Inelegibilidade de Bolsonaro: um passo importante na luta contra o golpismo
98A8ECAE-4896-4BCE-8093-82561BFE2CD7

Inelegibilidade de Bolsonaro: um passo importante na luta contra o golpismo

Para a deputada federal Fernanda Melchionna, “não é apenas uma questão legal, mas uma oportunidade para rejeitar o autoritarismo, combater a misoginia e fortalecer a democracia”.

Fernanda Melchionna 27 jun 2023, 12:34

Foto: Luiza Castro/Sul21

Via Sul 21

O julgamento que pode resultar na inelegibilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro tem despertado esperança e expectativa em todos nós que ansiamos por justiça e responsabilização do maior expoente do golpismo desde a redemocratização. Como deputada federal, ao lado dos movimentos sociais em defesa do meio ambiente, da ciência, da mulher, dos povos indígenas, dos negros e negras, travei uma luta diuturna contra Bolsonaro durante os quatro anos em que esteve no governo. Agora vejo a inelegibilidade como um grande passo na luta contra o golpismo.

No Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro relator Benedito Gonçalves e o subprocurador-geral eleitoral Paulo Gonet Branco abriram caminho para a condenação de Bolsonaro. Branco defendeu a inelegibilidade do ex-deputado por suas declarações durante o encontro com embaixadores estrangeiros, durante o qual atacou urnas eletrônicas, espalhou desinformação, minou a confiança no sistema eleitoral e promoveu informações falsas, sem apresentar provas. No entanto, o julgamento foi suspenso por decisão do presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes, e será retomado na terça-feira.

A iminente inelegibilidade de Jair Bolsonaro evoca questões essenciais que têm atravessado seu governo e sua passagem pela presidência. A trajetória de Bolsonaro no poder é marcada por um constante flerte com a ruptura autoritária e uma postura covarde. A ameaça representada pela minoria golpista que ele incitou no 8 de janeiro não pode ser subestimada. É preciso frear a ação dessa rede organizada de autoritários, que esboçam golpe desde as redes sociais, até os famosos acampamentos durante as eleições.

Além disso, é importante apontar o ódio às mulheres que é evidente na figura de Bolsonaro. Seu viés misógino e aversão por vozes femininas na política são amplamente conhecidos. A perseguição às mulheres de esquerda ao longo de seu governo é retomada no Congresso por seu partido. No mês passado, o PL apresentou denúncia ao Conselho de Ética da Câmara contra nosso mandato e o de outras cinco companheiras, do meu partido, o PSOL, e do PT. Essa ação revela a tentativa de silenciar nossas vozes, e cria um problema de representação política, visto que juntas somamos quase 1 milhão de votos.

É importante também destacar os ataques de Bolsonaro aos demais setores da sociedade, como os povos indígenas e a comunidade LGBTQIA+. Seu governo fez campanha e se elegeu em cima do antagonismo com os direitos desses grupos, promovendo políticas discriminatórias e retrocessos significativos. Além disso, a divulgação de notícias falsas e declarações irresponsáveis, inclusive sobre o nosso sistema de votação, minaram e ainda minam a confiança das pessoas nas nossas eleições.

Nesse contexto, ganha relevância o voto pela inelegibilidade de Bolsonaro. Esta não é apenas uma questão legal, mas uma oportunidade para rejeitar o autoritarismo, combater a misoginia e fortalecer a democracia. É fundamental que a sociedade brasileira exija investigações aprofundadas sobre o financiamento de atos golpistas e responsabilize quem comete crimes contra a saúde pública e nutre relações escusas com as milícias.

Queremos Bolsonaro na cadeia. E que figuras como ele não tenham lugar nas próximas eleições. A inelegibilidade de Bolsonaro é mais do que uma decisão política ou jurídica; esta é uma vitória das mulheres, da comunidade LGBTQIA+, dos povos indígenas e de todos aqueles que defendem a democracia e a justiça.


TV Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti

O PL da Uber é um ataque contra os trabalhadores!

O projeto de lei (PL) da Uber proposto pelo governo foi feito pelas empresas e não atende aos interesses dos trabalhadores de aplicativos. Contra os interesses das grandes plataformas, defendemos mais direitos e melhores salários!

Greve nas Universidades Federais

Confira o informe de Sandro Pimentel, coordenador nacional de educação da FASUBRA, sobre a deflagração da greve dos servidores das universidades e institutos federais.
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 10 abr 2024

Musk é inimigo da liberdade

Os ataques do bilionário contra Alexandre de Moraes incentivam a extrema direita brasileira
Musk é inimigo da liberdade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 48
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão