Odiar o termo “povos indígenas” é apagar a cultura e história de nossos povos

Ministro odeia o termo porque somos guardiões da natureza.

Heloise Rocha 24 maio 2020, 15:20

O ministro da educação Abraham Weintraub declarou, durante a reunião ministerial cujo vídeo foi divulgado nesta sexta-feira dia 22/05/2020, que odeia o “termo povos indígenas”. De uma forma bastante racista, o que ele demonstra infelizmente não é surpresa para ninguém que conhece sua índole neofascista; porém, faz nos atentarmos para o que de fato ele reconhece como “povo brasileiro” ao dizer em alto e bom som que odeia termo “povos indígenas”.

A tentativa de homogeneização do “povo brasileiro” não é recente, ela tem base num processo histórico de tentar embranquecer a população brasileira e promover o apagamento étnico e racial. Uma tendência que tem raízes profundas na eugenia, teoria bastante difundida em projetos fascistas. Ao não reconhecer os “povos indígenas” e demais grupos identitários, se nega o reconhecimento desses povos como seres humanos, com diferentes saberes, histórias, culturas e, principalmente, direitos.
Direitos estes que são negados por esse governo neofascista mesmo antes das eleições. O governo Bolsonaro odeia os povos indígenas porque fomos os primeiros a nos levantar contra esse governo, no Janeiro Vermelho, com a Campanha “Sangue Indígena Nenhuma Gota a Mais”, que foi uma grande mobilização por nossos direitos; nesta Campanha também foi organizada pela Articulação dos povos Indígenas do Brasil – APIB uma grande caravana pela Europa para denunciar a grande “cruzada” neofacista que estava sendo travada contra os povos originários no Brasil. Depois disso, seguimos sendo atacados, mas também resistindo aos ataques e denunciando nacional e internacionalmente a violação de direitos que povos indígenas vêm sofrendo nesse desgoverno Bolsonaro.

O que o ministro odeia nos povos indígenas é a sua diversidade, ele odeia reconhecer que os povos indígenas têm direitos naturais sobre suas terras e que nós somos os verdadeiros protetores delas; ele odeia 305 etnias que falam mais 274 línguas diferentes e ele odeia a pluralidade das culturas indígenas, que produzem ciências, arte, literatura, música, religião e saberes repassados principalmente pela oralidade. Ele odeia os povos indígenas porque resistimos a 520 anos de extermínio, ele odeia a nossa (r)existência contra o colonizador. A colonização não acabou, estamos aí defendendo nossa cultura, nossa terra, o nosso modo de viver e de nos relacionar com a mãe terra.

Precisamos entender que o Brasil é formado por uma diversidade de povos e que é preciso sim afirmar POVOS INDÍGENAS e, quando Weintraub e Bolsonaro negam a diversidade, o que verdadeiramente eles querem é impor um único projeto econômico capitalista, predatório, voraz que despreza qualquer tipo de projeto que seja diferente desse!

Ele odeia o termo POVOS INDÍGENAS porque somos guardiões da natureza e, por isso, nós seguiremos ainda mais vivos e na luta contra os predadores da terra mãe! Surara!

#BrasilTodoéTerraIndígena

#NossoDireitoéOriginário


TV Movimento

PL do UBER: regulamenta ou destrói os direitos trabalhistas?

DEBATE | O governo Lula apresentou uma proposta de regulamentação do trabalho de motorista de aplicativo que apresenta grandes retrocessos trabalhistas. Para aprofundar o debate, convidamos o Profº Ricardo Antunes, o Profº Souto Maior e as vereadoras do PSOL, Luana Alves e Mariana Conti

O PL da Uber é um ataque contra os trabalhadores!

O projeto de lei (PL) da Uber proposto pelo governo foi feito pelas empresas e não atende aos interesses dos trabalhadores de aplicativos. Contra os interesses das grandes plataformas, defendemos mais direitos e melhores salários!

Greve nas Universidades Federais

Confira o informe de Sandro Pimentel, coordenador nacional de educação da FASUBRA, sobre a deflagração da greve dos servidores das universidades e institutos federais.
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 10 abr 2024

Musk é inimigo da liberdade

Os ataques do bilionário contra Alexandre de Moraes incentivam a extrema direita brasileira
Musk é inimigo da liberdade
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 48
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Edição de março traz conteúdo inédito para marcar a memória da luta contra a repressão