A saída é pela esquerda! Como os franceses derrotaram a extrema direita na França
1720396118668b295654472_1720396118_3x2_md

A saída é pela esquerda! Como os franceses derrotaram a extrema direita na França

As eleições europeias apontavam que na França era possível uma vitória da extrema direita. Mas a novidade de uma frente única de esquerda, que respondeu ao chamado das ruas, foi capaz de vencer e mobilizar a população. Quais lições a França nos ensina hoje?

Victor Gorman 10 jul 2024, 09:33

Via Juntos!

No dia de ontem, a vitória da esquerda na França derrotando nas eleições parlamentares a extrema direita, tomou as manchetes dos jornais e encheu de esperança aqueles que lutam por uma outra sociedade. Como foi possível essa vitória, após um primeiro turno que apontava a possibilidade da ultradireita alcançar maioria absoluta?

A extrema direita não é nenhuma novidade na França, se trata de um fenômeno que é internacional, sendo uma das expressões mais terríveis da crise crônica do capitalismo que se abriu após a crise econômica de 2008 e que se manifesta de forma desigual e combinada nos diversos países. Nas eleições presidenciais de 2022, o Reagrupamento Nacional, partido da extrema direita, teve 22% dos votos no primeiro turno, chegando ao segundo turno e sendo derrotado por Macron, que teve apoio de uma ampla aliança democrática para barrar a extrema direita. 

De lá pra cá, durante todo o mandato de Macron a tônica foi o ajuste fiscal, representado pela contra reforma da previdência que aumentou a idade mínima para aposentadoria, e num conjunto de contra reformas que atacavam imigrantes, largamente inspirada pelo programa apresentado nas eleições presidenciais por Le Pen, candidata da extrema direita racista e xenófoba. A aposta desse setor na pauperização da população como saída para a crise estrutural que vivemos gera uma frustração com as promessas da democracia liberal e seus sistemas de representação, sentimento esse facilmente capturado pela extrema-direita que usa uma mascara de radicalidade contra o sistema.

O resultado não poderia ser outro, nas eleições para o parlamento europeu deste ano, o grande derrotado foi o grupo político de Macron, o Essemble, que teve apenas 20% dos votos. O ótimo desempenho da extrema direita, com seu partido Reagrupamento Nacional (RN) que ficou em primeiro, com mais de 30% dos votos e a manutenção das cadeiras de esquerda, que estava fragmentada e com dificuldade de se apresentar como alternativa, apresentavam o nível de insatisfação.

Após esse resultado, Macron dobrou a aposta dissolvendo o parlamento francês e convocando novas eleições. Estava prevendo que no risco da extrema direita ascender ao poder era possível ser criado uma nova aliança ampla democrática ao redor de seu grupo, e que mesmo que a extrema direita ganhasse maioria no parlamento eles iriam se desgastar até o próximo pleito eleitoral. Uma aposta absolutamente irresponsável, pondo em risco milhões de imigrantes, mulheres, LGBTs, negros e negras franceses que seriam alvo das políticas da extrema direita.

Mas a novidade de uma frente única, pautada pelas necessidades do povo e impulsionada pelos movimentos sociais mudou o cenário. Em apenas 4 dias após a convocação das novas eleições, foi conformada a Nova Frente Popular (NFP), uma unidade que surgiu como resposta ao pedido de milhares de pessoas que tomaram as ruas após o resultado das eleições europeias e que abriu caminho para a conformação de um programa mínimo, de esquerda, que se colocasse como alternativa tanto à extrema direita, mas também à Macron e sua agenda de corte de direitos. É importante destacar que não se trata uma aliança apenas entre os setores da esquerda radical, o que é nítido pela presença do Partido Socialista que já governou e se adaptou ao sistema, mas o programa que unificou essa frente responde à voz das ruas, dos milhares que tomaram as ruas no último período contra as reformas do governo Macron, e que voltaram novamente a ocupar as ruas contra à extrema direita. Não à toa alguns dos pontos principais são as revogações imediatas dos decretos que aumentaram a idade para a aposentadoria, reversão dos cortes na política habitacional, fixação do preço dos alimentos de primeira necessidade, e da defesa do cessar fogo imediato em Gaza.

Contrariando as pesquisas após o primeiro turno, que ocorreu há uma semana, onde a extrema direita estava à frente, ontem quem venceu foi a esquerda. E para entender como isso foi possível precisamos olhar alguns elementos:

1 – A existência de uma esquerda independente que pôde se apresentar como alternativa, que não cedeu à pressão dos setores do centro e da direita.

2 – Um programa que respondeu às ruas, se conectando com as lutas em curso: seja pelo direito à aposentadoria e habitação, pelo cessar fogo em Gaza ou contra a extrema direita. O caminho é a tomada das ruas.

3 – Encarar a luta contra a extrema direita com prioridade e responsabilidade: A Nova Frente Popular anunciou que não iria medir esforços para derrotar a extrema direita, retirando candidaturas que ficassem em terceiro lugar para fortalecer quem tivesse mais chances de derrotar a extrema direita, gesto que não foi seguido lcompletamente por Macron e seus aliados.

Isso tudo ajuda a compreender como a Nova Frente Popular em menos de uma semana não apenas foi um freio de contenção, como seria se as previsões fossem concretizadas, mas mobilizou milhões e saiu como a maior força política dando um recado importante: é possível combater a extrema direita, ao passo que se apresenta um programa que aponte para o enfrentamento ao programa neoliberal.

Sabemos que este processo ainda irá se desenvolver, que apesar da vitória da Nova Frente Popular, o Reagrupamento Nacional se consolida como o maior partido do país, e que o Ensemble de Macron continua com força política e ainda terá uma disputa para a formação de governo, mas que sem nenhuma dúvida devemos comemorar e nos inspirar na coragem e resistência da esquerda francesa!


TV Movimento

Desenvolvimento Econômico e Preservação Ambiental: uma luta antineoliberal e anticapitalista

Assista à Aula 02 do curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe nosso site para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br.

Neofascismo e Negacionismo Climático: uma luta internacional

Curso de formação política sobre emergência climática e luta ecossocialista! Assista à Aula 01 do novo curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe o site da PLCMF para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br

Contra a extrema direita na França!

Oliver Besancenot, militante do Novo Partido Anticapitalista (NPA), fala sobre as tarefas da esquerda e os desafios da luta contra a extrema direita no país
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 17 jul 2024

Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política

As próximas eleições municipais brasileiras serão uma etapa importante da luta contra a extrema direita
Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.