Labor Notes é o Coração e Alma de Esquerda no Sindicalismo Americano
2-uw-1350-d_0-jimwest_0

Labor Notes é o Coração e Alma de Esquerda no Sindicalismo Americano

Neal Meyer apresenta a Conferência do Labor Notes, que acontecerá neste fim de semana e reunirá uma ampla vanguarda de trabalhadores ativistas nos EUA

Neal Meyer 16 abr 2024, 11:00

Este artigo escrito por Neal Meyer apresenta a Conferência do Labor Notes nos EUA que acontecerá neste fim de semana e reunirá uma ampla vanguarda de trabalhadores ativistas nos EUA. A conferência acontecerá num momento chave, após a greve vitoriosa do setor automobilístico nos EUA que desafiou as 3 maiores empresas do setor, num momento de luta em defesa da Palestina e no mesmo ano do processo eleitoral em que Trump novamente concorrerá à presidência no qual a extrema direita mundial se apoiará. Para acompanhar a conferência do Labor Notes, Mariana Riscali da Executiva Nacional do PSOL, do Secretariado Nacional do Movimento Esquerda Socialista e Diretora Executiva da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco se dirige a Chicago fortalecendo o internacionalismo da classe trabalhadora no centro do capitalismo mundial. 

Por 45 anos, a revista e projeto organizacional Labor Notes tem sido o coração e a alma de esquerda no sindicalismo dos EUA. Durante anos, foi pequeno e combativo. Mas hoje, o projeto é o ponto de encontro e referência para milhares de sindicalistas radicais que estão dando grandes passos para mudar o sindicalismo nos EUA. Quando 4.500 desses delegados sindicais, ativistas sindicais, funcionários sindicais locais e organizadores de esquerda se reunirem em Chicago neste próximo fim de semana, será um evento importante. Isso não é apenas porque a energia nos EUA se voltou para o movimento sindical e organização no local de trabalho. É também por causa do trabalho árduo de uma geração de ativistas sindicalistas e socialistas para fortalecer o Labor Notes e desempenhar um papel fundamental em um período como esse.

A Situação dos Trabalhadores nos EUA

Em 2024, as duas lutas que primeiro vêm à cabeça nas mentes de todos os socialistas dos EUA são a campanha de solidariedade com a Palestina contra a guerra genocida de Israel e o crescente movimento sindical. Ambos estão intimamente conectados. Um movimento sindical muito mais forte — que já se manifestou nos EUA em seus apelos por um cessar-fogo — seria capaz de ajudar a deter a máquina de guerra dos EUA e seu apoio ao regime de apartheid de Israel. E um movimento sindical forte em uma economia globalizada é impensável sem solidariedade internacional. A luta pela Palestina e a luta pelos direitos dos trabalhadores nos EUA fazem parte da mesma luta.

No front dos locais de trabalho, este é um ano emocionante. Grandes lutas contratuais para trabalhadores dos correios, professores em grandes cidades como Chicago e Filadélfia, trabalhadores do cinema e TV, trabalhadores portuários e trabalhadores aeroespaciais estão todos vencendo, o que significa que os EUA podem ser abalados por mais grandes greves que se basearam nas greves de 2023. Uma grande campanha de sindicalização está em andamento em todo os EUA para organizar trabalhadores automotivos não sindicalizados em empresas como Mercedes e Volkswagen. Milhares já se inscreveram para dizer que desejam o United Auto Workers (UAW), que está organizando a campanha. A campanha é impulsionada pela luta bem-sucedida do ano passado para melhorar as condições de trabalho nas três grandes empresas automobilísticas (Ford, General Motors e Stellantis) e pela nova liderança renovadora e militante à frente da UAW (E esperamos descobrir se a campanha garantirá sua primeira grande vitória na Volkswagen, no Tennessee, neste próximo fim de semana na conferência Labor Notes, o que será um momento muito emocionante.) Trabalhadores estão se organizando no Starbucks, Amazon e em outros lugares também. Novas organizações e a vitória de novas lideranças renovadoras em sindicatos nacionais e locais estão se combinando de uma forma realmente poderosa.

Não há nenhuma discordância sobre o foco principal da esquerda nos EUA ser ajudar a impulsionar esse novo levante sindicalista. É um retorno bem-vindo à política de classe, após anos de teóricos e ativistas minimizando a importância de se organizar ao lado da classe trabalhadora no local de trabalho. A esquerda pós-moderna proclamou a “morte da política de classe”, mas as últimas décadas mostraram que você não pode ter uma política socialista sem líderes sindicalistas e ação no local de trabalho, e os próprios trabalhadores estão mostrando que estão prontos para lutar. Greves, campanhas sindicais e marchas contra o patrão voltaram à agenda. Ainda há um longo caminho a percorrer antes que os EUA tenham um movimento sindicalista próspero e em crescimento, mas os sinais até agora são bons. E seria uma mudança de jogo se isso acontecesse. A extrema direita nos EUA fez grandes avanços desde que os sindicatos foram derrotados na década de 1970. Muitos trabalhadores abandonaram a política, e alguns se juntaram à direita. Um sindicalismo combativo e dinâmico poderia alterar isso — fortalecendo os sindicatos e também o poder político dos trabalhadores. Uma nova geração de trabalhadores — majoritariamente mulheres e com grandes setores de negros, pardos, imigrantes e pessoas queer — poderia mudar fundamentalmente a política dos EUA para melhor.

Labor Notes, uma Breve História

O Labor Notes foi fundado em 1979 por quadros do International Socialists, um grupo com raízes na ala heterodoxa trotskista da esquerda dos EUA (em particular o escritor e ativista de esquerda Hal Draper) e conectado à Nova Esquerda. O IS era uma força pequena, mas importante, no movimento de jovens de esquerda que deixaram o ativismo universitário para conseguir empregos nas grandes indústrias da época, incluindo automóveis e transporte rodoviário. O IS publicava o jornal Workers’ Power, que esperava atrair os ativistas da classe trabalhadora com os quais estava em contato para a política socialista.

No entanto, a rebelião sindical da base trabalhadora dos anos 1970 foi interrompida quando as economias dos EUA e globais foram dramaticamente reorganizadas. Grandes fábricas nos EUA fecharam, sindicatos entraram em colapso, e os radicais do IS perderam seus empregos industriais. Ao mesmo tempo, os ativistas do IS começaram a pensar mais seriamente sobre o trabalho de longo prazo necessário para convencer os trabalhadores a aderirem à política socialista — e como alcançar outros em outras tradições políticas. Foi por isso que fundaram o Labor Notes, que seria uma publicação e rede não-sectária. Seria uma publicação intersindical que reuniria trabalhadores organizando-se em seus locais de trabalho para construir sindicatos fortes e democráticos que lutariam contra o patrão.

Não foi um momento fácil para fazê-lo. Os líderes sindicalistas dos EUA, que eram muito burocráticos e centralizados, estavam especialmente conservadores e avessos ao risco, à medida que as grandes fábricas e locais de trabalho que há muito consideravam suas bases desapareciam. No entanto, o Labor Notes não tinha medo de defender desafios de baixo para cima contra lideranças sindicalistas conservadoras. Muitas lideranças renovadoras nos sindicatos estiveram em contato próximo com a rede Labor Notes.

Através de uma mistura de treinamentos práticos sobre como desafiar patrões, como se organizar em torno de queixas, montar uma campanha contratual, organizar um piquete e navegar no sistema jurídico trabalhista dos EUA, o Labor Notes armou uma nova geração de ativistas sindicais com as ferramentas necessárias para sobreviver e começar a reagir. Suas publicações e projetos maiores, incluindo o importante livro de 1983 de Jane Slaughter, Concessions and How to Beat Them, e a crítica sustentada do grupo às técnicas de gestão dos anos 1980 conhecidas como “produção enxuta” e “conceito de equipe”, foram grandes contribuições também. E através de suas conferências populares realizadas a cada dois anos, o Labor Notes começou a construir uma rede de ativistas sindicais entre o que chamava de “causadores de problemas” do movimento dos trabalhadores dos EUA. Essas conferências, que costumavam atrair centenas de pessoas, agora regularmente reúnem milhares de ativistas de todo os EUA.

O foco das conferências é principalmente a construção de habilidades e compartilhamento de lições — resoluções e debates são evitados e discussões sobre política fora dos sindicatos e locais de trabalho, para melhor ou pior, são menos centrais. Isso reduz o risco de posturas sectárias e brigas, o que sem dúvida é uma razão para seu sucesso em construir uma grande rede. O mais importante é que líderes sindicais podem se encontrar e construir relacionamentos mais fortes, e líderes mais novos na política além do local de trabalho têm a chance de interagir com ativistas de esquerda. Nos últimos anos, a conferência se abriu para uma variedade de ideias de esquerda que vão desde políticas progressistas atê socialistas democráticas. Com uma onda de renovações varrendo o movimento sindical dos EUA, cada vez mais líderes sindicais eleitos com uma perspectiva mais militante e democrática também se juntaram. Em 2022, Bernie Sanders foi um palestrante convidado, assim como os presidentes do Sindicato dos Professores de Chicago e dos Teamsters. Grupos como o Democratic Socialists of America (DSA) e algumas outras organizações socialistas e anarquistas também realizam eventos paralelos. Ativistas sindicais internacionais com políticas radicais frequentemente participam.

Labor Notes em 2024

O encontro de 2024 do Labor Notes será uma das maiores conferências até o momento — com 4.500 participantes (e outros 1.500 em lista de espera porque o hotel está com capacidade máxima). Milhares de ativistas vão chegar em Chicago. Grandes painéis e discussões vão se concentrar em: organizar trabalhadores na Amazon, a campanha do UAW para sindicalizar a indústria automobilística nos estados do sul, como transformar a indústria de saúde, aprender com a história dos ativistas negros que trabalham no movimento sindical, relatos sobre o progresso feito para tornar o UAW um sindicato combativo e lições sobre como construir greves maiores e mais eficazes.

Tendências renovadoras importantes nos grandes sindicatos, como o Teamsters for a Democratic Union e o Unite All Workers for Democracy (o grupo de renovação do UAW), vão realizar encontros. O prefeito progressista do Partido Democrático de Chicago, Brandon Johnson, vai dar um discurso de boas-vindas e o presidente do UAW, Shawn Fain, vai encerrar a conferência no domingo à tarde. Haverá mais de 30 reuniões especiais para trabalhadores em diferentes indústrias — de companhias aéreas a construção civil, portos e automobilística, saúde e setor público e logística — e com focos específicos — de solidariedade com a Palestina à organização de trabalhadores negros e latinos. Convidados internacionais do Brasil, França, Japão, México, Honduras, Nigéria, Coreia do Sul, China e outros também estarão na conferência para compartilhar lições e construir solidariedade internacional.

Muitos dos socialistas na conferência, incluindo muitos membros do DSA e do meu grupo, a tendência Bread and Roses, são apoiadores do que chamamos de estratégia de base, the rank-and-file strategy. Para nós, a conferência é um evento-chave porque ajuda a fortalecer as forças de baixo para cima no movimento sindical. Ao reunir milhares de delegados sindicais e ativistas trabalhadores de cada grande indústria nos EUA, o Labor Notes nos aproxima de ter uma corrente real dentro do movimento sindical de líderes e organizadores da classe trabalhadora. Esses líderes e organizadores são a verdadeira “vanguarda” (ou como chamamos, a “minoria militante”) da luta de classes nos EUA. Esperamos que sejam o núcleo de qualquer futuro partido socialista nos EUA. É nosso trabalho encontrá-los, aprender com eles e descobrir como construir organizações socialistas que sejam relevantes, úteis e importantes para eles.

De forma crítica, a conferência também será um ponto de partida para os próximos dois anos de luta dos trabalhadores e do movimento. A ameaça de um segundo mandato de Donald Trump, que poderia nomear oficiais anti-trabalhadores de extrema direita para órgãos e tribunais trabalhistas e tornar muito mais difícil organizar sindicatos, estará na mente de todos. Caberá ao movimento trabalhista e às organizações de esquerda como o DSA e outras liderar uma verdadeira defesa dos direitos dos trabalhadores e dos direitos de pessoas racializadas, imigrantes, mulheres, pessoas queer e mais. Caberá a esses grupos também mudar da defesa para o ataque, enquanto tentamos reconstruir o poder dos movimentos e o projeto socialista em um terreno hostil. Muitos dos organizadores-chave e forças importantes nessas lutas futuras estarão em Chicago neste fim de semana. E é graças ao trabalho árduo dos organizadores socialistas e de esquerda que vêm construindo o Labor Notes há décadas que sua conferência sediará um encontro tão importante.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 16 maio 2024

Tragédia no RS – Organizar as reivindicações do movimento de solidariedade

Para responder concretamente à crise, é necessário um amplo movimento que organize a luta pelas demandas urgentes do estado
Tragédia no RS – Organizar as reivindicações do movimento de solidariedade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 49
Nova edição traz o dossiê “Trabalho em um Mundo em Transformação”
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Nova edição traz o dossiê “Trabalho em um Mundo em Transformação”