O acordo PT e PSOL no RS
29BCA385-F9C4-4EFF-B662-D182556E4E3F

O acordo PT e PSOL no RS

Roberto Robaina analisa o acordo entre os partidos no Rio Grande do Sul.

Roberto Robaina 30 jul 2022, 12:05

O PSOL e o PT do Rio Grande do Sul fecharam um acordo inédito. Vão disputar o governo do Estado em uma aliança eleitoral. Foi um acordo que entusiasmou a militância dos dois partidos e suas bases sociais, além de produzir esperanças em dezenas de milhares de pessoas sem partido. Este texto busca, sinteticamente, mostrar como se chegou a esse acordo por parte da direção do PSOL gaúcho, em linha com suas bases teóricas e programáticas.  

Como todos sabem, nacionalmente o PSOL definiu apoiar Lula desde o primeiro turno. O MES, corrente fundadora do PSOL, entrou, desde o início do debate eleitoral, sustentando o nome de Glauber Braga e o apoio a Lula no segundo turno, afirmando, ao mesmo tempo, que duas condições poderiam orientar a necessidade de apoio desde o primeiro turno ao candidato do PT: 

a) A possibilidade de a esquerda ou centro esquerda correr o risco de não ir ao segundo turno e deixar que as forças fascistas e neoliberais disputassem as duas vagas; no plano nacional, era uma possibilidade remota, mas a posição do MES estava posta enquanto tese; 

b) Caso existisse a possibilidade de uma vitória de Lula no primeiro turno, a tática de apoio ao seu nome também deveria ser considerada. Neste caso, pela natureza fascista do seu oponente. Essa posição foi externada por nós e por Glauber Braga nas disputas internas do PSOL.

No plano do Estado do Rio Grande do Sul, a condição “a” da política nacional do MES era a que estava posta. O candidato de Bolsonaro Onix Lorenzoni e o candidato do PSDB, Eduardo Leite, estão na frente em todas as pesquisas, empatados com 24%. O candidato do PT, Edegar Pretto, está em terceiro lugar, com 9 pontos, e o candidato do PSOL, Pedro Ruas, em quarto lugar, com 5%. Neste caso, o apelo pela unidade era lógico e se manifestava na sociedade. 

Durante muito tempo, sustentamos que o candidato do PSOL tinha mais densidade eleitoral do que o candidato do PT (porque aparecia empatado com petista nas primeiras pesquisas e tem um passado ligado ao brizolismo que ampliaria o alcance da chapa) e fazíamos a proposta de encabeçar a chapa. O PT respondia com a proposta de o PSOL ocupar a vaga de vice ou senado. O PSOL insistiu em seu pleito até o final e realizou sua convenção. Votou o nome ao governo e ao senado com chapa pura. No dia seguinte, o PT lançou seu candidato ao senado, vaga que até então estava aberta. Foi o momento da virada, porque o nome de Olívio Dutra tem força. É o político mais respeitado do Rio Grande do Sul (o que não quer dizer o mais votado, já que perdeu as eleições para o senado em 2014) e provavelmente o político do PT mais conceituado no conjunto da esquerda brasileira como um líder honesto e com posições de esquerda. Guardando as devidas proporções, é uma espécie de Mujica brasileiro (embora, felizmente, sem os anos de sofrimento nas prisões e na tortura, o que, é claro, confere a Mujica um lugar único). A relação de forças havia claramente se alterado, e o PT dava a prova de que suas condições de enfrentamento ao candidato do fascismo e ao candidato do neoliberalismo eram superiores às do PSOL. Isso já poderia ser sustentado pelo fato de o PT ter mais tempo de existência, mais inserção, mais deputados estaduais, mais deputados federais e mais tempo de TV e rádio, além do nome de Lula. Tudo isso era certo, mas, ao mesmo tempo, nada disso provava que Edegar, sem o reforço de última hora de Olívio Dutra, tivesse alguma chance de produzir um movimento de massas capaz de lutar de verdade para evitar que as duas vagas fossem do neoliberalismo e do fascismo. 

O lançamento de Olívio Dutra entusiasmou a militância do PT e de amplos setores da esquerda sem partido. Com Olívio, a disputa ao senado passara a ser possível, embora difícil, mas totalmente viável e crível a derrota da candidatura neoliberal de Ana Amélia Lemos, a candidata de Eduardo Leite, e do semifascista general Mourão, o vice de Bolsonaro. O general, em especial, confere uma importância política nacional ao senado do RS. Neste caso, a candidatura do PSOL ao senado não deveria se manter. Mas faltava ainda a disputa ao governo. Olívio se somando aos fatores relativos que já mostravam a força maior do PT em relação ao PSOL na possibilidade de encabeçar a chapa, mas que não eram suficientes para fazer uma disputa real para chegar ao segundo turno, agora abria uma nova realidade. Mas ainda faltava a energia de uma força militante mais jovem. Neste caso, cabia ao PSOL se apresentar. Por isso, era uma obrigação aceitar a proposta do PT de unidade, preocupação que também era a nossa. 

A negociação envolveu a vaga de primeiro suplente ao senado na chapa de Olívio, com mandato coletivo e rodízio, e o lugar de vice-governador. O programa incorporou as principais bandeiras** do PSOL, e a aliança não incluiu nenhum partido burguês. 

Foi um acordo inédito como são inéditas as condições do RS, embora um dos critérios que  nos guiaram na construção das hipóteses para defender o apoio ao PT já no primeiro turno no  plano nacional (item “a” acima) tenha sido claramente estabelecido. Enquanto em SP e RJ, o PSOL apoia sem presença na chapa, cujos lugares são ocupados pelo PT, PSDB e PSB, no RS não há partidos burgueses na aliança, e o PSOL tem as vagas de vice e primeira suplência do senado. Foi o melhor acordo regional entre PT/PSOL para o PSOL.

Mas o caso gaúcho tem, além disso, especificidades que reforçam esse caminho, que não apenas indica a necessidade do voto no PT já no primeiro turno, mas a possibilidade de uma aliança, não somente de um apoio para derrotar os neoliberais e os fascistas. Foi o que fizemos. 

No plano nacional, a aliança de Lula é com o PSB, partido que recebeu um dos principais chefes da burguesia brasileira, Geraldo Alckmin. Lula tem um projeto de reconstrução da Nova República, e isso não se realiza sem uma ampla coalizão com um programa liberal. No RS, nenhum setor burguês está em aliança com o PT. Os setores ligados a Alckmin, por exemplo, são representados pelo candidato Eduardo Leite. Por isso que o PSB não fechou com o PT no Estado. Esse partido era base do governo Leite, e seu projeto é seguir sendo. Edegar Pretto, o candidato do PT, é a principal referência parlamentar do MST no RS, movimento que já não tem nem a força, muito menos a radicalidade do passado, mas que carrega as lutas do campo, do pequeno proprietário, da agricultura familiar, inserido, sobretudo, no interior, onde justamente o bolsonarismo é mais forte. Um interior dominado pelo latifúndio. Assim, o PSOL pode decidir rapidamente fechar a aliança e se comprometer nessa luta, ajudando com sua força e energia militantes uma chapa de Edegar-Ruas (com participação efetiva na campanha e no tempo de TV e rádio, pelo menos de acordo com o tempo que teria o próprio PSOL lançando candidatura própria), além de ser parte ativa da campanha de Olívio tendo o primeiro suplente. 

A vitória de uma chapa assim para o governo, nas condições do Rio Grande do Sul, será possível somente se houver uma imensa mobilização social. Sabe-se que isso ocorreu na Colômbia e no Chile. O Brasil não tem essa situação. Para a vitória de Lula, uma mobilização social tão poderosa não é pré-requisito. É lógico que é muito importante, mas Lula pode ganhar a partir do acordo nacional que está costurando e com votos, numa ação de massas mais passiva, com menos peso da rua. Essa tem sido a política de Lula. Mas as mobilizações de massas e até as revoluções avançam muitas vezes com o chicote da contrarrevolução. E o bolsonarismo tem esse projeto. Lula também sabe disso. Por isso, esteve preocupado nacionalmente em atrair o PSOL e unir setores mais à esquerda, ainda que seu eixo seja a costura com as cúpulas das principais instituições. Mas o bolsonarismo vai atuar. Setores de massas estarão dispostos a responder. A eleição do RS será um lugar muito importante nessa disputa. Pode ser uma campanha de mobilização. Essa será nossa política. A unidade eleitoral será determinante. A aliança serve para isso. Era isso ou uma chapa de propaganda. Quando podemos mobilizar de verdade, limitar-se à propaganda é para quem aceita ser apenas testemunha. Não é o nosso caso.

*A chapa será composta por PT, PSOL, PCdoB, Rede e PV

**A direção do PT-RS decidiu incorporar os três 

pontos programáticos apresentados pelo PSOL ao Plano de Governo da Federação Brasil

Esperança em âmbito estadual, que são: a revisão da adesão do estado ao Regime de 

Recuperação Fiscal; o fim das isenções fiscais às grandes empresas e reformas agrária e urbana sob controle das organizações dos trabalhadores. Os pontos constam na nota publicada pelo PSOL em seu site.

Acordos

Acordo em SP – Governo PT, vice Rede ou PSB, Senado PSB

Acordo no Rio – Governo PSB, vice PSDB, Senado PT e PSB (sendo questionado)

Acordo RS – Edegar Pretto (PT) governador, Pedro Ruas (PSOL) vice, Olívio Dutra (PT) senador, Roberto Robaina (PSOL) primeiro suplente em mandato coletivo no Senado.


Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

   

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta é a vigésima quarta edição da Revista Movimento. Iniciando nossas publicações em 2022, preparamos uma edição com um dossiê de mulheres, organizado pelas mulheres do Movimento Esquerda Socialista (MES).