Privatização e municipalização assombram escolas públicas gaúchas
Municipalização

Privatização e municipalização assombram escolas públicas gaúchas

Governo Leite enviou à Assembleia Legislativa um pacote de medidas de desmonte, para ser votado em regime de urgência. Na Capital, proposta é fazer PPPs para reformas nas escolas

Tatiana Py Dutra 7 dez 2023, 09:00

Foto: Ascom Luciana Genro

Profissionais da educação pública gaúcha estão lutando contra um pacote de projetos enviados pelo governo Eduardo Leite (PSDB) à Assembleia Legislativa, em regime de urgência, para alterar leis referentes ao setor. Em audiência promovida pela Comissão de Educação do Legislativo, professores e estudantes apontaram que as propostas fazem parte de um processo de desmonte da escola pública. Os planos incluem municipalização do Ensino Fundamental, privatização, retirada de autonomia das escolas para a escolha de diretores  e enfraquecimento do Conselho Estadual de Educação, com redução de cadeiras de entidades e aumento da participação do governo.

Representando toda a oposição de esquerda ao governo (PSOL, PT e PCdoB), as deputadas estaduais Luciana Genro (PSOL), Sofia Cavedon (PT) e o deputado Jeferson Fernandes (PT) entregaram, na quarta-feira (6), um documento ao governo estadual pedindo a retirada do regime de urgência dos cinco projetos que tratam dessas questões. Eles pediram mais tempo para se dialogar sobre as propostas.

Neiva Lazzarotto, presidente do 39º Núcleo do Cpers/Sindicato, também questionou acerca da municipalização e dos prazos impostos pelo governo: 

“54% das prefeituras se manifestaram contrárias à municipalização. E se este processo vai começar em 2025, por que não podemos discutir os detalhes em 2024? Assim como as mudanças na direção das escolas, já que os mandatos das atuais diretoras encerram em dezembro do ano que vem”, apontou.

Luciana Genro questionou como os municípios conseguirão dar conta da grande demanda de novas escolas de ensino fundamental. 

“É gritante a falta de diálogo com as comunidades. Os municípios nem conseguem dar conta da educação infantil, como vão dar conta de mais escolas de Ensino Fundamental?”, perguntou .

A deputada  garantiu que os parlamentares irão intensificar a negociação e buscar conseguir mudanças que retirem os pontos mais problemáticos dos projetos, reforçando a importância da mobilização popular.

PPPs para escolas de Porto Alegre

Já na rede municipal de ensino de Porto Alegre, a mobilização é contra um projeto do prefeito Sebastião Melo (MDB) de entregar os cuidados com a infraestrutura das escolas de Educação Infantil a empresas, por meio de parcerias público privadas (PPPs). O vereador Roberto Robaina (PSOL), presidente da sigla no município, qualificou a ideia de repassar R$ 4 bilhões em 20 anos para terceirizadas como “absurda”.

“A proposta é muito controversa, não respeita a autonomia das direções e ainda abre um enorme espaço para empresas faturarem com os recursos da educação”, afirma.

Segundo o parlamentar, a preocupação das diretoras não vem do nada: “terceirizadas já foram um desastre na merenda e na limpeza das escolas”. Ao lado das diretoras e da presidente do Conselho Municipal de Educação, Aline Kerber, Robaina denunciou o caso ao Ministério Público de Contas.

“Não vamos tolerar mais esse escândalo na educação de Porto Alegre, já basta o evidente cartel que ocorreu na compra de materiais, fato denunciado na CPI. Chega de fazer da educação um negócio!”, pontua.

*Com informações da Ascom Luciana Genro


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.