A instrumentalização da calúnia do “antissemitismo”
encampments_1

A instrumentalização da calúnia do “antissemitismo”

O lobby israelense desenvolve uma nova etapa na perseguição de ativistas pró-Palestina nas universidades norte-americanas

Against the Current 19 maio 2024, 10:16

Foto: ADL

Via International Viewpoint

ENQUANTO O HORROR da guerra genocida entre Israel e os Estados Unidos contra Gaza continua sem trégua ou resolução à vista, houve apenas um desenvolvimento realmente esperançoso: o afloramento do ativismo pró-palestino em muitas comunidades dos EUA, principalmente o magnífico movimento nos campi universitários organizados em acampamentos que exigem um cessar-fogo permanente imediato e o desinvestimento de empresas ligadas à máquina de Israel de massacre e limpeza étnica do povo palestino.

Devido à autoridade moral e ao poder desse movimento diante de um massacre monstruoso financiado pelo dinheiro dos impostos dos EUA, não é de surpreender que ele tenha sofrido ataques de várias direções, inclusive represálias da administração do campus e ações violentas da polícia contra estudantes e professores simpatizantes.

Queremos nos concentrar aqui em uma calúnia específica contra o movimento: que ele é “antissemita” ou defende o “genocídio do povo judeu”. Essa mentira é repetida incessantemente em grande parte da mídia, no espetáculo das audiências do Congresso e, agora, na legislação que exige escritórios de “vigilância do antissemitismo” nas universidades e, é claro, nos grupos de lobby “pró-Israel” liderados pela AIPAC (America Israel Political Affairs Committee) e pela Anti-Defamation League.

Grande parte da histeria no Congresso e na mídia é impulsionada por elementos MAGA* de extrema direita que, é claro, tiveram pouco a dizer sobre os manifestantes supremacistas brancos que carregavam tochas e diziam “os judeus não nos substituirão” em Charlottesville, Virgínia, em 2017. Na verdade, isso faz parte de uma campanha republicana mais ampla para desacreditar e, em última análise, esmagar qualquer expressão progressista na educação universitária, especialmente nas artes liberais.

A acusação de “antissemitismo” contra a solidariedade com a Palestina é um acréscimo oportunista conveniente aos alvos existentes, como programas de inclusão de diversidade e igualdade, teoria crítica da raça, estudos de gênero, qualquer coisa “ woke” e outras ameaças percebidas ao que a direita considera como civilização ocidental. Não por coincidência, também é um pretexto para abrir grandes brechas nas proteções da liberdade de expressão e para expurgar as instituições acadêmicas.

Isso inclui uma iniciativa para literalmente criminalizar slogans como “Palestina livre, livre” e “Do rio ao mar, a Palestina será livre”. (Ninguém propõe proibir a declaração do partido governista Likud de Israel e do primeiro-ministro Netanyahu, “do rio ao mar, soberania israelense total”). Independentemente do que essas frases possam significar para pessoas diferentes em lugares diferentes, não há desculpa para proibi-las como discurso de ódio ou “genocídio do povo judeu”.

Nesse clima, é necessário defender o ativismo de solidariedade à Palestina e declarar claramente o que é – e o que não é – antissemitismo. O antissemitismo é uma ideologia de ódio e desprezo pelos judeus, como povo e como indivíduos. Embora tenha raízes seculares no fanatismo religioso, nos últimos 150 anos, aproximadamente, começando na Europa, o antissemitismo assumiu a forma de uma teoria racial pseudocientífica. Como todas as formas de racismo, ele é irracional e, no caso específico do antissemitismo, atribui aos judeus vários esquemas para controlar as finanças, a política, a mídia etc.

Em suas formas mais extremas, é claro, a ideologia e o mito antissemitas alimentaram o mecanismo de extermínio nazista que quase acabou com a vida judaica em grande parte da Europa. Em níveis menos visíveis, ele persiste e tende a surgir em momentos em que o racismo em geral levanta sua cabeça feia – como, por exemplo, nos Estados Unidos, na reação contra os negros após a eleição do presidente Obama e a ascensão de Donald Trump.

O antissemitismo como um conjunto de estereótipos raciais antijudaicos não deve ser confundido com a análise crítica do Estado israelense. Os “crimes de apartheid e perseguição” de Israel (como são chamados pela Anistia Internacional e pela Human Rights Watch) contra o povo palestino não são mais imunes ao escrutínio do que os dos Estados Unidos no Vietnã e no Iraque, da Rússia na Ucrânia ou da China contra o povo uigur, da campanha Hindutva do governo indiano contra os muçulmanos etc. A alegação ideológica de Israel de agir como o “Estado-nação do povo judeu” busca falsamente – e perigosamente – tornar todos os judeus responsáveis por seus atos criminosos.

Nessas condições, e com as atrocidades genocidas transmitidas ao vivo em Gaza aumentando a cada dia, pode ser surpreendente e encorajador que tenham ocorrido tão poucos incidentes antissemitas de fato. Mais desses incidentes ocorreram fora do campus do que dentro dele, como a reunião dos Proud Boys perto de Columbia ou um discurso de ódio do lado de fora do portão. (Um organizador de um protesto no campus que falava em “matar sionistas” foi imediatamente repudiado).

No caso notório da Northeastern University, em Boston, a administração chamou a polícia para o campus depois que foi relatado o canto “Kill the Jews” (matem os judeus) – que as imagens de vídeo mostraram vir de um aparente contra-manifestante carregando uma bandeira israelense.

Houve muito mais ataques físicos e ameaças contra palestinos, árabes e muçulmanos do que contra estudantes judeus. Todos eles, é claro, são cruéis e absolutamente inaceitáveis no campus ou em qualquer outro lugar. Os ataques a estudantes judeus são moralmente repugnantes e prejudiciais ao movimento de solidariedade à Palestina.

No entanto, é importante enfatizar uma observação feita pela professora da Columbia e da Barnard, Nadia Abu el-Haj, que também foi alvo de campanhas de difamação sionistas durante sua carreira acadêmica. Todos no campus, afirma ela, têm o direito absoluto de estar seguros. Isso não dá a ninguém o direito de impedir discursos ou protestos só porque não se sentem seguros.

Na verdade, parte do objetivo do ataque da direita – acompanhado de forma deplorável por grande parte do establishment liberal de centro – à luta pró-Palestina no campus tem como objetivo fazer com que os judeus se sintam inseguros. Armar a insegurança dos judeus dessa forma, como uma ferramenta contra uma luta antigenocídio, pode ser visto como uma manipulação do antissemitismo.

O verdadeiro antissemitismo está aumentando nos Estados Unidos atualmente? Provavelmente sim (embora, infelizmente, as estatísticas outrora úteis compiladas pela ADL agora não sejam mais confiáveis, pois ela atua como um posto avançado de propaganda e inteligência do Estado israelense). Ele precisa ser combatido com firmeza, juntamente com todas as outras expressões de racismo. Isso não deve ser confundido com a denúncia do que deve ser entendido, novamente, como o genocídio conjunto entre Israel e EUA na Palestina.

Aqui está a Declaração da Concerned Jewish Faculty Against Antisemitism.

* “Make America Great Again”, slogan dos apoiadores de Donald Trump.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Paula Kaufmann | 16 jun 2024

O outono feminista em defesa do aborto legal

A luta contra o retrocesso representado pelo PL do aborto coloca o movimento de mulheres novamente nas ruas
O outono feminista em defesa do aborto legal
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.