Por que não celebrar o 13 de Maio?
centenário

Por que não celebrar o 13 de Maio?

A “libertação” dos 4,9 milhões de escravizados não garantiu a eles ou a seus descendentes condições reais de participação na sociedade

Tatiana Py Dutra 13 maio 2024, 16:31

Foto: X/Reprodução

Por muitas décadas, o 13 de maio foi celebrado no Brasil como Dia da Abolição da Escravatura – um ato de benevolência da Princesa Isabel que, em 1888, assinou a Lei Áurea. Porém, desde 1980, a data é considerada pelo movimento negro como Dia Nacional de Luta contra o Racismo. O objetivo é relembrar os brasileiros de que a “libertação” dos 4,9 milhões de escravizados não garantiu a eles ou a seus descendentes condições reais de participação na sociedade. Por isso, muitos se referem à efeméride como “Dia da Falsa Abolição”.

Há discussões antigas e contemporâneas que se podem pautar o 13 de maio, como a criação do mito da “Isabel Redentora” para apagar toda a trajetória de luta dos próprios escravizados por sua libertação. Herois como Zumbi dos Palmares Dandara, e abolicionistas como, Luís Gama até hoje não foram devidamente reconhecidos como protagonistas desse processo, o que se pode considerar mais uma face do racismo em n Brasil.

A Lei Áurea foi um ato político ante a pressões econômicas externas de países como a Inglaterra, que desejavam ampliar a mão de obra paga para fortalecer a economia. De qualquer modo, o documento assinado pela princesa não atendeu ao desejo dos europeus, uma vez que apenas fez cessar o direito de posse de um ser humano sobre o outro. Não houve reparação ou auxílio aos libertos, deixados sem emprego, sem moradia ou qualquer condição básica de sustento, sofrendo toda a sorte de perseguições e preconceitos. A intolerância racial ainda permitiu que, por décadas, os libertos fossem considerados criminosos em potencial e fossem submetidos a torturas semelhantes às da senzala.

Sem pensar muito, chegaremos a conclusão de que 136 anos depois, a situação não mudou muito. Os descendentes dos libertos ainda são os mais vulneráveis na disputa por dignidade econômica e social, sendo as principais vítimas da violência do estado.

Segundo o  Atlas da Violência, publicado pelo  Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em dezembro passado, em 2021, 79% de todas as vítimas de homicídios no Brasil eram negras. 

O Atlas também aponta que a taxa de homicídios para mulheres negras cresceu 0,5% no país entre 2020 e 2021. No mesmo período, houve redução de 2,8% para as mulheres não negras, que incluem brancas, amarelas e indígenas. De acordo com o estudo Pele Alvo: a Bala não Erra o Negro, realizado pela Rede de Observatórios da Segurança, do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec) o número de pessoas mortas pela polícia em apenas oito estados brasileiros chegou a 4.219 em 2022. Desse total, 2.700 foram considerados negros (pretos ou pardos): 65,7% do total. 

O relatório da Pnad Contínua: Educação 2023, divulgado em março pelo IBGE, mostra que só 48,3% da população negra no Brasil conseguiu concluir o ensino médio. Conforme o levantamento, a média para brancos é de 61,8%, enquanto a do país é de 54,5%. 

Os negros ainda são maioria na prestação de serviços domésticos e recebem remuneração mais baixa. As mulheres negras são as maiores vítimas de violência obstétrica. As comunidades quilombolas são, junto com as indígenas, as maiores vítimas de violência e morte no campo de norte a sul. 

Opressão, da pobreza extrema, discriminação e criminalização foi o que Isabel legou à nossa raça. 

E é por isso que resistimos. Para garantir acesso aos direitos básicos, políticas públicas que promovam igualdade racial no trabalho, no acesso e permanência à educação de qualidade e na representatividade nos espaços de poder.


TV Movimento

Palestina livre: A luta dos jovens nos EUA contra o sionismo e o genocídio

A mobilização dos estudantes nos Estados Unidos, com os acampamentos pró-Palestina em dezenas de universidades expôs ao mundo a força da luta contra o sionismo em seu principal apoiador a nível internacional. Para refletir sobre esse movimento, o Espaço Antifascista e a Fundação Lauro Campos e Marielle Franco realizam uma live na terça-feira, dia 14 de maio, a partir das 19h

Roberto Robaina entrevista Flávio Tavares sobre os 60 anos do golpe de 1º de abril

Entrevista de Roberto Robaina com o jornalista Flávio Tavares, preso e torturado pela ditadura militar brasileira, para a edição mensal da Revista Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 16 maio 2024

Tragédia no RS – Organizar as reivindicações do movimento de solidariedade

Para responder concretamente à crise, é necessário um amplo movimento que organize a luta pelas demandas urgentes do estado
Tragédia no RS – Organizar as reivindicações do movimento de solidariedade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 49
Nova edição traz o dossiê “Trabalho em um Mundo em Transformação”
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Nova edição traz o dossiê “Trabalho em um Mundo em Transformação”