Uma opinião sobre o 8º Congresso do PSOL e sua repercussão
WhatsApp-Image-2023-10-02-at-11.27.55

Uma opinião sobre o 8º Congresso do PSOL e sua repercussão

A derrota da tentativa de golpe na proporcionalidade da direção e a agressão covarde contra um dirigente da esquerda do partido marcaram o Congresso

Leandro Fontes 2 out 2023, 11:13

1) Foi derrotada uma tentativa de golpe na proporcionalidade do partido, onde a maioria do PTL buscou controlar a presidência, a tesouraria e a fundação. Porém, devido a unidade entre o Bloco Democrático e de Esquerda com a Insurgência (que compõe o PTL), essa posição que rompia a democracia do partido não teve correlação de forças para se impor. De tal forma, a presidência da fundação partidária, Lauro Campos e Marielle Franco, será ocupada por quem tem direito pela proporcionalidade, isto é, pelo MES;

2) O Congresso foi tenso, polarizado e com forte atuação do aparelho da maioria sob parcelas dos delegados. Portanto, a independência frente ao governo de conciliação de classes de Lula e a democracia interna foram a essência da polarização. Sob as bases dessas polêmicas concretas residiu a reivindicação, por parte da esquerda do partido, do legado de Trotsky na luta contra o stalinismo e a deformação do bolchevismo, que, lamentavelmente, correntes que se reivindicam trotskistas, como a Resistência (oriunda do PSTU), ignoraram esse legado e capitularam sem hesitar as posições adesistas ao governo de conciliação de classes e antidemocráticas encabeçadas pelo grupo de Boulos e a Primavera Socialista, chegando ao ponto de votar na mesma resolução internacional que incluía em sua redação, a relação do PSOL com a Internacional Progressista;

3) Sobre a “troca de socos”, a verdade é que o Congresso foi acalorado, como são os congressos de um partido vivo e que atua na realidade, disputando setores da vanguarda militante e do movimento de massas. No entanto, até a implosão das defesas de resoluções, o que ocorreu foram discussões ríspidas. Mas, no marco do debate de ideias. O que viralizou nas redes da mídia e se tornou notícia na imprensa burguesa (como a imagem da matéria do Globo), foi a covarde agressão PELAS COSTAS de um militante da corrente Revolução Solidária, membro do gabinete do deputado federal Pastor Henrique Vieira, sob um dirigente fundacional do partido com 40 anos de militância dedicados a causa socialista. Assim sendo, o método lumpem e de gang (inaceitável em qualquer partido, sindicato, agremiação e associação), que também tentou ser aplicado no Congresso do PSOL/RJ, deve ser veementemente rechaçado do PSOL. Por isso, o que se espera de uma organização saudável e de dirigentes honestos, dentro das instâncias cabíveis, é a expulsão do agressor dos quadros de filiados do nosso partido. Essa medida é necessária para reestabelecer a política como fator determinante que atue nas divergências e nas convergências do PSOL.


TV Movimento

Desenvolvimento Econômico e Preservação Ambiental: uma luta antineoliberal e anticapitalista

Assista à Aula 02 do curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe nosso site para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br.

Neofascismo e Negacionismo Climático: uma luta internacional

Curso de formação política sobre emergência climática e luta ecossocialista! Assista à Aula 01 do novo curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe o site da PLCMF para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br

Contra a extrema direita na França!

Oliver Besancenot, militante do Novo Partido Anticapitalista (NPA), fala sobre as tarefas da esquerda e os desafios da luta contra a extrema direita no país
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 17 jul 2024

Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política

As próximas eleições municipais brasileiras serão uma etapa importante da luta contra a extrema direita
Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.