A indicação do vice de Nunes e as opções da direita paulistana
8BE0C3E1-B9F7-4187-BCBE-5B2006CA1F04

A indicação do vice de Nunes e as opções da direita paulistana

As possibilidades de candidatura a vice do prefeito de São Paulo e suas consequências

Israel Dutra 14 jun 2024, 19:07

Foto: Agência Brasil

O acirramento da disputa eleitoral na capital paulista está explícito. Faltando pouco mais de dois meses para a abertura oficial da campanha, os espaços de preparação da eleição escalam, com novas rodadas de pesquisa confirmando a renhida disputa entre Boulos e Nunes, desde o primeiro turno. Na última Datafolha, Boulos e Nunes aparecem na dianteira, com 24 e 23%, respectivamente. Em seguida, oscilando entre 8 e 7% , pontuam Tabata Amaral, José Luiz Datena e o “coach” Pablo Marçal, deprimente novidade da constelação direitista no pleito municipal. Nota-se, contudo, uma diferença grande, em relação ao cenário da pesquisa do Instituto Atlas e da CNN, onde Boulos chega a 37% contra 20 % de Ricardo Nunes.

Para além das pesquisas, contudo, Nunes quer consolidar uma estratégia de campanha que possa driblar o desgaste acumulado por sua gestão, alinhando-se cada vez mais com Bolsonaro e com Tarcísio. (ver artigo Nunes conversão à direita). Um óbvio lugar comum que o leva a atitudes como o reforço à pauta privatista – vide o show de horrores que foi a sessão na câmara municipal que tratou da venda da SABESP – e sua não participação na parada LGBTQI, uma das maiores atividades de rua desse tipo do mundo.

Dentro desse cenário, a escolha do vice do atual prefeito, que deve ser tomada em alguns dias, eivada de polêmicas e disputas, indica quais setores e estratégias estão em luta dentro do condomínio da extrema direita paulistana.

Na Folha, na coluna Painel, o jornalista Fábio Zanini comentou que “o fortalecimento do nome do coronel da reserva Ricardo De Mello Araujo, do PL, indicado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para vice de Ricardo Nunes (MDB) na eleição para a prefeitura de SP gerou revolta em lideranças do PP”.

Os nomes que estão levantados- alguns já previamente descartados – ilustram o perfil que Nunes precisa dar a sua jornada. Vejamos: Ricardo de Mello Araujo, Sonaira Fernandes, Delegado Olim e a Delegada Raquel Galinatti. O ainda favorito Ricardo de Mello Araujo representa a ostensividade da visão policialesca, exibindo como distintivo sua trajetória à frente da ROTA.

Sonaira Fernandes conta a seu favor a capacidade de articulação política ideológica, sendo uma bolsonarista que circula bem em diversas esferas da sociedade, sendo vereadora e secretária de governo de Tarcísio, chegando a se apresentar como “Damares de São Paulo”. Seria uma aposta na renovação por um lado, e por outro no reforço da agenda ideológica.

Como parte da “bancada da segurança pública”, dois delegados correm por fora: Olim e Raquel Galinatti, considerados opções para manter as pontes com a centralidade da “agenda dura” no caso da segurança pública.

Antes chegaram a ser cogitados Milton Leite e Aldo Rebelo, que indicam as outras facetas que compõem o arranjo de Nunes para vencer a eleição.

Leite, todo-poderoso da Câmara de SP sofreu um duro golpe, com denúncias que vieram a público, chegando a ter seu sigilo quebrado. Como um experiente dirigente político que controla o parlamento e tem muito peso sobre o poder local, Milton Leite, rebateu, em nota, acusações de envolvimento com o esquema de lavagem de dinheiro do Primeiro Comando da Capital (PCC) por meio de empresas de ônibus.

Aldo é a conversão patética de um dirigente oriundo do PCdoB num colaborador direto da extrema direita. Suas posições nacionalistas foram derivando em posições extremamente conservadoras, chegando ao cúmulo de cultivar a relação direta com Bolsonaro, com direito à presença do ex-presidente genocida no lançamento de seu livro.

A escolha da candidatura à vice de Ricardo Nunes ilustra a constelação mais geral por onde passa a articulação da direita paulistana, numa eleição que vai polarizar a política na cidade de São Paulo nos próximos meses. Envolve diretamente a disputa com Tarcísio para se credenciar como nome viável à futura disputa presidencial.

Para parar a mão da extrema direita, é necessário derrotar eleitoralmente Nunes e construir um ambiente político na sociedade para reforçar as nossas ideias, no âmbito político e programático. A campanha de Boulos terá esse desafio, sendo apoiada e observada por dezenas de milhares de ativistas que estão ávidos para derrotar o projeto de Nunes que é o projeto de Bolsonaro. A campanha de Luana Alves, que já vem cumprindo um destacado papel de oposição combativa na câmara, ao lado do conjunto da bancada do PSOL, será uma caixa de ressonância a serviço do enfrentamento à direita paulistana.


TV Movimento

Desenvolvimento Econômico e Preservação Ambiental: uma luta antineoliberal e anticapitalista

Assista à Aula 02 do curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe nosso site para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br.

Neofascismo e Negacionismo Climático: uma luta internacional

Curso de formação política sobre emergência climática e luta ecossocialista! Assista à Aula 01 do novo curso do canal "Crítica Marxista", uma iniciativa de formação política da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco, do PSOL, em parceria com a Revista Movimento. Acompanhe o site da PLCMF para conferir a programação completa do curso: https://flcmf.org.br

Contra a extrema direita na França!

Oliver Besancenot, militante do Novo Partido Anticapitalista (NPA), fala sobre as tarefas da esquerda e os desafios da luta contra a extrema direita no país
Editorial
Israel Dutra e Roberto Robaina | 17 jul 2024

Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política

As próximas eleições municipais brasileiras serão uma etapa importante da luta contra a extrema direita
Se aproximam as eleições municipais: colocar o programa no centro da atividade política
Edição Mensal
Capa da última edição da Revista Movimento
Revista Movimento nº 51
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.
Ler mais

Podcast Em Movimento

Colunistas

Ver todos

Parlamentares do Movimento Esquerda Socialista (PSOL)

Ver todos

Podcast Em Movimento

Capa da última edição da Revista Movimento
Esta edição da Revista tem como centro temático um “Dossiê: Transviando o marxismo”, por ocasião ao mês do Mês do Orgulho LGBTQIA+. Ela começa com o texto Manifesto Marxista-Pajubá que se propõe a imprimir uma perspectiva marxista à luta de travestis e demais pessoas trans e às formulações respectivas à transgeneridade. Organizado pelo Núcleo Pajubá do MES, este manifesto oferece um espaço de reflexão, resistência e articulação política, onde vozes diversas e potentes se encontram para desafiar o status quo opressor e explorador e construir lutas de emancipação.