A jornada continua: uma carta da prisão de Boris Kagarlitsky
qOVGMTabqlyFoEi-800x450-noPad

A jornada continua: uma carta da prisão de Boris Kagarlitsky

Kagarlitsky é mais um dos diversos prisioneiros políticos do regime de Putin acusado de “justificar o terrorismo” por se opor à invasão da Ucrânia

Boris Kagarlitsky 2 abr 2024, 11:11

Foto: Change.Org

Via Sin Permiso

O renomado sociólogo russo Boris Kagarlitsky foi condenado em 13 de fevereiro a cinco anos de prisão sob a acusação de “justificar o terrorismo”. Na verdade, seu único crime foi ter se manifestado contra a guerra da Rússia na Ucrânia.

Com seu último recurso agendado para o início de maio, a Campanha Internacional de Solidariedade a Boris Kagarlitsky lançou uma petição global pedindo sua libertação, juntamente com todos os outros presos políticos, que publicamos em nossa edição anterior. O Sin Permiso e a Revista Movimento incentivam todos os seus leitores a assinarem a petição.

Publicamos agora a primeira carta pública que Kagarlitsky enviou do Centro de Detenção nº 12 em Zelenogrado, onde está atualmente detido. Escrita para sua filha Ksenia, ela foi traduzida para o inglês por Renfrey Clarke a partir da versão original em russo publicada em Rabkor, sendo traduzida para o português. pela equipe da Revista Movimento.


Após retornar de Syktyvkar para Moscou, um jornalista que conheço me pediu para escrever algo sobre minhas experiências na prisão. A ideia me agradou e imediatamente comecei a trabalhar. Entretanto, depois de escrever cerca de quinze páginas, percebi que não tinha material suficiente para um livro completo. O problema logo se resolveu, quando o Leviathan garantiu que eu tivesse mais oportunidades de expandir meu conhecimento sobre a vida na prisão. A pedido do Ministério Público, um tribunal de apelação decidiu rever a sentença imposta em Syktyvkar e mais uma vez me colocou atrás das grades.

Minha última experiência na prisão acabou sendo diferente em muitos aspectos da anterior. Em pouco mais de um mês, passei por três prisões e cinco celas, antes de me instalar na minha “cela de longa permanência”, onde estou escrevendo estas linhas. O resultado é que conheci novas pessoas e tive acesso a um tesouro extremamente rico de material novo. Muitos pensamentos novos me ocorreram e estou escrevendo-os gradualmente (esses pensamentos nem sempre têm a ver com a vida na prisão, mas são obviamente influenciados pela minha experiência aqui). Tenho muitas oportunidades de refletir sobre filosofia e psicologia, mas as descobertas mais interessantes estão ligadas às mudanças que fui forçado a fazer de um lugar para outro.

Embora as regras da vida na prisão sejam basicamente as mesmas em todos os lugares, a prática real pode diferir bastante, não apenas de prisão para prisão, mas até mesmo de cela para cela. Em cada lugar, diferentes comunidades surgem, evoluem, se desintegram e se reformulam conforme as circunstâncias mudam. Há prisões grandes e pequenas, ricas e pobres, nas províncias e na capital. Os guardas podem ser amigáveis e até simpáticos, mas também podem ser cruéis. Os detentos são de vários tipos humanos, pertencentes a diferentes grupos culturais e classes sociais. Sempre há assunto para conversar, embora essas conversas nem sempre sejam agradáveis. Quando os prisioneiros são transferidos de uma prisão para outra, eles trocam informações sobre como eram as coisas em seu último lugar e o que esperar em uma nova instalação. O que mais interessa às pessoas, é claro, é a comida. Comer decentemente é um dos principais prazeres esperados na vida carcerária e, portanto, a qualidade da culinária da prisão é um tópico de discussão particularmente animado.

Quando cheguei a Zelenograd, por algum motivo, fui colocado em uma cela de quarentena, embora as duas semanas que passei em Kapotnya já fossem uma quarentena. O problema de estar em quarentena era que as pessoas de fora não podiam entrar em contato comigo. Eu não estava recebendo encomendas e meus três novos companheiros de cela estavam exatamente na mesma situação. Foi aí que ouvi falar do Centro de Detenção Provisória de Medvedkovo, onde, aparentemente, os prisioneiros são muito bem alimentados. Oh, que elogios ouvi dos cozinheiros dessa prisão durante minha estada na quarentena de Zelenogrado! O mingau daquele lugar! Quanta carne há na sopa! O tamanho das porções distribuídas no jantar! A julgar pelos comentários de meus companheiros de cela, aquela instalação merecia uma estrela Michelin.

Quando você chega a uma cela com geladeira e TV, começa a depender menos da cozinha da prisão e mais dos pacotes de comida e dos colegas de cela. Nem tudo é compartilhado e nem com todos, mas administrar as coisas em comum é, no entanto, bastante natural e razoável. Na cela em que eu estava em Kapotnya, fiquei impressionado com o fato de que os procedimentos democráticos estavam em vigor, com algumas questões decididas por votação e outras por consenso. No entanto, a comida não era propriedade comum; os detentos haviam sido divididos em vários grupos (no total, éramos de 13 a 15, com pessoas entrando e saindo constantemente), e dentro desses grupos os recursos eram compartilhados. Passei a ver isso como um tipo de anarco-socialismo, embora também houvesse individualistas. Por exemplo, um ex-diretor acadêmico que havia sido preso por corrupção. A geladeira estava cheia de seus suprimentos de comida, que ele não compartilhava com ninguém. Uma vez, é verdade, ele veio até mim e me ofereceu um pedaço de bolo. Fiquei surpreso e aceitei o presente com gratidão. Infelizmente, o motivo de sua generosidade ficou imediatamente claro: o bolo já estava vencido.

Aqui em Zelenograd a célula é menor e ninguém pensa em estabelecer procedimentos formais, muito menos em realizar votações. Entretanto, as comunidades informais inevitavelmente tomam forma e operam de acordo com suas próprias regras. O grau de solidariedade e ajuda mútua demonstrado aqui é visivelmente maior do que lá fora.

É claro que tive sorte. Fui colocado em uma cela com pessoas decentes, na medida em que isso é possível em tais condições. Mas talvez isso não seja tão surpreendente. Afinal de contas, a maioria dos detentos não são canalhas endurecidos, mas pessoas comuns que entraram em conflito com a lei, cederam a alguma tentação ou perderam o controle sobre suas circunstâncias. Quando fui colocado em minha cela em Kapotnya, um dos detentos, que estava lá há mais tempo que os outros, imediatamente me disse: “Você está aqui por assassinato, não é? Fiquei chocado. “Eu realmente pareço um assassino?” A resposta foi ainda mais inesperada do que a pergunta: “As pessoas que estão aqui por assassinato não premeditado são todas muito decentes, inteligentes e gentis”. Enquanto isso, a reputação dos prisioneiros políticos nem sempre é tão boa. “Alguns deles são excessivamente crédulos e, em geral, propensos à histeria”. Espero ter conseguido melhorar um pouco a reputação dos presos políticos aos olhos dos meus colegas de cela.

A prisão de Zelenograd, onde acabo de ser mantido, é pequena e tem recursos limitados. Isso fica evidente na quantidade e na qualidade da comida e no fato de que a instalação está cronicamente com falta de pessoal. Os guardas reclamam constantemente de tudo isso, ganhando a simpatia e a compreensão dos prisioneiros. Em geral, porém, a qualidade da comida da prisão deixa de ser um problema quando você é colocado em uma cela com geladeira. Nossa cela é particularmente afortunada; um dos presos se formou em um instituto de culinária e é confeiteiro de profissão. Ele comprou um forno para sua cela e todas as noites o local é inundado por aromas deliciosos.

Infelizmente, enquanto a geladeira pode se tornar uma fonte de emoções positivas, a televisão é o oposto. Curiosamente, esses dois aparelhos existem em uma espécie de unidade orgânica; ou você tem os dois ou não tem nenhum. Todos os dias, a televisão é inundada com propaganda que se torna um tipo de ruído de fundo do qual é difícil escapar mudando de canal: a mensagem é a mesma em todos os lugares. Entretanto, depois de um certo tempo, você desenvolve imunidade. A televisão também tem uma função positiva: ela permite que você saiba as horas.

A partir de conversas com meus companheiros de cela durante algumas semanas e, em alguns casos, apenas algumas horas, eu gradualmente compilei uma espécie de enciclopédia de tipos humanos e histórias de vida, a partir da qual, em algum momento, poderei escrever um bom livro. Entretanto, ainda será necessário resumir e trabalhar com toda essa experiência e conhecimento. É claro que espero poder fazer isso no exterior.

No momento, porém, estou simplesmente acumulando conhecimento. A jornada continua.

Zelenogrado, 25 de março de 2024


TV Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti

O PL da Uber é um ataque contra os trabalhadores!

O projeto de lei (PL) da Uber proposto pelo governo foi feito pelas empresas e não atende aos interesses dos trabalhadores de aplicativos. Contra os interesses das grandes plataformas, defendemos mais direitos e melhores salários!

Greve nas Universidades Federais

Confira o informe de Sandro Pimentel, coordenador nacional de educação da FASUBRA, sobre a deflagração da greve dos servidores das universidades e institutos federais.
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 10 abr 2024

Musk é inimigo da liberdade

Os ataques do bilionário contra Alexandre de Moraes incentivam a extrema direita brasileira
Musk é inimigo da liberdade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 48
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão