Revista Movimento Movimento Movimento: crítica, teoria e ação

“É necessário começar um novo maio de 68”

Em entrevista inédita, Alain Krivine, um dos líderes do 68 francês, reconstrói os acontecimentos que encandeceram seu país naquele ano.

Alain Krivine foi um dos líderes do movimento de maio de 1968 na França. Na época tinha 27 anos e era um dos dirigentes da JCR (Juventude Comunista Revolucionária), organização formada dois anos antes por militantes excluídos do PCF (Partido Comunista Francês) e da União dos Estudantes Comunistas.

A radicalização de uma parte da juventude comunista, em torno de temas como a oposição à guerra da Argélia (ou seja, a oposição ao imperialismo de seu próprio país), a solidariedade à luta do povo vietnamita, e a crítica à burocratização do PCF, foi parte do processo de radicalização da juventude que desembocou em maio de 1968.

Ainda como militante do PCF, Krivine havia se tornado militante da IV Internacional. A JCR tinha cerca de 300 militantes antes de maio, e teve um rápido crescimento a partir daí.

Por sua atividade militante, Krivine foi preso em julho de 1968, e libertado alguns meses depois. Em 1969, foi um dos fundadores da Liga Comunista (que unificou os militantes da JCR com os militantes “adultos” da IV Internacional). A LC foi dissolvida em 1973 pelo Estado francês e recriada em 1974, com o nome de Liga Comunista Revolucionária.

A LCR foi por várias décadas uma das principais organizações da IV Internacional (e da extrema-esquerda em geral), e Krivine um de seus principais dirigentes. Foi candidato a presidente da França por duas vezes (em 1969 e 1974); eleito deputado no Parlamento Europeu em 1999, exerceu seu mandato de 5 anos.

Em 2009, a LCR se autodissolveu para impulsionar a criação do Novo Partido Anticapitalista (NPA).

Krivine publicou uma autobiografia em 2006, à qual deu o título irônico de “Ça te passera avec l’âge”, que podemos traduzir por “Isso vai passar com a idade”. Para ele, “isso” – a convicção revolucionária, a dedicação da vida à militância comunista, o internacionalismo, a solidariedade a toda a humanidade, a confiança na construção de uma sociedade livre de toda exploração e opressão – não passou nunca.

No Congresso da IV Internacional de 2018, Krivine foi convidado a fazer o discurso de abertura, com o tema “50 anos de maio de 1968”. A seguir, apresentamos a entrevista com ele realizada nessa oportunidade.

Hoje em dia, há um debate não apenas na França, mas em todo o mundo, sobre a relevância e os impactos do Maio Francês na História. Por, fale-nos sobre o seu ponto de vista nesta questão.

Alain Krivine –  Eu acredito que este acontecimento tenha deixado um legado mais do que positivo, uma vez que representa algo tão essencial que é uma enorme explosão social como conhecemos na França e na maioria dos países do mundo. Mesmo que na França e na Itália tenham sido exceções, pela ligação mais ou menos forte entre estudantes e trabalhadores, enquanto em outros lugares o que houve foi essencialmente uma explosão da juventude e dos estudantes. Este acontecimento primeiramente mostrou que uma grande explosão social anticapitalista sempre é possível; em segundo lugar, quando ocorre uma explosão social e um movimento tão grande quanto esse (havia 10 milhões de grevistas com bandeiras vermelhas nas ruas da França), as pessoas se tornam, como dizia Trotsky, cotidianamente irreconhecíveis. Assim, essa revolução cultural, sexual e artística desafiou muitas coisas. Mesmo que muito dela não tenha durado e mesmo que todos os novos movimentos sociais que conhecemos hoje não tenham nascido em 68 (mas depois de 68 e graças a 68). Nós temos a ideia de que uma explosão social ainda é possível. Para mim, hoje, o anticapitalismo está mais forte. Eu creio que o título do artigo escrito pelo redator-chefe do Le Monde à época, semanas antes da eclosão da greve geral, “A França está entediada…”, diz para que tudo é possível. Em todo caso, é necessário começar de novo um novo maio de 68, mas em outras condições e que desta vez ocorra em todas as frentes, o que não foi o caso daquela explosão.

No tocante ao início da rebelião, conte-nos um pouco dos fatores que concorreram para que aquele Maio se tornasse um capítulo incontornável do século XX. Como foram os antecedentes imediatos e as primeiras movimentações que culminariam num evento global?

Eu acho que começou com a soma de dois fenômenos diferentes: um fenômeno que dizia respeito chegada de novos estudantes nas universidades da França e em todo o mundo; e outro fenômeno de questionamento à universidade burguesa, tal como ela existia com seus cursos tradicionais, algo que não era mais aceitável pela chegada de dezenas de milhares de novos estudantes – advindos não das camadas populares, mas das camadas médias – às universidades ao redor do mundo, estas que não eram mais reservadas às camadas altas da sociedade. Portanto, um questionamento da universidade burguesa, um questionamento de sua composição. Além disso, houve uma politização enorme dos jovens na França e no Mundo inteiro, dos jovens, mas não só dos jovens, por ocasião da guerra do Vietnã e pela manifestação em Berlim em fevereiro de 68 junto com o líder socialista alemão – que posteriormente seria baleado – Rudi Dutschke. Tal fato na Alemanha, em fevereiro de 1968, nos serviria de treino quando mais à frente quando foi convocada a greve geral, assim como aprendemos palavras de ordem que faziam Che Guevara ou Ho-Chi Minh mais aceitáveis e com mais entrada nas escolas.

Em relação ao impacto global desse acontecimento, seus artigos sempre destacam que 1968 foi uma unidade de diferentes realidades e uma irrupção que atingiu diferentes países (México, Tchecoslováquia, Itália, EUA, Brasil, Tunísia, Argentina, etc.). Explique-nos um pouco mais esta sincronia.

Eu creio que houve revoltas da juventude na maior parte dos muitos países existentes na América Latina, nos Estados Unidos, na Tchecoslováquia e em outros países da Europa, cada um a sua maneira. As duas exceções foram a França e a Itália, onde houve uma forte coalizão operário-estudantil. Eu creio que a explicação para essa explosão, especialmente na juventude estudantil, como eu já disse, é a chegada à universidade de novas camadas sociais e o questionamento da Universidade clássica. Há ainda a politização que estava ligada e que aumenta rapidamente com uma tomada de posição rápida e massiva contra a guerra do Vietnã. E os dois elementos influenciaram a explosão da juventude no mundo inteiro, na França, como na Itália, na Espanha, ou em Portugal. Uma explosão enorme da juventude em todos estes países, mas mais vinculado ao movimento operário na França e na Itália.

Tratando especialmente da França, qual o papel que cumpriram neste processo o stalinismo e o Partido Comunista?

Eu creio que para o PC (Partido Comunista) e para a CGT (Confederação Geral dos Trabalhadores) foi o começo de uma crise, entretanto, não muito visível à época. Naquele momento, ambos ainda eram muito poderosos. O stalinismo tinha milhares de militantes e muitos cargos parlamentares, dirigiam principal sindicato do país (CGT). Contudo, em certos setores operários, onde havia uma nova classe operária, a direção stalinista começou a ser questionada, embora este questionamento nunca tenha aparecido de forma massiva em 1968. Esse questionamento apareceria muitos anos mais tarde ou dezenas de anos mais tarde, mas àquela época resumia-se a sua oposição sindical, a quem chamavam de “gauchistes” [radicais de esquerda]. A atitude da CGT era ambígua, eles não convocaram uma greve geral, porém convocaram uma série de outras greves. Quando o Estado desapareceu por uma semana em que De Gaulle estava Alemanha, foram os sindicalistas que garantiram a circulação. Na região de Provença, foram as intersindicais que levavam os alimentos aos comerciantes porque não havia mais alimentos. Então os sindicatos tiveram um papel, a depender do país e da região, às vezes de apoio, às vezes de condenação. Mas a direção nacional do Partido Comunista Francês e a direção da CGT ficaram muito aborrecidas com um movimento que não controlavam e que eles não queriam tomar a direção. E quando o problema do poder foi colocado, as pessoas e a classe operária confiavam a Alain Geismar, Jacques Sauvageot e Daniel Cohn-Bendit (que eram os três dirigentes mais conhecidos) para fazer as manifestações, mas não para governar e tomar o poder. E houve uma ofensiva, que foi mal sucedida, em 28 de maio, quando Pierre Mendès France e François Mitterrand se propuseram como candidatos. Houve então uma segunda ofensiva do General de Gaulle convocado a dissolução do parlamento e chamando novas eleições – que aconteceriam em junho e que ele ganharia já que nesse momento o PC aceitou prontamente as eleições. E nós elaboramos uma palavra de ordem que para a época era justa, naquele momento preciso, mas não globalmente, que era “Élections, pièges à com [Eleições, armadilhas]”, já que era uma forma do Partido Comunista enterrar de forma eleitoral um movimento extraeleitoral.

Em 2018, também se celebram os 80 anos da fundação da IV Internacional. Como conclusão desta nossa conversa, gostaríamos de saber o envolvimento e a agência dos líderes juvenis e estudantis, vinculados ao trotskismo e à JCR, no desenvolvimento de Maio de 68. Fale-nos um pouco disso e da relação de seus camaradas com a luta da classe operária.

Podemos dizer duas coisas. Em primeiro lugar, a Quarta Internacional nos ajudou materialmente. Quando houve a greve no setor de combustível, foi a seção alemã, belga, italiana, que nos fornecia gasolina. E nós abastecíamos os carros graças à gasolina provinda dessas seções da Quarta Internacional. Isso pode parecer pouco, mas é uma ajuda enorme. Era preciso até mesmo se esconder para abastecer um carro com gasolina para que não a roubassem. Em segundo lugar, nós criamos, já que havíamos sido expulsos dois anos antes do Partido Comunista e dos Estudantes Comunistas, de uma forma um pouco arbitrária, com o trotskista belga Ernest Mandel, a Juventude Comunista Revolucionária. Ela reunia no início do movimento algo em torno de 600 pessoas, e talvez 900 pessoas ao final. Mas teve um papel decisivo no serviço de ordem. Isso quer dizer que em todas essas manifestações, havia todas as noites uma reunião de milhares de estudantes em Paris, em torno da estátua de Denfert-Rochereau, e lá haviam dois grupos que dirigiam: o de Cohn-Bendit e que dizia para onde a massa deveria ir, que era ele que decidia, e a JCR que estavam embaixo que levavam as pessoas aonde elas queriam ir. Nem um nem o outro eram democráticos, mas as assembleias gerais com milhares de pessoas não eram mais democráticas. Então, a Quarta Internacional e a JCR tiveram um papel importante, apesar de seu tamanho, mas no espaço de alguns dias. Eu dou um exemplo: quando Cohn-Bendit foi excluído, nós todos criamos, dezenas de milhares, “nós somos todos judeus alemães”, nós nunca teríamos criado isso antes, se tivéssemos criado isso dois meses antes nas universidades as pessoas nos tomariam como loucos, porque elas não eram nem judias nem alemãs.

Movimento - Crítica, teoria e ação

Apresentação

Apresentamos uma revista especial sobre os 50 anos do Maio de 1968 com o orgulho de herdar uma tradição. Assim como a Comuna de 1871, a Revolução Russa de 1917 e as lutas contra as ditaduras na América Latina, consideramo-nos parte deste excepcional movimento mundial de luta política, protagonizado por jovens e trabalhadores de várias partes do mundo, como nas famosas barricadas de Paris. Consideramos suas lições e sua potência como atuais. Boa parte dos leitores da Revista Movimento participaram ativamente das Jornadas de Junho de 2013 em nosso país. Aos cinco anos deste acontecimento, queremos contribuir para o encontro e a síntese de tão distantes e ao mesmo tempo tão próximas gerações.

Solzinho

Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky Uma biografia inédita de Stalin escrita por Leon Trotsky

Leon Trotsky Joseph Stalin

MES: Movimento Esquerda Socialista MES: Movimento Esquerda Socialista