Nova edição da Revista Movimento já está disponível
WhatsApp-Image-2024-06-12-at-17.46.53

Nova edição da Revista Movimento já está disponível

A edição de junho, “Transviando o Marxismo – O Socialismo e as LGBT+” já está disponível para assinantes em nossa loja virtual

Camila Souza 13 jun 2024, 11:36

Abaixo disponibilizamos a apresentação da edição de junho da Revista Movimento, “Transviando o Marxismo – O Socialismo e as LGBT+”, disponível para assinantes em nossa loja virtual. Por apenas R$20 mensais você receberá as edições virtuais mensais e quatro revistas impressas por ano, além de todo acervo anterior da nossa revista e acesso livre ao curso Hegel e a Dialética, com duração de 12h. Assine a Revista Movimento e colabore com esse projeto de mídia independente e anticapitalista!


Apresentação

            A equipe editorial da Revista Movimento vem se esforçando para produzir mensalmente dossiês temáticos que permitam a exposição, formulação e debate de ideias úteis à práxis militante. Para o mês de junho, fomos procurados pela militância LGBTQIA+ do Movimento Esquerda Socialista (MES), organização política fundadora do PSOL. Como sabem, o mês de junho é conhecido como o Mês do Orgulho LGBTQIA+ em todo o mundo. Isso tem suas raízes nos eventos históricos que ocorreram em junho de 1969, especificamente na Revolta de Stonewall, uma série de manifestações fortes  e espontâneas iniciadas na madrugada do dia 28 daquele mês, que ocorreram em resposta a uma batida policial no Stonewall Inn, um bar gay localizado no bairro de Greenwich Village, em Nova York. O Mês do Orgulho serve, portanto, como um lembrete poderoso da importância da luta contínua por direitos e dignidade para todas as pessoas, independentemente de sua orientação sexual ou identidade de gênero.

Esta edição começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe  a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação. Antes de avançar, creio que cabe aprofundar no significado do pajubá.

O pajubá (ou bajubá) é um socioleto comum entre a comunidade LGBTQIA+, especialmente pela influência da travestilidade, identidade que guarda profunda relação com grupos étnicos da África Ocidental, de onde foram sequestradas a maioria das pessoas escravizadas no Brasil. Pelo candomblé, várias palavras oriundas de idiomas daquelas nações foram preservadas e fundidas com o português. Pajubá significa “fofoca”, “novidade”, “notícia”. Na cultura LGBTQIA+, é uma forma debochada de falar sobre a vida cotidiana. Com a perseguição social e institucional à comunidade LGBTQIA+, tornou-se também uma ferramenta de resistência, uma forma de falar entre si. Pajubá se torna, então, subversão das normas, identidade coletiva, reconhecimento do protagonismo travesti e negro na própria constituição da comunidade das LGBTQIA+ brasileiras.

A publicação segue com uma entrevista inspiradora com Fábio Felix, intitulada Nossa auto-organização deve continuar, conduzida por Higor Andrade e Tamires Arantes. Fábio Felix é militante e carrega o feito de ser o deputado distrital mais votado da história do DF. Ele compartilha sua visão sobre a importância da auto-organização dentro do movimento LGBTQIA+, destacando os desafios e as conquistas dessa conjuntura de enfrentamento à extrema direita.

Felipe Maiello, em A diferença entre os diferentes: a relação da classe social na população homossexual masculina, investiga as dinâmicas de classe que permeiam a comunidade homossexual masculina, oferecendo uma análise crítica sobre como a posição socioeconômica influencia as experiências individuais e coletivas.

Em Direito à educação: o alfabeto LGBTQIA+, a Professora Sara Azevedo discute as barreiras e os avanços no acesso à educação para a população LGBTQIA+, enfatizando a necessidade de políticas inclusivas e a valorização da diversidade dentro do sistema educacional.

A vereadora do PSOL de São Paulo Luana Alves e a ex-deputada federal do PSOL do Pará  Vivi Reis, em A demarcação racial e de gênero no movimento LGBTQIA+, exploram como as questões raciais e de gênero se entrelaçam dentro do movimento LGBTQIA+, apontando para a importância de uma abordagem interseccional na luta por direitos.

Fervo também é luta: Bloco Maria Sapatão organizado para fazer revolução, escrito por Isabella Netto, Lilian Bonfim e Dani Rocha, celebra a resistência cultural e política encarnada pelo Bloco Maria Sapatão em Guarulhos, no estado de São Paulo. O texto mostra como a organização do bloco também podem ser instrumentos poderosos de trabalho de base na luta pela transformação social.

A edição se encerra com uma resenha de Lucci Laporta sobre o filme Pride, uma história real de Orgulho e Esperança, que narra a aliança histórica entre a comunidade LGBTQIA+ e os mineiros em greve na Inglaterra dos anos 1980. Antes de concluir, nossa capa, feita por Vittorio Audi, é uma releitura da obra Convite para o Dia do Orgulho Gay/Lésbico no New York Palladium, de Keith Haring e contamos ainda com uma charge de Vittorio e Pedro Micussi.

Esta edição é mais do que um conjunto de textos, é um chamado à ação e à reflexão, uma plataforma para o fortalecimento das lutas LGBTQIA+ sob uma perspectiva marxista, e um convite para todes que acreditam em um mundo mais justo e igualitário.


TV Movimento

Desenvolvimento Econômico e Preservação Ambiental: uma luta antineoliberal e anticapitalista

Assista à Aula 02 do curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe nosso site para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br.

Neofascismo e Negacionismo Climático: uma luta internacional

Curso de formação política sobre emergência climática e luta ecossocialista! Assista à Aula 01 do novo curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe o site da PLCMF para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br

Contra a extrema direita na França!

Oliver Besancenot, militante do Novo Partido Anticapitalista (NPA), fala sobre as tarefas da esquerda e os desafios da luta contra a extrema direita no país
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 17 jul 2024

Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política

As próximas eleições municipais brasileiras serão uma etapa importante da luta contra a extrema direita
Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.