semelhante ao “Medicare for All”: uma política simples, fácil de entender, que não só exigia o confronto com interesses capitalistas arraigados, mas também oferecia benefícios materiais a uma classe trabalhadora assolada pela Grande Recessão.

No outono de 2018, o Movimento Sunrise e a recém-eleita representante da Câmara, Alexandria Ocasio-Cortez, sentaram-se no escritório de Nancy Pelosi exigindo um Green New Deal. Os ativistas brandiram sinais com o slogan berniano “Empregos Verdes para Todos”. Combinado com um relatório aterrador do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática, esta ação direta catapultou o Green New Deal para o centro do palco como uma nova abordagem da política climática.

Contra os ajustes políticos tecnocráticos da era Obama – onde o debate parecia centrar-se em torno de qual política baseada no mercado era preferida, um imposto de carbono ou um limite de emissões – o Green New Deal parecia um impulso político que correspondia à escala da crise.

No entanto, o movimento se espalhou em 2020. Como chegou a esse ponto?

Ponto de virada nº 1 – Fevereiro de 2019: Um Lançamento Enganoso

Alguns meses após seu início, Alexandria Ocasio-Cortez e Ed Markey introduziram uma resolução do Green New Deal. Não era uma legislação específica, mas sim um documento de orientação destinado a moldar as primárias presidenciais democráticas de 2020. O lançamento apresentou uma blitz na mídia com AOC explicando a urgência das crises gêmeas de mudança climática e desigualdade com sua habitual clareza inspiradora.

Mas o lançamento apresentou o que parecia ser um documento de perguntas frequentes composto apressadamente, que foi um trabalho desastroso. Ele convidava ao escárnio da direita, oferecendo “segurança econômica para todos os que não podem ou não querem trabalhar”. Mencionava um objetivo a longo prazo de se livrar de “peidos de vacas e aviões”. Inútilmente, alegou que um GND “não incluiria a criação de novas usinas nucleares”, contrariando o consenso científico e a defesa dos cientistas do clima pelo contrário.

A Fox News e a direita anticlimática se apoderou do documento para dizer que o GND destruiria economicamente a sociedade, tiraria seus hambúrgueres e transferiria a riqueza dos trabalhadores e produtores para os preguiçosos. O que deveria ser uma nova abordagem da política ambiental caiu em tropas de guerra cultural.

Ponto de virada 2a – Março de 2020: Bernie Perde

Destemido, o movimento GND encontrou seu campeão em Bernie Sanders. Seu ambicioso Green New Deal de 16 trilhões de dólares levou a um endosso esmagador do movimento Sunrise durante sua campanha presidencial primária. Mas depois de derrotas esmagadoras na Super Terça-feira e em Michigan, Bernie desistiu no início de abril.

Uma vez que isso aconteceu, um GND realmente ambicioso – definido, por exemplo, pelo plano de Bernie de expandir maciçamente a TVA e outras empresas de produção de energia de propriedade federal – não iria acontecer.

No primeiro dia, líderes da Administração Biden como John Kerry e Janet Yellen insistiram que a crise climática era melhor resolvida pelo setor privado. Isto não deveria nos surpreender, já que o próprio Biden rejeitou o Green New Deal em sua campanha eleitoral geral.

Ponto de virada #2b – Março de 2020: COVID

A COVID encurtou o impulso do movimento global pela justiça climática, que passou 2019 mobilizando greves climáticas e outras manifestações. O Sunrise e o movimento GND não estavam imunes a isso, e combinado com a perda de Bernie, a pandemia truncou seu impulso e levou à confusão sobre como ajustar a estratégia.

Ponto de inflexão 3 – Verão 2020: A Força-Tarefa da Unidade de Biden

Mudando para o confronto eleitoral geral contra Trump, Biden convidou o AOC e o diretor executivo Varshini Prakash para participar de sua “Climate Unity Task Force”. Isto permitiu que os ativistas moldassem o plano climático de Biden, mas o Sunrise confundiu “acesso com poder” – afastando-se da organização da construção e do poder disruptivo em direção a uma estratégia interna para empurrar Biden para a esquerda. Relatórios recentes na Nova República mostram que os líderes do Sunrise receberam conselhos de John Podesta, membro do Partido Democrata prototípico.

Ponto de virada #4 – março de 2021: Aposta de Biden Sobre o Clima

Nos primeiros meses de 2021, Joe Biden não só anunciou metas ambiciosas como reduzir pela metade as emissões americanas até 2030 e descarbonizar totalmente a malha até 2035; ele também tinha todo o capital político do mundo. Ele foi ungido com o novo FDR, acolhendo uma era pós-neoliberal de gastos fiscais e de política industrial liderada pelo setor público.

Se houve um momento para Biden fazer jus à sua reivindicação de adotar uma “abordagem de todo o governo” à crise climática, foi este o momento. Ele poderia ter incluído os gastos com o clima em seu primeiro pacote de estímulo legislativo, “O Plano de Resgate Americano”, aprovado em março de 2021. Se ele tivesse emparelhado seus cheques de $1.200 com programas visíveis de obras públicas e empregos orientados para o clima, ele poderia ter começado a construir uma coalizão da classe trabalhadora que associasse melhorias na vida material com a ação climática.

Ele não o fez. Em vez disso, ele decidiu vincular a ação climática ao seu próximo item da agenda legislativa: infra-estrutura. Mas seu anunciado plano de infra-estrutura já projetava gastos muito aquém do que era necessário.

Neste ponto, estávamos muito longe do Green New Deal. O debate se afastou de emparelhar a ação climática com os ganhos da classe trabalhadora, e para a simples questão de quanto dinheiro Biden gastaria com o clima. A questão de que tipo de gasto, e a visão do Green New Deal de investimento liderado pelo setor público, simplesmente saiu do palco.

Os impulsionadores continuamente divulgariam os gastos maciços com o clima nas várias versões da conta de infraestrutura de Biden, mas quase tudo isso foi na forma de créditos fiscais destinados a atrair investimentos privados (embora incluíssem uma importante provisão de “pagamento direto” que finalmente permitiria às concessionárias públicas de energia tirar proveito dos incentivos de energia limpa).

Enquanto isso, quando ficou claro que a política climática enfrentaria uma longa luta pela legislação, os liberais e a comunidade de ONGs climáticas repetiram a estratégia fracassada de 2009: uma negociação legislativa interna em torno de uma solução política tecnocrática. Em 2009, foi a legislação neoliberal de controle de emissões, em 2021 foi o “Programa de Desempenho de Eletricidade Limpa”, destinado a estabelecer metas rigorosas de energia limpa com prazos e penalidades para as concessionárias que não cumprissem. Ambos evitaram um princípio central do GND: defender ganhos materiais visíveis da classe trabalhadora em nome da ação climática. Joe Manchin se desfez rapidamente do CEPP no outono de 2021.

Enquanto isso, o movimento mais radical de justiça climática se afastou da visão de bens públicos universais em direção a uma abordagem mais próxima das ONGs e exigências de “justiça ambiental” como garantir que 40% dos investimentos climáticos fossem para “comunidades da linha de frente” testadas em termos de recursos: as mais atingidas por desastres climáticos.

Resumindo, para citar a tripla formulação de Peter Camejo de como a política é feita, o movimento climático pós-2020 se dividiu em facções liberais e ultra-esquerdistas, contra o espírito original da “ação de massa” do GND.

Ponto de virada #5 – Verão 2021: O Clima Torna-se “Infra-estrutura Humana”

Em março de 2021, o amplo pacote de infraestrutura de Biden continha duas linhas – o Plano Americano de Emprego e o Plano Famílias Americanas – a primeira sobre infraestrutura “dura” como estradas, pontes e sistemas de energia, a segunda sobre política social, expandindo o bem-estar e a “economia de cuidados”.

Enquanto você pensaria que a morada natural do movimento climático estaria ao lado de empregos e infraestrutura, durante o longo verão das negociações a maioria das provisões climáticas foi deslocada para o projeto de lei de política social/social sob um novo nome – o Build Back Better Act (BBB). O projeto de lei de infra-estrutura “bipartidária” (BID) foi assim enquadrado como um reinvestimento na infra-estrutura existente de combustíveis fósseis como estradas, pontes e ferrovias (embora contivesse iniciativas de descarbonização menores).

Esta bifurcação fazia sentido porque o clima e a expansão do Estado social nunca atrairiam votos republicanos para superar o obstrucionismo. Assim, o plano era que os mais esquerdistas construíssem melhor para passar pelo processo de orçamento de reconciliação, precisando apenas de uma maioria de votos para passar.

Por um lado, esta foi uma mudança atrativa: o movimento climático foi emparelhado exatamente com a expansão do Estado-Providência que era central para a visão do GND. Por outro lado, esta bifurcação da agenda de infra-estrutura de Biden endureceu as tensões existentes entre aqueles que deveriam ter apoiado ambas as partes. Os ativistas do clima e outros progressistas facilmente ficaram para trás do Build Back Better Act, mas talvez os atores centrais em qualquer clima de “transição justa” – os sindicatos de trabalhadores industriais – abandonaram os progressistas e apoiaram verbalmente a aprovação do BID, independentemente de o BBB ter ou não chegado a bom termo (durante meses os progressistas insistiram que o BID não chegaria a uma votação a menos que o BBB também o fizesse).

O fiasco do BBB permitiu que a Biden neutralizasse efetivamente os ativistas progressistas. Aqueles que conhecem sua história e a dos democratas neoliberais deveriam saber que não iriam dar prioridade à BBB. Uma vez que a Bancada Progressiva permitiu que a votação prosseguisse sobre o BID, o BBB estava condenada.

Além disso, na época do BBB, o espírito GND tinha desaparecido. Os créditos fiscais para os ricos não iriam construir maiorias populares em torno da ação climática (ou seja, a teoria da mudança do GND). Um projeto de lei autônomo “climático” negociado com Manchin finalmente emergiu dos mortos na enganosamente chamada “Lei de Redução da Inflação”.


Portanto, aqui estamos nós. Biden tentará chegar a sua promessa de redução de 50% nas emissões com ações executivas adicionais, mas seu fracasso em declarar uma “emergência nacional” sobre os sinais climáticos indica que ele não está mais querendo ir em frente. Os democratas provavelmente perderão uma ou ambas as câmaras do Congresso neste outono, e até mesmo uma legislação climática leve provavelmente ficará fora da mesa por seis ou mais anos.

O Green New Deal é uma grande ideia se alguma vez o tentarmos. A resolução que foi ideologicamente transformada em proibições de hambúrgueres pelo moedor de carne da Fox News nunca foi uma legislação real que pudesse melhorar a vida da classe trabalhadora. Tudo o que podemos fazer agora é tentar construir a organização e o poder da classe trabalhadora que poderia ser capaz de realizar um programa desse tipo no final da linha.


TV Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti

O PL da Uber é um ataque contra os trabalhadores!

O projeto de lei (PL) da Uber proposto pelo governo foi feito pelas empresas e não atende aos interesses dos trabalhadores de aplicativos. Contra os interesses das grandes plataformas, defendemos mais direitos e melhores salários!

Greve nas Universidades Federais

Confira o informe de Sandro Pimentel, coordenador nacional de educação da FASUBRA, sobre a deflagração da greve dos servidores das universidades e institutos federais.
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 10 abr 2024

Musk é inimigo da liberdade

Os ataques do bilionário contra Alexandre de Moraes incentivam a extrema direita brasileira
Musk é inimigo da liberdade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 48
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão